Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Crítica: Extraordinário (2017)

Sabe aquelas histórias da família que nos fazem chorar e pensar na forma como tratamos as pessoas à nossa volta? Talvez não seja um filme que fique na nossa cabeça pro resto da vida, mas Extraordinário (Wonder, 2017) é, sem dúvidas, um drama que passa uma mensagem significativa sobre o mundo.

Por meio da história de August (Jacob Tremblay, estrela de O Quarto de Jack), fazemos uma série de reflexões. Temos os colegas que caçoam da sua aparência – o protagonista nasceu com o rosto deformado, precisando passar por dezenas de cirurgias -; Via, a irmã mais velha que fica cansada de ser deixada de lado pelos pais; os colegas que começam a conviver com ele e querem ser seus amigos; e os pais que têm medo que o filha sofra na escola, mas que querem que ele saia pro mundo e mostre o quão incrível é.

O roteiro, baseado em obra homônima de R.J. Palacio, explora cada um desses temas muito bem e sem colocar vilões. É uma história realista, que reflete o que acontece na rotina diária de diversas crianças que sofrem bullying e como isso afeta seus entes queridos. E por trás de cada atitude, digamos, maldosa, conseguimos entender a motivação da mesma também.

- Advertisement -

No caso de Julian (Bryce Gheisar), vemos que tem pais que passam a mão na sua cabeça e têm seus próprios preconceitos com indivíduos como August. É difícil sair dali um jovem que respeite e seja legal com o próximo. Já Miranda (Danielle Rose Russell) era a melhor e única amiga de Via (Izabela Vidovic), mas começa a evitá-la em função de problemas com a mãe, que virou alcoólatra após o divórcio do marido. Ou seja, se no início vemos ambos como vilões do enredo, no fim percebemos que são pessoas quebradas por dentro e que agem da maneira que agem em decorrência disso.

Portanto, a mensagem que fica não diz respeito apenas a August e os desafios que enfrentou, enfrenta e sempre vai enfrentar na vida dele. Refletimos sobre a maneira como tratamos os outros em geral, afinal, todos somos iguais e a maneira como agimos afeta o próximo. Além disso, por mais que certas pessoas adotem um comportamento que nos magoe, talvez exista um motivo para tal que nós não saibamos, o qual possa ser solucionado.

Extraordinário funciona por causa da linguagem universal da bondade que promove, por meio de uma história comovente de superação e boas atuações. E algumas reviravoltas, ou seja, prepare os lenços!

 

 

Comentários