Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Truth or Dare (2012)

truth or dare

SABE AQUELA BRINCADEIRA SAFADA QUE VOCÊ ADORAVA QUANDO MAIS NOVO? Pois é. Verdade ou consequência sempre foi um daqueles jogos danados para os adolescentes usarem como desculpa para liberarem seus hormônios sem ficar com peso na consciência ou sentir vergonha. Bastava rodar a garrafa, escolher entre falar a verdade ou aceitar a consequência, e sair beijando (ou sei lá o que mais existia na cabeça das pessoas) como parte do jogo. Chega a ser realmente surpreendente que a produção britânica consiga o feito de ser tensa e eficiente naquilo que se propõe, que é nada mais que incomodar o espectador com um bem vindo terror psicológico.

Truth or Dare, que pode vir a ser traduzido ao pé da letra (ou não, vai saber…) apresenta um grupo de amigos completamente estereotipados (existe a mocinha que é a paixão do nerd bobão, mas que namora com um brucutu, cujo melhor amigo é um traficante, que também é muito próximo de um playboy que namora uma piriguete) que vão numa festa de aniversário de Felix, um “amigo” em comum. O jovem era a vítima favorita de bullying agressivo dos colegas, especialmente após os eventos de uma comemoração meses antes. O problema é que o garoto não está lá. O irmão dele recebe os jovens e logo inicia um perigoso jogo de “Verdade ou Consequência”, enquanto conta que o irmão se matou depois de receber uma carta anônima de um dos “amigos” presentes na festa. Ou seja, não demora muito para eles sacarem que o irmão mais velho está ali apenas para se vingar. Para a alegria do espectador, apenas.

- Advertisement -

truth or dare

Com um roteiro bem amarrado e boas reviravoltas, o ponto principal do longa-metragem é na sua capacidade de desenvolver o suspense e deixar o espectador ansioso para descobrir o que irá acontecer. Desde o primeiro momento em que Justin (David Oakes) aparece em cena, fica aquela sensação de que ele está escondendo alguma coisa. Isso tudo fica ainda mais evidente depois que ele se esforça para não agarrar as duas mocinhas na cabana. Quando tudo é revelado, Justin fica ainda mais assustador ao revelar sua força física e frieza, já que ataca todos os jovens sem demonstrar o mínimo de pena. Com um vilão interessante, que logo explica suas motivações e deixa de ser um mistério, é angustiante acompanhar as várias sequências em que Justin gira a garrafa para atormentar sua próxima vítima.

Curioso perceber que os personagens são tão rasos que fica fácil torcer pelo sucesso do vilão em trucidar com aqueles adolescentes chatos e mimados. Mesmo Justin é meio chato em alguns momentos, especialmente durante o terceiro ato, quando o espectador tem uma “bela” surpresa, e todo o bullying sofrido pelo coitado do Felix é explicado. A “revelação” enfraquece o roteiro, que deixa de ter tanta graça como um simples horror de vingança e quase se perde completamente ao tentar dar mais profundidade para um dos personagens.

Ainda que tenha uma vibe meio oitentista, Truth or Dare se torna mais que apenas um terror psicológico com tortura e algumas cenas gráficas. A violência presente é bem crua, nada que chegue a dar a impressão de que se trata de um filme da série Sexta-feira 13 ou Halloween. O sexo, elemento fundamental dos filmes do gênero, é deixado como pano de fundo e é usado de uma maneira que serve bem na história, o que chega a ser meio chato. Ou será que alguém assiste mesmo esses filmes sem esperar ver pelo menos uma garota quase nua?

truth or dare poster


Nota:[tres]

Comentários