Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Super 8


SEM QUERER SER CHATO, mas a melhor coisa de Super 8 é o curta-metragem que os personagens estão tentando realizar. É o que mais chama atenção na produção que marca a parceria de Steven Spielberg e J.J. Abrams. Claro que isso não significa que o resultado final do filme é ruim. Ele é apenas decepcionante, tendo em vista toda a expectativa criada em torno do lançamento.

Todos os elementos clássicos de um filme com as mãos de Spielberg estão presentes. A inocência, o menininho apaixonado, o menininho mandão, a menininha linda, o carisma, a tensão, o modo Tubarão de criar suspense, além da violência controlada. Inevitável dizer que Super 8 é o encontro de Cloverfield com os moleques de E.T. – O Extraterrestre. E como todo produto requentado, pode dar a impressão de ser algo novo e diferente, mas é apenas uma forma diferente de repetir aquilo tudo que já havia sido dito anteriormente. Curioso perceber que mesmo assim, o filme é charmoso e atraente.

Os mesmos garotos de Super 8 também se confundem com os moleques de Os Goonies, mas tudo soa diferente e superficial, pois as amizades dos dois filmes de Spielberg conseguem convencer o público de que existem, são reais. Os amigos de Super 8 parecem apenas um grupo de crianças com os mesmos interesses, sem demonstrar nada maior que isso. 

Elle Fanning (Um Lugar Qualquer) divide a tela com Joel Courtney. Ambos interpretam o casalzinho que se apaixona, mesmo contra a vontade dos pais. Mas é o típico namoro estilo Transformers: ela é a Mikaela (Megan Fox) e ele o perdedor Sam (Shia LaBeouf), que precisa mostrar toda sua força para vencer a defensiva da sua musa. 

Um grupo de amigos está realizando uma filmagem amadora perto da linha de trem de uma tranquila cidade. De repente um carro surge em alta velocidade e se choca com o trem. O acidente logo é encoberto pelos militares e quando vários acontecimentos estranhos passam a dominar a cidade, fica claro que algo estava escondido dentro dos vagões do trem e que é algo de outro planeta. 

Em uma mistura de ficção-científica com comédia e aventura, Super 8 explora a amizade e a compreensão, em uma mensagem exaustivamente repetida em várias das referências escancaradas de Abrams. Com certeza será capaz de oferecer diversão e entretenimento para a maioria do público entre os 10 aos 18 anos, e especialmente ao público nerd, que cresceu com os filmes de Spielberg. Mas para deixou um gosto amargo para quem esperava um filme, no mínimo, original. Diversão com clima de sessão da tarde. 

Comentários