Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Review: Game of Thrones S06E02 – “Home”

Ah… A grande diferença entre as duas maiores séries de televisão da atualidade continua se mostrando presente nessa atual temporada de Game of Thrones. Talvez seja pelos episódios estarem ligeiramente menores do que estamos acostumados (reflexo da ausência de material? reflexo do medo dos produtores em não saberem exatamente como alongar a história?), mas o sexto ano de GoT continua atendendo aos desejos dos fãs sem nos fazer esperar por muitos episódios.

Por atender os desejos dos fãs, você deve ter entendido que me refiro à conclusão de todo o arco de história da “morte” de Jon Snow, mas falaremos disso daqui a pouquinho. “Home” apresentou histórias de praticamente todos os personagens, exceto o núcleo de Daenerys e do pessoal em Dorne. Bram Stark reaparece logo nos minutos iniciais; Arya continua o seu cosplay de Demolidor; Sansa se despede de Theon e parte para a Muralha; Ramsay faz “ramsyces”; Tyrion alimenta os dragões; os Lannisters enfrentam o luto pela morte de Myrcella; e o pau quebra na Muralha.

Apreciei o começo do episódio com a lembrança da infância de Ned Stark e a inesperada revelação de Hodor era uma criança normal que se comunicava normalmente fora do seu dialeto peculiar. Lyanna Stark também aparece nessa lembrança e isso já seria motivo para garantir o retorno de Jon Snow, considerando algumas das principais teorias presentes na internet. Pensei até que o “home” do título fazia referência à ele, mas talvez esteja mais conectado ao arco de Theon Greyjoy.

- Advertisement -

Theon se redimiu parcialmente ao salvar Sansa da morte, mas a culpa ainda pesa na sua consciência e por isso ele decide retornar para a sua casa. Para o único lugar em que ele acredita que poderia garantir a sua segurança ou o mais próximo de sentir alívio com todas as consequências de suas escolhas.

Aliás, por enquanto não me incomoda, mas o excesso de conteúdo torna os episódios um tanto fragmentados e poderemos achar isso enfadonho a longo prazo. Não é por acaso que os melhores episódios foram aqueles que centraram a narrativa em um único personagem (“The Watchers on the Wall”, na quarta temporada).

Jaime Lannister desempenha um momento de destaque no episódio ao aconselhar o seu filho a conversar com a mãe. Arrepiante ver o desenvolvimento desse personagem e a trajetória dele ao longo dos últimos seis anos: hoje, sem dúvidas, o Regicida é um dos meus favoritos na série e o seu amadurecimento imenso o transforma em uma pessoa completamente diferente do idiota da primeira temporada. Os efeitos da morte do pai, a qual ele se sente responsabilizado, e tudo que viveu com Brienne até chegar em Kingslanding cobraram um preço alto na vida de Jaime e ele se viu obrigado a amadurecer.

Na primeira edição do nosso programa semanal hanGOT, discutimos se Ramsay Bolton era o maior vilão da história de Game of Thrones. Caso alguém ainda tenha dúvidas disso, “Home” tratou de sanar essas questões de vez. Após matar o pai friamente, o bastardo pede para ver a madrasta e o bebê recém-nascido. Nós, como telespectadores conscientes da maldade do personagem, sentimos um arrepio na espinha na cena em que ele pede para carregar o irmão. O alívio por ele não fazer nada de ruim naquele momento não dura muito: Ramsay é um autêntico psicopata que mantém o rosto inexpressivo enquanto observa seus cachorros devorarem a madrasta e o irmãozinho. Assustador.

Por último, o conflito envolvendo os Corvos traidores contra aqueles que se mantiveram leais a Jon Snow dura pouco. Com a presença arrepiante dos Selvagens e do gigante feioso, nenhum Corvo é tolo de sustentar apoio ao golpe liderado por Alisser. Isso abre espaço para finalmente Sir Davos pedir ajuda para a bruxa ruiva usar seu conhecimento e ressuscitar Jon Snow. A sequência inteira deixa o telespectador um pouco desconfortável: afinal, depois de ver A Bruxa nos cinemas meses atrás, a última coisa que conseguimos é ficar de boa conferindo uma bruxa fazendo seus feitiços em um dialeto macabro. Parecia que não daria nada, mas somos surpreendidos com o despertar do nosso herói e a certeza de que o pau vai quebrar entre Ramsay e Jon Snow.

“Home” é ainda melhor do que “The Red Woman” e nos deixa otimistas com o trabalho “independente” dos roteiristas e produtores. Agora é torcer para que domingo chegue rápido mais uma vez!

Review s06e02 - home 2
O Tullio Dias e a Path Torres iniciaram um projeto chamado hanGOT para um bate-papo sobre o episódio da semana em Game of Thrones. Assine o nosso canal no YouTube para não perder nenhuma edição dos programas.

hanGOT #1 – “The Red Woman”

Comentários