Atração Perigosa | Cinema de Buteco
Críticas de filmes

Atração Perigosa

the-town-image-ben-affleck-jeremy-renner Atração Perigosa

Baseado em um livro do escritor Chuck Hogan (que ficou conhecido depois da parceria com Guillermo del Toro nos livros da Trilogia da Escuridão), Atração Perigosa é dirigido, roteirizado e estrelado por Ben Affleck. Depois de uma estréia eficiente em Medo da Verdade e de ganhar um Oscar por seu roteiro em Gênio Indomável (em parceria com seu amigo Matt Damon), Affleck parece ter encontrado o seu lugar em hollywood.

O resultado não chega a ser tão bom quanto o seu trabalho anterior, também uma adaptação de um livro, mas o trabalho do elenco compensa a história. Affleck raramente convence como ator e aqui não é diferente. Ele faz um personagem raso, que não transmite emoção para o espectador. Doug MacRay é um assaltante de banco que começa a questionar se aquela vida vale à pena. Depois de sequestrar a gerente de um dos bancos assaltados, ele acaba se apaixonando e fica decidido a fugir e nunca mais retornar para o mundo do crime. Pelo menos existe a participação de Jeremy Renner, indicado ao Oscar por Guerra ao Terror, no papel de seu comparsa e de Rebecca Hall como a vítima que vira o interesse amoroso de MacRay.

Para os estudiosos de psicologia ou os curiosos pela síndrome de Estocolmo, não é o que assistimos na relação de Hall com Affleck. A personagem Claire Keesey se apaixona por MacRay naturalmente (pode-se dizer que em virtude do sequestro, ela acabou ficando sensível demais e se apaixonou pelo primeiro bonitão educado que apareceu na frente dela) e só na parte final do filme ela descobre a verdade. Atração Perigosa é um título perigoso, já que deixa parecer que o relacionamento acontece durante o sequestro e que ela acabaria se sentindo atraída pelos “vilões”. Problemas de tradução à parte, Rebecca Hall é o que de melhor existe nas quase duas horas de projeção. Beleza e talento somam demais na personagem traumatizada e pressionada pelo FBI.

Atração Perigosa deixou um gostinho de que podia ser bem mais. Difícil (e injusto) é querer dizer o que faltou. Ben Affleck mantém sua eficiência como diretor e mostra grande talento para conduzir seus atores, mas esbarrou no problema de um roteiro pouco criativo e original. A expectativa para o futuro de Affleck como diretor é alta e Atração Perigosa é um bom exemplo da sua competência. Que venham os próximos filmes.

São três caipirinhas.

the-town-image-ben-affleck-jeremy-renner Atração Perigosa

Tullio Dias

Dizem que sou legal, mas eles estão mentindo só para me agradar. Gosto de Molejo, acho Era Uma Vez no Oeste uma obra-prima, prefiro baixo de quatro cordas do que os de cinco, tenho um MBA de MKT Digital e um curso de Publicidade, não tenho filhos, não tenho um coração, mas me derreto por caipirinhas.

Comentários

  1. Pois é, como vc falou 2T Town esbarra em sérios problemas de criatividade de roteiro, a reviravolta do casal principal é fundamental pra darmos um olhar diferente a trama. A direção é bem feitinha, nada ohh, mas boa. mas a escolha do elenco ñ poderia ter sido melhor, pra mim esse foi o diferencial do filme, atraiu todo tipo de público: de Blake Lively à Pete Postlethwaite, passando por Ben Affleck e Rebecca Hall, com destaque para o incrivel, sempre, Jeremy Renner, e pra quem curte série ainda teve Jon Hamm. Mt sábia escolha!

    Mas pra mim ainda não é o elenco do ano! Mas fica devendo apenas pra Inception e Scott Pilgrim.

  2. Pô… sei lá. Scott Pilgrim não tem referências tão fortes no elenco. A Origem sim. Dá para discutir.. hahaha

    Tô tentando lembrar outro filme que teve um elenco fodão, mas esqueci.