O Visitante

Novamente os cinemas brasileiros dão amostras de incapacidade e os downloads de filmes acabam justificados. Muitos filmes do circuito norte-americano acabam chegando direto em dvd e isso, quando chegam! Nem mesmo filmes de sucesso (quase) garantido como os de terror, conseguem ter estréia garantida. Prova disso é que o último filme da série Halloween não entrou em nenhum cinema do país até hoje, contrariando o que havia sido dito anteriormente.

O mais novo exemplo da ineficácia cultural dos responsáveis pela programação dos cinemas é o filme The Visitor. Tudo bem que a grande parte dos cinemas está concentrada em shopping centers, que são frequentados por jovens ou pessoas que tem pouco (ou nenhum) interesse ou vontade de assistir alguma coisa boa e que realmente acrescente algo no dia-a-dia. Infelizmente, a produção se encaixa no estilo e é direcionada para um público mais exigente e digamos, intelectual. Bem longe dos beberrões que escrevem nesse blog (exceto o João, claro), mas para toda regra existe sua exceção.

Richard Jenkins (indicado ao Oscar 2009 de Melhor ator por sua performance) interpreta um professor que vive em Connecticut e que passa por um momento depressivo em sua vida. Nada mais tem sentido ou importa. Seu passatempo é aprender a tocar piano, mesmo não possuindo talento algum para o instrumento. Foi a forma que o personagem encontrou de estar mais próximo da sua esposa, que havia falecido. Por força do destino, ele é obrigado a ir para Nova York defender a tese de um livro que co-escreveu (na verdade, ele só leu e aceitou ter seu nome incluso como co-autor) e descobre um casal de imigrantes vivendo em sua casa. A partir daí, tem inicio uma nova fase em sua vida, quando descobre novos valores e razões para existir.

The Visitor, que deve ganhar o título de O Visitante em português, é um belo filme. Simples e objetivo que tem na atuação de Jenkins seu principal atrativo. Um imã que não consegue desplugar a nossa atenção. Tratando do delicado tema da xenofobia presente nos EUA pós-11 de Setembro, o filme mostra como o sistema norte-americano trata as pessoas de modo injusto e racista. E mesmo assim, continua sendo o “paraíso” que é o sonho de milhões de pessoas no mundo inteiro.

A música, como não podia deixar de comentar, acaba virando um personagem dentro do filme dirigido pelo novato Thomas McCarthy. Após conhecer o imigrante Tarek, o personagem de Jenkins conhece e se apaixona pelo tambor sírio, um instrumento percussivo que chama a atenção tanto pelo som como pela facilitade em ser manuseado. Afirmando o que muitos costumam dizer, a música foi a responsável pela felicidade e união de pessoas tão diferentes e que não puderam compartilhar do mesmo destino numa cidade que consegue ser tão maravilhosa e horrenda ao mesmo tempo.

Recomendo demais.

Ficha Técnica:
The Visitor
(2008)
Dirigido: Thomas McCarthy
Roteiro: Thomas McCarthy
Genêro: Drama
Elenco: Richard Jenkins
Trailer

  • João

    é sempre bom saber que não sou beberrão!
    😛

  • Fla

    já que serei uma historiadora chata…

    tullio, cuidado com as generalizações!

  • lucas

    A música é realmente algo inusitado nesse filme. McCarthy encomendou a trilha para o talentoso Kaczmarek e inclui ainda duas músicas de cantoras e compositoras brasileiras. Isso sim, é demais. Elas são Glaucia Nasser e Luca Mundaca. Parabéns às duas.

    Matheus

Tullio Dias

Dizem que sou legal, mas eles estão mentindo só para me agradar. Gosto de Molejo, acho Era Uma Vez no Oeste uma obra-prima, prefiro baixo de quatro cordas do que os de cinco, tenho um MBA de MKT Digital e um curso de Publicidade, não tenho filhos, não tenho um coração, mas me derreto por caipirinhas.