O Procurado | Cinema de Buteco
Críticas de filmes de ação

O Procurado

procurado_1 O Procurado

O nome do filme pode render boas piadinhas. Imaginem só que vocês resolvam ir até a locadora mais próxima procurar o filme e quando o atendente te pergunta qual filme está procurando, você responde: “O Procurado“. Então os dois partem em procura do filme e acabam correndo o risco de não conseguirem encontrar o tal filme, que passa a ser procurado em outra locadora. Sim. É tosco, mas… vai dizer que não é nem um pouquinho engraçado?

Angelina Jolie é linda. Já provou que é uma atriz talentosa, mas também já provou que está mais interessada em quantas crianças da Camboja vai adotar do que com o roteiro dos filmes que recebe. Quando vi o trailer no ano passado, já sabia que era uma história absurda e que talvez nem mesmo os belos atributos visuais (leia-se efeitos especiais e não Angelina Jolie) iriam valer a perda de duas horinhas básicas da vida de uma pessoa ociosa. Bem, agora vi o filme e tive a prova: não valem mesmo.

Me digam como diabos alguém pode dar um tiro de trivela ou de rosca? Hahaha, na boa. A gíria futebolística para quem não entendeu, significa fazer a bola (digo, bala) dar uma curva. Nem mesmo os jedi’s conseguiam direcionar os tiros laser dos soldados e vem a trupe de assassinos modernos liderada por Morgan Freeman (que é outro que não tá nem aí para o tipo de filme que está fazendo…) com seus tiros errantes e movimentos dignos do Matrix. A sequência de perseguição no carro no comecinho, está concorrendo pau a pau na lista das mais sem noção da história do cinema pipoca.

Infelizmente, O Procurado é apenas mais um dos exemplos que podem ilustrar perfeitamente a ausência de criatividade em Hollywood. Não é que o filme seja uma completa bomba, mas é dispensável e nem vale tanto o trabalho de ser “procurado”. Muito menos encontrado…

Ficha Técnica:
O Procurado (Wanted, 2008)
Dirigido: Timur Bekmambetov
Roteiro: Michael Brandt , Derek Hass, Chris Morgan, Mark Millar e J.G. Jones
Genêro: Ação
Elenco: James McAvoy, Angelina Jolie e Morgan Freeman
Trailer

Tullio Dias

Dizem que sou legal, mas eles estão mentindo só para me agradar. Gosto de Molejo, acho Era Uma Vez no Oeste uma obra-prima, prefiro baixo de quatro cordas do que os de cinco, tenho um MBA de MKT Digital e um curso de Publicidade, não tenho filhos, não tenho um coração, mas me derreto por caipirinhas.

Comentários

  1. não sei por onde começar.
    tá. o filme é bem fantasioso, mas só pela sua insistência em assistir e pelo meu sacrifício em encontrar o procurado hahaha já devia ter sido bom, tá? é legalzinho, hein! as coisas são muito impossíveis e a cena em que a jolie cata o cara no meio da rua foi rídicula! hahaha amei aquilo. vou treinar com vc, pode? … ta parei heauhs

    agora, uma consideração (que deverá ser desconsiderada): tiro laser é muito mais complicado pra fazer curva do que uma bala pq laser é luz e anda muito mais rápido que uma bala. eu acho… né?
    hahaha
    tá. chega. parei de verdade.
    gostei. é criação demais. até agora to sem entender como alguém conseguiu raciocinar aqueles carros se apoiando e voando sem mais nem menos … mas são divertidos os “belos atributos visuais (leia-se efeitos especiais e não Angelina Jolie”.

  2. Cara… como você pode falar sobre lasers e balas de revolver se ainda não conferiu o poder dos Jedis com seus próprios olhos? A velocidade de um projétil laser dos soldados imperiais e/ou dos robos da confederação do comércio, se parecem e muito com tiros. É como se o revolver disparasse uma faixa de luz. E ainda tem que levar em consideração que se é luz, mais fácil ainda de ser manipulado.

    Sei que era para ser desconsiderado, mas… não dá para resistir, vai?

  3. claro q a luz nao eh mais facil ser manipulada. eu vou te bater. vou treinar em voce tiro de bala e de luz pra vc ver, babaca.

  4. ah nao. lagoa azul ja encheu o saco e eh da minha infancia. aposto q ver ele com o tt ia estragar toda a magia q eu via nele hahahahaha