Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Review: Jessica Jones s01e04 – “99 Friends”

Jessica Jones 99 Friends

Depois de um terceiro episódio bem movimentado, com o esperado encontro entre Jéssica e Kilgrave, já era esperado que os roteiristas fossem pisar o pé no freio na história. Dito isso, fiquei pensando numa palavra que poderia resumir tudo o que aconteceu e me veio na cabeça duas definições: confiança e paranoia, pois o roteiro nos levar a acreditar que o assassino e controlador de mente estava tramando algo contra Jessica. E na verdade não foi bem isso que aconteceu.

Jessica ainda não está sabendo lidar com o fato de Kilgrave estar vivo e possivelmente atrás dela. Isso piora ainda mais quando ela acha que está sendo fotografada e perseguida por ele. A partir dai vimos nossa (ex) heroína mais abalada psicologicamente do que nunca.

- Advertisement -

Para piorar essa paranoia toda de Jessica aparece uma nova cliente. Audrey é uma mulher rica em busca de vingança do marido infiel e que precisa de provas da traição dele para usar no processo de separação. Até ai tudo bem, mas Jessica desconfiada resolve investigar melhor Audrey para saber se ela está sob o domínio de Kilgrave. Nesse momento ficamos sabendo de uma informação importante: o controle de mente de Kilgrave sobre as pessoas dura somente 12 horas. No final de tudo descobrimos que Audrey era uma louca querendo matar pessoas com superpoderes. Não posso deixar de dizer que a cena foi hilária, com direito a Jessica debochando da ricaça.

Em contrapartida a trama central, tivemos o desenvolvimento da relação entre Trish e Will. O policial que tenta destruir Kilgrave sente que está em dívida com Trish por ter tentado matá-la e ao mesmo tempo a radialista ainda não confia totalmente em Will. Os dois então começam a se conhecer e criar afinidades. Confesso que ainda não sei como esse casal poderá render para a história, mas até agora está interessante.

Depois da entrevista de Trish com Hope outras vítimas do assassino começam a aparecer no escritório de Hogarth para relatar o que aconteceram com elas, ficou parecendo mais uma sessão de terapia grupo do que outra coisa. Entretanto, foi de suma importância para Jessica descobrir que seu vizinho Jeryn, que até então estava sem função na história, era quem estava espionando ela para Kilgrave.
“AKA 99 Friends” apesar de ser um pouco mais lento, conseguiu desenvolver melhor alguns personagens e avançar na trama em alguns aspectos. Só estou bem intrigado quanto ao passado de Kilgrave ou quais as suas reais motivações, mas acredito que isso deve ser mostrado mais à frente.

Gostaria de destacar a opção do showrunner da série e da direção em dar um tom mais cru e realista a produção. Em Jessica Jones nada é muito exagerado, não temos jogadas de câmeras estratosféricas, luzes escuras e nem lutas surreais. Em Demolidor (Marvel/Netflix) já havíamos constatado esse detalhe, mas em Jessica Jones tudo ficou um pouco mais evidente. Outro coisa que não posso deixar de citar é o gênero noir aplicado na série até agora, com a narração em off da protagonista. Em geral, eu particularmente achei tudo isso um grande acerto e que deixa Jessica Jones ainda mais especial.

Comentários