Review: The Walking Dead s06e03 – “Thank You”

Review The Walking Dead s06e03

Caraca.

Difícil encontrar outro termo para definir esse episódio. Caso você ainda não tenha assistido, o meu conselho é interromper a leitura antes de ter uma grande surpresa.

“Thank You” é o terceiro episódio (e agora sim, o melhor da temporada e um dos mais interessantes da série inteira) desta nova temporada e continua mostrando os eventos paralelamente o que foi visto nos dois episódios anteriores.

Rick parte para tentar impedir o grupo de zumbis de chegarem até Alexandria e deixa Glenn e Michone para liderarem os outros sobreviventes que participaram da ação planejada para evitar um ataque maciço contra a cidade. No entanto, ele já deixa bem claro que eles provavelmente terão que lidar com as perdas de algumas daquelas pessoas – e elas realmente acontecem reduzindo o grupinho para menos da metade com umas quatro (ou cinco, vai saber) mortes significativas.

Nicholas encerra o seu arco de histórias de maneira bem interessante. O moralismo na televisão norte-americana obviamente impediria que um personagem com um histórico tão manchado permanecesse vivo por muito tempo. Curioso que a narrativa tenta redimir Nicholas e até consegue, muito embora tenha sido feito com pressa excessiva ao invés de trabalhar melhor para que o telespectador realmente lamentasse por sua morte. O agradecimento dele para Glenn foi um dos momentos mais bonitos de The Walking Dead, já que a gente pode imaginar que ele já se sentia morto há muito tempo e finalmente conseguiu a sua paz.

Talvez o seu suicídio tenha sido a causa da morte de Glenn, já que o nosso querido é visto pela última vez caindo junto de Nicholas no meio daquele monte de zumbi – em outra cena memorável da série. Teorias já levantadas na internet apontam que não é o corpo de Glenn sendo devorado, mas ainda é cedo para afirmar qual o destino do personagem. Sabemos que Glenn morre nos quadrinhos pelas mãos do vilão Neegan, que poderá aparecer na série.

Será que os produtores perderão a chance de adaptar uma das mortes mais emblemáticas das HQ’s? Na verdade, a pergunta deveria ser: será que a televisão terá coragem de matar de verdade um de seus personagens mais queridos? Acho difícil, mas nada é improvável. Desde que os produtores já saibam até onde levarão The Walking Dead, ninguém precisa ser imortal.

Tullio Dias

Dizem que sou legal, mas eles estão mentindo só para me agradar. Gosto de Molejo, acho Era Uma Vez no Oeste uma obra-prima, prefiro baixo de quatro cordas do que os de cinco, tenho um MBA de MKT Digital e um curso de Publicidade, não tenho filhos, não tenho um coração, mas me derreto por caipirinhas.