Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte II

por Nathy
“Não acredito em bruxas, mas que elas existem, existem”.

PARA QUEM SEGUE A SÉRIE DESDE O PRIMEIRO LIVRO ,é impossível escrever sobre o ultimo filme sem ter nem um pouco de saudosismo com relação à história. A sensação é de que tudo é real, de que realmente existe um mundo mágico paralelo ao nosso. É tudo tão perfeito, que não tem como você não querer ler um livro a noite em seu quarto sem gritar: “Lumus” para tentar acender a luz ou então tentar destrancar uma porta usando o feitiço “Alorromora”! Ok, parece ridículo, mas eu já fiz isso (assim como sei que os meninos já tentaram reverter o fluxo do chuveiro usando o Cólera do Dragão)

Lembro muito bem quando comecei a ler os livros. Li cada um antes de ver os filmes e fiquei maravilhada como os produtores e diretores conseguiram captar a alma do livro, cada personagem era do jeitinho que eu imaginava, desde a voz ao jeito de vestir, além disso a evolução da história como um todo que passou de algo inocente e infantil a algo obscuro e complexo ao longo dos anos. Talvez não seja tão fácil de perceber, mas o lançamento do primeiro filme aconteceu há 14 anos e como já dizia a teoria da relatividade, o tempo voa quando estamos nos divertindo, e então chega às telonas o último episódio da saga do bruxinho mais famoso do mundo.

Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte II é indiscutivelmente o melhor filme de toda franquia. Cada cena é carregada de uma chuva de emoções e sentimentos que mexem com os telespectadores. No longa, Harry vai em busca do seu destino, e descobre que ele não é apenas o garoto que sobreviveu, mas que tem uma importância muito maior no destino da comunidade mágica. A batalha entre o bem e o mal esta para ser travada e apenas Potter é capaz de desafiar Lord Voldemort, que apesar de ser mais experiente e poderoso, nunca teve algo que Harry tem, amor.

Harry busca em seus amigos e parentes (vivos ou não) forças para destruir todo esse mal. O filme mostra que o amor e a amizade são a base para vencer todas essas barreiras.
E por falar em amor, é neste ultimo filme da saga que Harry, Rony e Hermione se entregam ao sentimento. Rony e Hermione, enfim se entendem e Harry encontra em Gina Weasley a cumplicidade de uma verdadeira mulher.

Além disso o tempo também fez muito bem a Neville Logbotton, sim aquele menino atrapalhado que sempre esteve à margem dos três grandes amigos, acaba se mostrando um dos amigos mais valentes, corajosos e leais a Harry Potter, tanto durante a ausência de Harry em Hogwards quanto na hora da verdadeira batalha, além de se declarar a Luna.

Outro que merece ser citado é Draco Malfoy, que desde o quinto filme se vê dividido entre o medo de Voldemort, o ódio a Harry Potter e ao bom senso como ser humano.

O longa é dirigido por David Yates, o mesmo diretor de Harry Potter e a Ordem da Fenix, Harry Potter e o Enigma do Príncipe e Harry Potter e as Relíquias da morte – Parte 1. O casamento de Yates com os roteiristas e J.K. Rowling deu tão certo, que todos foram sucesso nas bilheterias ao redor do mundo.

Belatriz Lestrange
Snape

Outro ponto que não pode passar em branco é o amadurecimento tanto dos personagens quanto dos protagonistas o que se torna um fator a ser destacado principalmente neste desfecho, Daniel Radcliffe (Harry Potter), Rupert Grint (Roni Weasley) e Emma Watson (Hermione Granger) estão perfeitos, assim como Alan Rickman, que interpreta Severo Snape e Helena Bonham Carter, no papel de Belatriz Lestrange.

São 130 minutos de lindas cenas e muita ação, emoção e surpresas. A cena da batalha final, quando a guerra realmente explode e é montado um cerco no castelo de Hogwarts traz a tona toda força e magnitude do momento.

Entre erros e acertos, mortos e feridos a história tem um final feliz, completo eu diria.

O menininho que ingressou em Hogwarts aos 11 anos cresceu e virou um homem, um líder. Eu não duvido nada, que se tivesse um 8 livro, 9º filme, Harry voltaria como o diretor da escola. (mas pelo amor de Deus, vamos torcer para que a Rowling já tenha dinheiro suficiente para o resto da vida e que não precise mais mexer com a saga, já que a tendência para uma sequência de algo já terminado é o DESASTRE.)

Concluindo: Prepare-se para chorar e MUITO (caso não esteja acostumado a chorar de óculos, não assista a sessão 3D). E quem não leu o livro, se prepare para grandes surpresas e revelações.

  • Nina Duoli

    Todo mundo falta me chicotear por isso, mas eu estou começando com Harry Potter agora… já até tentei a alguns anos atrás, mas vai saber porque não consegui ler.

    Agora tô começando com os filmes. Dormi bastante tentando ver os 2 primeiros, mas agora, já no final do 2 estou começando a pegar gosto pela coisa e doidinha pra chegar nos últimos porque sei que são muito muito fodas.

    Acho que esse crescimento que eles tiveram, passando de filmes bem infantis até chegar em algo bem mais forte e obscuro é que dá a motivação.

    Masss… o mais legal é que mesmo sem ler ou ver Harry Potter eu gosto da história, dos personagens, do contexto…acho que é de tanto todo mundo falar que eu criei um carinho com a história.

    Então, denovo…prometo solenemente ver todos os filmes e ler todos os livros e escrever um texto tardio sobre isso! hahaha

    Parabéns pelo texto Nathy…ficou suuuuper legal! Agora vou voltar a rezar pra nenhum dos meus amigos que foram na pré estreia terem morrido afogados…ainda naõ conseuo falar ocm todos! hauhaua

    Ah! Tõ tentando fazer um Potter Day na Fábrica, quiserem dar uma olhada ou fazer algo pra gente tb! http://www.afabricadiversaoearte.blogspot.com/

  • Pingback: Indicados ao 84º Oscar | Cinema de Buteco()

Nathy