9 – A Salvação

Após ler a crítica de Pablo Villaça no aniversariante do mês Cinema em Cena, descobri que a história de 9 – A Salvação começou em um curta-metragem. Isso explicaria o motivo do filme ser tão vazio no que diz respeito ao roteiro. Concordo plenamente com Villaça, que diz que “certas histórias precisam apenas de 10 minutos para serem contadas”. A trama é tão básica, tão bobinha, mas mesmo assim… tão legal, que até se entende o motivo do diretor Shane Acker ter resolvido arriscar extender sua história.

O mais interessante em 9 – A Salvação, tirando o óbvio que é a excelente animação (dá para imaginar fácil um jogo baseado no filme), é o time de produção: Tim Burton (ele se amarra em coisas estranhas, não é mesmo?) e o russo Timo Bekmambetov (dirigiu O Procurado). Com um time desses por trás dos bastidores, é realmente dificil fazer feio. Mas Acker chega bem perto!

A voz do personagem principal ficou para o ator Elijah Wood. Jennifer Connelly e John C. Reilly também deixaram suas vozes registradas no filme. Destaque para o 5 (que tem a voz de Reilly) e sua carência e instinto de proteção, mesmo sendo um bonequinho caolho. Uma pena que os personagens não foram bem trabalhados, poderiam gerar momentos divertidos para o público.

O motivo dessa falta de detalhamento dos personagens pode ser o roteiro. Não convence, sabe? Tentei puxar algumas referências e o máximo que consegui foi um Wall-e com bonequinhos de pano. A premissa das máquinas se voltarem contra os homens nunca foi das minhas favoritas e é um tanto chata quando feita sem a devida atenção. Tudo bem que o público que se interessa por uma animação como 9 – A Salvação, não deve estar realmente atrás de uma boa história amarrada. Se a trama fosse tão boa quanto os efeitos, poderiamos ter um grande (pequeno) filme aqui.

Dou 2 caipirinhas.

  • Fla

    preguiça de ler agooooora!

  • Fla

    cara… desde que li a sinopse, desconfiei da idéia desse filme. se antes eu tava com preguiça de assistir, imagine agora!

  • bella

    ah, mas eh bacaninha… n é uma total perda de tempo.
    se tivesse mais tempo até teria me apegado aos bonequinhos hahahaha. ta parei.

Tullio Dias

Dizem que sou legal, mas eles estão mentindo só para me agradar. Gosto de Molejo, acho Era Uma Vez no Oeste uma obra-prima, prefiro baixo de quatro cordas do que os de cinco, tenho um MBA de MKT Digital e um curso de Publicidade, não tenho filhos, não tenho um coração, mas me derreto por caipirinhas.