Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Crítica: A Criada (2016)

 

O diretor sul-coreano Park Chan-Woo já mostra há tempos o cuidado com que conduz seu trabalho. Prova disso é a Trilogia da Vingança, com destaque para Oldboy. Confesso que quando li a sinopse de A Criada, imaginei que o filme fosse bom, nada além desse adjetivo. Fico feliz em afirmar que estava totalmente equivocada.

A jovem Sookee recebe a missão de se tornar amiga da herdeira de uma grande fortuna chamada Hideko e influenciá-la para que se case com o interesseiro Conde Fujiwara. Para isso, o pretendente a marido consegue incluir Sookee no quadro de funcionários da grande propriedade, mais especificamente como criada da própria herdeira. O plano inclui a internação de Hideko em um hospício pouco depois do casamento para que Sookee e o Conde Fujiwara fiquem com todo o dinheiro da herdeira.

- Advertisement -

O que ninguém esperava era que Sookee se tornasse uma confidente de Hideko e passasse a entender seu comportamento e posição. A partir daí, o espectador se transforma em testemunha da cumplicidade crescente entre as duas mulheres.

Dividida em três partes, a história se desenvolve mostrando as motivações de cada um dos personagens e entrelaça os fatos juntando passado, presente e pretensões para um futuro próximo. Chan-Woo consegue desenvolver bem a narrativa fazendo uso de flashbacks sem deixar que o espectador se perca no meio do caminho.

O cineasta surpreende o espectador diversas vezes e não permite que a narrativa de 144 minutos cair na monotonia ou nos cansar. Muito pelo contrario, parece até que por pouco a história não “consegue” ser contada até o fim.

As comentadas cenas eróticas são bem conduzidas, fazem parte de um pano de fundo substancialmente montado e se tornam parte da técnica para atingir um resultado que ultrapassa o satisfatório. Vemos na tela inocência, intriga, falsidade paixão e cumplicidade, o que torna o sexo ainda mais justificado e, melhor ainda, não há vulgaridade, apenas sensualidade e sentimentos reais.

A direção do longa é respeitável, mas é necessário lembrar também do belo trabalho do elenco, que desenvolve o trabalho de maneira forte e impactante. Os quatro personagens do centro da história são representados maravilhosamente e com muito respeito aos seus respectivos passados. É o trabalho em conjunto que faz de A Criada um dos melhores filmes da temporada

 

https://www.youtube.com/watch?v=7I4YjeZnNj0

Comentários