Indenpendence Day


Ok, o Dia da Independência é brasileiro, mas todos sabem que não temos um filme que retrate o “famoso”: Independência ou morte! (até porque a maioria deve saber que aquele quadro nos nossos livros de história da 8ª série que mostra um Dom Pedro II às margens do Rio Ipiranga não passa de uma FRAUDE. Mas deixa a história brasileira pra depois).

Se tratando de um filme estadunidense falando sobre uma grande ameaça alienígena que ataca primeiramente – qual país, qual país? – E.U.A., coincidentemente nos dias das comemorações do Independence Day (4 de julho), a única coisa que pode se dizer é: LIXO. Esse filme parece ter sido feito exclusivamente para nos chatear na Sessão da Tarde.

Baseado indiretamente no Caso Roswell (em 1974 alguns fazendeiros alegam ter visto um ponto incandescente no céu, ouvirem explosões e até encontrar destroços de uma nave alienígena. O caso ficou arquivado, dizem que a Área 51 encontrou o corpo de um ser alienígena e uma nave intacta), a história é a seguinte:

No dia 2 de julho, uma nave imensa tampa o sol na cidade de Washington D.C., deixando os moradores a princípio extasiados. Depois de confirmar que os E.Ts não são os mesmos daquele filme, e que na verdade eles querem é dominar a terra, a Força Aérea é chamada a agir, mas ataca sem efeito.
No dia 3 de julho, um E.T é capturado e levado para a área 51, onde se descobre haver mais coisas do que a raça humana imaginaria. Lá eles descobrem que a nave capturada em Roswell é a mesma que agora ataca. Um perito em computador consegue desenvolver um vírus de computador que pode desnortear os escudos de defesa da nave inimiga.
No dia 4 de julho, o perito e um piloto pegam a nave Roswell e vão ao centro da nave-mãe, instalando o vírus e detonando uma bomba.

E assim se dá a “Independência do Mundo” no Independence Day estadunidense. Mais uma vez os Estados Unidos salvam o mundo de sua desintegração. Palmas.
O nacionalismo é exagerado, chega a dar nojo de tanto sentimento ufânico que vemos nesse filme. Várias críticas foram feitas, tanto ao roteiro quanto às atuações fracas de Will Smith (o piloto), Jeff Goldblum (o perito) e Bill Pullman (o presidente). Na wikipedia tem um tópico mostrando os inúmeros erros de gravação e fatos bizarros e impossíveis de acontecer.

Orgulho de ser AMERICANO? Deus salve a AMÉRICA?

Querendo ser um filme retratando o “poder” de salvação dos Estados Unidos, de como eles se mobilizariam para salvar o planeta de sua possível extinção, na verdade não passa de uma propaganda descarada dos EUA para os EUA, porque para o mundo, esse filme não passa de uma piada. Péssimo.

Trailer:

Trailer da possível continuação, para sair em 2009:

Redação do Buteco

Cinema por quem entende mais de mesa de bar.