Cinema por quem entende mais de mesa de bar

A Hora do Pesadelo (2010)

Nada melhor que ir assistir um filme com a pior das expectativas. Geralmente acabamos recompensados por conferir um resultado acima da previsão inicial. Por outras vezes, temos o azar de descobrir que nem mesmo nosso palpite mais pessimista chegou perto da verdade. Em A Hora do Pesadelo, remake do clássico do terror dos anos 80, é o que acontece. Infelizmente.

- Advertisement -

Tantas vezes comentei sobre a minha esperança de que o diretor Samuel Bayer tivesse em mãos um roteiro poderoso e que esse remake se tornasse um dos top 5 filmes de terror de todos os tempos. Com o passar do tempo, enquanto conferia todos os oito filmes da saga (você viu o nosso especial sobre o Freddy Krueger, né?) fui ficando apreensivo e minha alta expectativa começou a miar. Talvez ninguém tenha coragem de mudar radicalmente o que Freddy Krueger representa para o cinema e quem sai perdendo com isso somos nós, os fãs do cinema de terror. Esse novo filme não chega a ser trash como os anteriores, mas esta longe (muito longe mesmo) de valer a pena. Wes Craven, o criador do personagem, deve estar louco de raiva (e grana) pelos rumos que os estudios deram para um dos vilões mais amados da história do cinema.
Chover no molhado se eu começar a criticar as atuações. O único que salva é o veterano Jack Earle Haley, que não por acaso, rouba a vaga de Robert Englund como o vilão. Aliás tenho quase certeza de que Englund é homenageado (se é que não é ele mesmo que aparece) numa cena em que mostram como uma certa fotografia foi tirada. Fica bem difícil comparar os dois atores, mas é certo que Earle Haley se inspirou muito na atuação do original. Porém tentar dar uma nova faceta (a maquiagem é muito bem feita e chega a incomodar) para Freddy e manter o senso de humor que surgiu a partir do terceiro filme, é missão quase impossível. O sarcasmo de Freddy deveria ser carta fora do baralho nessa versão, mas é claro que ele esta presente junto de outras tantas piadinhas sem graça. Só de curiosidade, vale dizer que Haley acompanhou um amigo que em 1984 estava começando a sua carreira de ator e fez uma participação no filme original. Sabem quem era? O astro Johnny Depp.
No que diz respeito a divertimento com pipoca e guaraná e namorada medrosa pulando no seu colo, A Hora do Pesadelo consegue uma nota alta. Mas se você estiver atrás de um bom filme de terror (e de sua namorada praticamente morando debaixo dos seus braços), o espanhol REC ainda é a melhor opção. A Hora do Pesadelo é só mais uma diversão descartável que o megalomaníaco Michael Bay tenta nos empurrar goela abaixo. E que venham as continuações…

Comentários