Gran Torino

Não sei como funcionam as indicações para o Oscar, o que o filme/ator precisa ter para ser indicado e esses outros detalhes, mas sinceramente, se Clint Eastwood não receber uma indicação como melhor diretor (tanto por Gran Torino ou por A Troca) e melhor ator, a cerimônia realmente é fajuta. Arriscaria incluir até mesmo uma indicação ao prêmio mais importante, que é o de melhor filme. A verdade é que Gran Torino surpreende. Demais. E pensar que não fazia questão alguma de assistir… seria um incrível arrependimento que ficaria desconhecido para todo o sempre até o momento que assistisse… ou não.

A revista Bravo! do mês de janeiro tem uma interessante reportagem sobre o filme estrelado por Angelina Jolie (que você já leu aqui) e sobre a forma que Eastwood dirige seus filmes, optando por uma linguagem mais antiga e conservadora, o chamado cinema clássico. Como já falei anteriormente, ele é com certeza, um dos melhores diretores do cinema norte-americano na atualidade. Seu toque sutil, a forma como conduz e cria personagens é sem comparações. Outra característica dos filmes de Eastwood é o tempo de projeção: geralmente gira em torno de duas horas. Mas são duas horas que passam rapidamente, sem ficar aquele sentimento arrastado e cansativo.

O personagem Walt Kowalski é um velho veterano de guerra que acaba de perder a esposa. Rabugento, se recusa a deixar o bairro onde viveu desde sempre. Mesmo com várias gangues de imigrantes coreanos, Kowalski finca o pé e irrita seus filhos, com quem nunca conseguiu conversar direito. Ele então começa a se aproximar de seu vizinho, o jovem Thao e acaba ensinando sobre o que é a vida. E aprendendo mais sobre a mesma.

A atuação de Clint Eastwood como velho chato e conservador, é impressionante. Os trejeitos, expressões, tudo é muito natural. Logo no começo do filme, na cena do enterro da mulher, ele observa seus netos com um irredutível olhar de desaprovação, enquanto os filhos discutem sobre o que fazer com ele agora. Aliás, essa atuação consegue arrancar boas gargalhadas. Surgem muitas situações engraçadas e acaba que o filme consegue passar uma mensagem muito boa sobre como podemos nos identificar com quem tem uma cultura tão distinta da nossa e ficarmos tão distantes dos nossos próprios familiares.

Excelente filme!

Ficha Técnica:
Gran Torino (2008)
Dirigido: Clint Eastwood
Roteiro: Nick Schenk
Genêro: Drama
Elenco: Clint Eastwood
Trailer

ps: texto escrito no dia 21 de Janeiro, um dia antes dos indicados ao Oscar 2009.

  • João

    sobras de um oscar…
    rs

    eu ADORO clint. tenho que assistir aos dois recentes…

  • Lucas Paio

    Vou ver Gran Torino amanhã!

  • Fla

    entrou no telecine!

    (comentário inútil)

Tullio Dias

Dizem que sou legal, mas eles estão mentindo só para me agradar. Gosto de Molejo, acho Era Uma Vez no Oeste uma obra-prima, prefiro baixo de quatro cordas do que os de cinco, tenho um MBA de MKT Digital e um curso de Publicidade, não tenho filhos, não tenho um coração, mas me derreto por caipirinhas.