Cinema por quem entende mais de mesa de bar

2 em 1


Jumper

Gênero: Aventura – Ficção Cientifica
Duração: 90 min
Origem: EUA
Estúdio: 20th Century Fox
Direção: Doug Liman
Roteiro: Steven Gould, David S. Goyer, Simon Kinberg, Jim Uhls
Produção: Lucas Foster, Simon Kinberg, Stacy Maes, Jay Sanders

Um jovem que consegue se teleportar para qualquer ponto do planeta passa a ser perseguido por uma organização secreta.”

Resolvi assistir *Jumper* no cinema depois de ver algumas entrevistas de Jamie Bell, super empolgado, falando de seu novo trabalho. As sinopses do filme não eram convincentes, mas como fã do seriado *The OC*, não consegui me conter; precisava ver a atuação de Rachel Bilson (uma patricinha mimada do seriado) em um filme de aventura e ação.
E ela se saiu muito bem. Eles todos, na verdade. Um elenco muito jovem e surpreendente, que dá uma dinâmica interessante aos 88 minutos .
Não tenho muita paciência pra esse tipo de filme, mas me empolguei com as cenas do início ao fim.
A proposta do roteiro é bem legal. Nos traillers, a impressão é de que é mais um daqueles filmes sobre americanos salvando o mundo, mas, felizmente, não é nada disso. Adorei a idéia do poder do teletransporte, que no caso, nem é usado pro bem.
Samuel L. Jackson rouba a cena em todos os momentos em que surge com a sua grande arrogância de quase-policial.

Não viu ainda? Pega a sua pipoca e corre pro cinema, porque esse é um filme pra se ver na telona.

Dica: Amou o Jamie Bell em *Jumper*?! Veja *Dear Wendy*, filme com roteiro de Lars Von Trier no qual Bell está incrível.


Ponto de Vista

Gênero: Ação – Drama
Duração: 90 min
Origem: EUA
Estúdio: Columbia Pictures
Direção: Pete Travis
Roteiro: Barry Levy
Produção: Neal H. Moritz

O presidente dos Estados Unidos é baleado durante uma conferência de combate ao terrorismo, com a verdade sobre o que ocorreu apenas vindo à tona após a análise da perspectiva de diversas pessoas presentes no local. “

Mais um filme que quando você lê sinopses e vê traillers não te dá a mínima vontade de assistir. Quem já não está de saco cheio de ver um filme sobre o assassinato do Presidente dos EUA? Pois é, eu faço parte desse grupo que acha que essa história já está mais do que batida e Ponto de Vista veio pra me mostrar o quanto estou enganada.
Não foi minha escolha ir ao cinema assistir tal filme, mas saí da sala ao término da sessão impressionada com os rumos que a história toma. E o melhor de tudo é poder tirar suas próprias conclusões a partir da visão de todos os personagens. É algo do tipo *Ah! Pense o que quiser!*. Gostei tanto disso.
É bom poder perceber que filmes de ação também podem ser inteligentes e até comoventes.
Ponto de Vista, em alguns momentos, lembra o filme *Crash*, mas só lembra mesmo.
A presença de vários atores *não americanos* e sua brilhante atuação é o toque final de um filme que tinha tudo pra não valer a pena, mas está aí para provar o contrário.


E se for ao cinema, por favor, desliguem seus celulares e calem suas boquinhas! Cinema não é lugar pra bater papo, caramba!

- Advertisement -

Comentários