Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Os Filmes Imperdíveis do Festival do Rio 2014

PARA ACOMPANHAR NOSSA COBERTURA do Festival do Rio 2014, o Tullio Dias me convocou para produzir este guia do que há de imperdível sendo exibido nele – o que dá a certeza de que este especial não terá muitas doses de imparcialidade.
Embora eu tenha me esforçado ao máximo para reunir títulos que sejam considerados essenciais num panorama geral do festival, é impossível que meu gosto e personalidade cinéfila não interfiram na escolha, afinal de contas, todos nós sabemos que um filme de Jason Reitman é sempre mais importante do que um de Stephen Daldry.

Minha concepção é a de que um especial como este não tem como público-alvo um mochileiro de festivais – como são os nossos queridos correspondentes, Raphael Katyara e Nathália Pandeló -, mas aqueles espectadores que não dispõem de muito tempo para acompanhar o evento, logo, terão de filtrar as sessões a que poderão frequentar – portanto, esta escolha normalmente se baseará nos filmes mais importantes sendo exibidos. Se você está em busca de ajuda com esta filtragem, está no lugar certo. O Cinema de Buteco te ajudará nesta missão.

Saiba agora o que acompanhar no Festival do Rio 2014!

- Advertisement -

Garota Exemplar (assista ao trailer)

A escolha deste título se contrapõe completamente a alguns dos parâmetros que eu adotara para a construção desta lista. Para escolher as prioridades de um festival, normalmente são preferíveis títulos cuja data de estreia no circuito comercial estão mais distantes – tudo pela exclusividade! -, o que não se aplica a Garota Exemplar, que chega aos cinemas brasileiros no dia 2 de outubro.

A exceção tem motivo, porém: trata-se do novo longa-metragem de David Fincher (Clube da Luta, A Rede Social), um dos cineastas mais cultuados de sua geração – e este é um de seus projetos mais aguardados. Baseado no livro homônimo de Gillian Flynn, o filme desponta como um dos favoritos ao Oscar 2015, contando não apenas com a grife de seu diretor para isto, mas também com uma trama instigante e um visual atraente – a frieza das cores expõe um clima bastante melancólico.

garota exemplar banner

Boyhood: Da Infância à Juventude

O novo projeto de Richard Linklater (da trilogia do Antes) é um dos casos de maior aclamação crítica recente. Não bastasse, é um trabalho de grande engenhosidade – visando acompanhar o amadurecimento de um garoto de maneira mais realista, a equipe da produção trabalhou no longa durante 12 (sim, doze!) anos, retratando a vida do ator Ellar Coltrane, interpretando Mason, dos seis aos dezoito anos de idade. Apenas pela inovação deste esforço, os resultados dele merecem ser conferidos, e o Festival do Rio parece ser uma excelente oportunidade para fazê-lo.
Boyhood ainda não tem data confirmada para estrear no circuito comercial brasileiro. Veja o trailer legendado de Boyhood:

Mommy

Xavier Dolan é um sujeito que, aos 25 anos, faturou o Prêmio do Júri no Festival de Cannes 2014. Mommy foi o longa responsável por esta vitória, e é apenas o quinto título de sua carreira como diretor. É sempre gratificante acompanhar o surgimento de um jovem realizador e seu amadurecimento artístico, e no caso de alguém que, em tão pouco tempo, já alcançou tanta aclamação quanto Dolan, torna-se uma experiência ainda mais recomendável de ser feita – sobretudo quando lembramos que, para as distribuidoras brasileiras, as obras do diretor são quase que exclusivas para exibição em festivais, não costumando chegar ao circuito comercial. Confira o trailer:

Mapa Para as Estrelas (Assista ao trailer aqui)

Está tornando-se um clichê desta lista basear suas escolhas no nome de seus diretores, e este título irá corroborar com esta constatação. Mapa Para as Estrelas é o mais novo projeto de David Cronenberg, um cineasta cultuado, maluco, perturbador e normalmente muito ácido e divertido.

Sua nova produção conta com uma premissa atraente para qualquer apaixonado pelo Cinema, e assim como nos maiores longas de seu diretor, parece colaborar com ao menos algumas das características apontadas acima. Assim afirmou Larissa Padron, quando analisou-o diretamente do Festival de Cannes, confira seu comentário:

Homens, Mulheres e Filhos

Certo, eu me segurei até aqui, mas agora, permitam-me a completa parcialidade, pois sou um admirador de Jason Reitman. Num festival com títulos de nomes como David Fincher, Stephen Daldry, David Cronenberg e outros artistas cultuados, um filme dirigido por Reitman pode ficar ofuscado. Mas quem sabe ele não reserve uma grande surpresa?

Quer motivos para acreditar nisto? Basta lembrar de Juno e Amor Sem Escalas, longas deliciosos de serem vistos, e que revelavam um cinesta cheio de potencial. Em seus dois últimos projetos – Jovens Adultos e Refém da Paixão -, no entanto, Jason Reitman não conseguiu manter o culto em torno de seu trabalho, parecendo ter perdido seu brilho. Homens, Mulheres e Filhos parece a oportunidade perfeita para recuperá-lo. Comprove isto no trailer:

Por fim, não se esqueça: apesar de títulos como os apresentados serem considerados essenciais, um festival abrangente como este nos oferece a oportunidade de conhecer filmes dos quais sequer ouvimos falar, mas que podem reservar excelentes experiências. Sobrou tempo depois de ver estes cinco títulos? Dar chance a uma sessão “no escuro” pode ser recompensador.