A Sombra e a Escuridão

Um dos primeiros filmes que ousei assistir que tinha como tema o ataque de leões assassinos na… Africa. Sempre lá. Nunca inventaram um roteiro de um leão assassino rondando Nova York ou o Rio de Janeiro. Existem exemplares do Simba em praticamente toda cidade do mundo, mas os caras insistem em fazer os filmes sempre na selva. Pelo menos esse é top of mind (provavelmente por ter sido o primeiro que vi) e ainda conta com Val Kilmer e Michael Douglas no elenco.
A Sombra e a Escuridão não vai agradar quem espera ver mais que efeitos especiais que fazem o Simba sair das animações da Disney. Para ser bem sincero, talvez apenas os amantes dos felinos vão se divertir com a história (e claro que vão achar o leão matador fofinho e tudo mais) bobinha que parece ter acontecido de verdade em algum lugar do passado. Confesso que me identifiquei com a turma que torce pelo gatinho gigante. Como é que podemos ficar contra um felino escalando uma árvore para engolir um humano branquelo que invadiu o território dele? Aliás, esse é o único momento que vale a pena no filme inteiro.
Val Kilmer interpreta um engenheiro encarregado de criar uma ponte, mas acaba descobrindo que seu trabalho será bem mais complicado do que imaginava: uma dupla de leões famintos esta atacando todos os trabalhadores por puro deleite. Algo como a disputa interna entre Gimli e Legolas no já clássico Senhor dos Anéis: As Duas Torres. Pelas minhas contas, o leão que morre por último teve um saldo superior ao outro. O problema é que, apesar de também ser um caçador, o personagem de Kilmer passa a compartilhar da paranóia local e se sente diante uma lenda da região que dizia que aqueles leões não eram comuns. Eram a Sombra e a Escuridão. Sendo “viagem” de peyote africano ou não, o fato é que Michael Douglas surge como o caçador fodão que vem (tentar) salvar a pátria.
Se você gosta de bichinhos de pelúcia e cansou de assistir ao clipe de “Island in the Sun” do Weezer, esta é a sua melhor opção para o fim de semana. Aprecie sem moderação.

  • Fabricio Carlos

    um dos filmes da minha infancia!

Tullio Dias

Dizem que sou legal, mas eles estão mentindo só para me agradar. Gosto de Molejo, acho Era Uma Vez no Oeste uma obra-prima, prefiro baixo de quatro cordas do que os de cinco, tenho um MBA de MKT Digital e um curso de Publicidade, não tenho filhos, não tenho um coração, mas me derreto por caipirinhas.