Crítica: Annabelle 2: A Criação do Mal (2017)

critica annabelle 2

O Cinema de Buteco adverte: a crítica de Annabelle 2 possui spoilers e deverá ser apreciada com moderação.

poster critica annabelle 2ANNABELLE SE TORNOU UM ÍCONE DO CINEMA DE TERROR MODERNO. Independente de gostar ou não dessa boneca feia pra caralho, esse é um fato que nós todos temos que aceitar. É triste, no entanto, verificar que uma personagem consegue ganhar tanta fama mesmo sem merecimento. Sua primeira aparição, em Invocação do Mal, foi tão marcante que gerou um spin-off mequetrefe anos depois, que conseguiu fazer tanto sucesso que permitiu aos estúdios um investimento em Annabelle 2: A Criação do Mal (Annabelle: Creation), de David F. Sandberg.

O longa-metragem, como o próprio título sugere, tem a intenção de se posicionar como uma narrativa sobre a origem da boneca. As famigeradas pré-sequências caça-níqueis que começam a buscar formas de monetizar em cima de qualquer possibilidade que o mesmo produto/obra oferece. Até inventarem um jeito de tirar a boneca da segurança do casal de exorcistas vividos por Patrick Wilson e Vera Farmiga, parece que estamos presos no passado.

Ainda que esteja longe de ser um mérito, Annabelle 2 supera bastante a produção anterior. Talvez pela experiência do seu diretor, que ano passado comandou do bom Quando as Luzes Apagam. O primeiro Annabelle teve direção de John R. Leonetti, um diretor de fotografia parceiro de James Wan. Quando temos um diretor experiente, especialmente no gênero terror, as coisas começam a fluir melhor.

LEIA TAMBÉM: Os melhores filmes de terror de 2016

Desta vez não temos excessos de jump scares (aquelas cenas feitas exclusivamente para fazer o público – quase que literalmente – pular da cadeira) como muletas para a falta de qualidade. Annabelle 2 possui um bom ritmo e aos poucos começa a transformar a vida de seus personagens num verdadeiro inferno. Ainda comparando com o primeiro filme, é preciso ser honesto e dizer que desta vez não há nenhuma sequência tão aterrorizante quanto aquela do elevador. O mais próximo disso é quando uma personagem está deitada num beliche e sente que uma figura “estranha” ocupou a parte debaixo da cama.

Para quem notou semelhanças de Annabelle 2 com It: A Coisa, aqui vai uma informação importante. Ambos filmes foram escritos pelo mesmo roteirista chamado Gary Dauberman. Eu já imaginava que não fosse coincidência o lançamento das duas obras terem uma proximidade, mas não havia notado essa curiosidade. Parece que o roteirista ficou no embalo de escrever o roteiro da adaptação de Stephen King e decidiu produzir algo parecido ao explorar o medo que as crianças sentem.

Como não podia deixar de ser, o longa se encerra conectando-se ao primeiro filme ao introduzir a família que é massacrada no começo de Annabelle. Poderia ser otimista e dizer que Annabelle 2: A Criação do Mal encerra um ciclo, mas a malandragem dos executivos me faz ter certeza que teremos um reencontro com essa boneca no futuro.

Tullio Dias

Dizem que sou legal, mas eles estão mentindo só para me agradar. Gosto de Molejo, acho Era Uma Vez no Oeste uma obra-prima, prefiro baixo de quatro cordas do que os de cinco, tenho um MBA de MKT Digital e um curso de Publicidade, não tenho filhos, não tenho um coração, mas me derreto por caipirinhas.