Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Crítica: A Noite é Delas (2017)

poster a noite e delasO QUE ME CHATEIA MAIS EM A NOITE É DELAS (Rough Night, 2017) é que eu queria ter gostado – independente das suas deficiências. Lucia Aniello comanda Scarlett Johansson, Jillian Bell, Zoe Kravitz, Ilana Glazer e Kate McKinnon (melhor personagem da obra) numa comédia sobre uma noite em que tudo dá errado.

Johansson interpreta a protagonista Jess, que recebe suas quatro melhores amigas para a sua festinha de despedida de solteira. Tudo ia bem, até que o stripper contratado sofre um acidente e morre. A partir desse momento, a noite das moças vira um verdadeiro pesadelo.

O maior problema é aquela impressão de que a gente já viu um filme assim antes. Tudo bem que em boa parte delas eram com homens nos papéis principais, mas não apresenta nada de novo. Sendo bem sincero, a falta de originalidade seria aceitável se existissem cenas engraçadas de verdade.

- Advertisement -

O roteiro bobinho transforma a questão do stripper em algo maior. Enquanto as moças tentam descobrir como se livrar do corpo, acabam descobrindo que se envolveram numa grande sucessão de trágicos e inesperados eventos. A partir dos minutos finais, A Noite é Delas deixa de fazer esforços e o resultado é uma conclusão pavorosa, com direito a briga + reconciliação após ação heróica.

McKinnon aparece em cena como a maluca Pippa e é a única que salva na trama. Seu jeito esquisito e desengonçado garante os poucos momentos inspirados de A Noite é Delas. Bell dá vida para a possessiva Alice, que tenta ser o grande destaque cômico da produção e peca pelo seu exagero. Na verdade, a personagem é chata e infantil. Ela é um clichê fraco e desnecessário. As outras duas amigas são apagadas e recebem pouca atenção (exceto pela sequência em que Demi Moore faz uma participação especial).

Mistura de Um Morto Muito Louco com Depois de Horas, de Martin Scorsese, e todos os outros filmes de despedida de solteiros já produzidos na história do cinema, A Noite é Delas faz humor rasteiro e com raros momentos capazes de nos fazer gargalhar. Nem mesmo o elenco liderado por Scarlett Johansson consegue fazer a produção funcionar da maneira que deveria. E isso é uma pena.

PS: Como consequência da baixa bilheteria nos cinemas norte-americanos, o longa será lançado apenas em DVD no Brasil.

Comentários