Cinema por quem entende mais de mesa de bar

2012

SERIA UM GRANDE CRIME DESCONSIDERAR QUE, no meio de tantas tolices, Roland Emmerich (o irmão perdido de Michael Bay) sabe como poucos divertir o espectador. Seja com os vários efeitos especiais de última geração, com a necessidade doentia de colocar a vida no planeta Terra em risco ou simplesmente com personagens caricaturais e com piadinhas infames: o diretor sabe o que está fazendo. 2012 é a sua visão mais recente do apocalipse e a interpretação cinematográfica de toda a profecia dos Maias sobre o fim dos nossos dias. Como não se divertir?

Felizmente para o público, Emmerich tem tendências megalomaníacas bem mais discretas que Bay. Na verdade, o lance do diretor é esse fetiche (que supera qualquer grau de masoquismo) em destruir tudo e todos. O tempo inteiro. Mesmo em O Patriota, o diretor explora essa tendência destrutiva que se opõe à vida. Independence Day, O Dia Depois de Amanhã, e agora 2012, fazem parte de um pacote sobre a extinção da vida no planeta e é curioso pensar nas mensagens que esses filmes trazem. Será que o ser humano está mesmo fadado a lutar e vencer todas as suas batalhas? Se o objetivo é destruir, porque não levar isso adiante com todas as suas consequências?

- Advertisement -

2012 começa alguns anos antes, quando um cientista descobre que o núcleo da Terra está sofrendo alterações que terão graves efeitos no futuro, ou seja, a extinção da espécie. A informação é repassada para os governos de diversos países, que preferem omitir tudo do grande público, afinal, pobre bom é pobre morto e nesse caso, seríamos todos vítimas. É nesse ponto que “descansa” (literalmente) o melhor do filme. John Cusack interpreta um escritor que descobre por acaso sobre uma nave que irá salvar a vida de poucos felizardos (ricos), ou seja, ele interpreta todos nós, humanos normais que nunca chegarão perto de saber o que é ter um bilhão de dólares no banco. O filme de Emmerich não tinha nenhuma razão para focar em injustiças sociais ou má distribuição, mas cabe ao espectador (forçar a barra e) refletir sobre o quanto aquela luta de Cusack para escapar, poderia ser a nossa no dia a dia. Ou não, sei lá.

Preciso dizer que a razão deste texto existir é a desmiolada e completamente non-sense sequência em que Cusack dirige um carro de luxo enquanto a cidade inteira desmorona. Se existe algo para se elogiar em 2012, aqui está. Prepare-se para respirar bem fundo e se deliciar com a adrenalina desenfreada que Emmerich oferece para seu público. Ignore alguns (d)efeitos especiais que ficam descarados e concentre-se na diversão. Provavelmente é uma das cenas envolvendo automóveis mais interessante dos últimos anos, e isso não é pouca coisa.

Woody Harrelson também está no elenco e interpreta um sujeito maluco que deve ter fumado erva demais enquanto vivia na floresta. Ele que é o responsável por fornecer informações vitais para que Cusack consiga salvar sua família. Lamentável que seu personagem seja tão forçado e sem um pingo de naturalidade. Será que o cara que interpretou Larry Flint se esqueceu como exagerar sem parecer um boçal? Ou seria apenas uma direção que Emmerich escolheu para o desfecho da (breve) participação do ator? Danny Glover completa o elenco interpretando Barack Obama, opa, o Presidente norte-americano. E como não podia deixar de ser num desses exemplares de cinema dignos do diretor de Independence Day, é justamente nesse personagem que está escondido, ansioso para gritar: “eu estou aqui”, o tal patriotismo dos responsáveis pelo filme. Nem com o mundo acabando os caras conseguem dar um sossego e ignorar essa coisa de acharem que são o centro do mundo.

2012 é um filme bobo, mas que diverte. Especialmente se você tiver uma televisão grandona e um sistema de som de fazer seu vizinho invejoso querer chamar a polícia.

Direção: Roland Emmerich
Roteiro: Roland Emmerich e Harald Kloser
Elenco: John Cusack, Woody Harrelson
Nota:

 

Comentários