Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Furia de Titãs

Tem coisa que já nasce ruim e sem conserto. O filme original era medonho o suficiente para ser esquecido eternamente. O típico caso onde a gente só precisa ver uma vez, se divertir, falar que era uma boa maneira de se passar um dia tedioso e pronto. Mesmo com todos os defeitos, pelo menos o longa produzido no começo dos anos 80 era charmoso e se prestava unicamente a ser uma trama que visava mostrar um pouco mais da mitologia grega e usar as mais variadas referências da época para fazer um filme desmiolado e indicado para o público infantil.

Perseu é um dos vários filhos de Zeus. Meio humano, meio Deus. Quando os humanos decidem se revoltar contra os deuses do Olimpo e partem para destruir a estátua de Zeus, a família que criou Perseu acaba sendo assassinada por Hades. Enfurecido, Perseu é recrutado para evitar que o temível Kraken destrua a cidade inteira, e de quebra, ter a oportunidade de se vingar.

Essa é a história básica do filme de 81, e que em 2010, em plena época do lançamento da terceira parte de God of War (game mais vendido dos últimos tempos e que utiliza a mitologia grega como base para a história), o diretor Louis Leterrier chega com o seu remake do “clássico” oitentista (só eu achei esse termo irônico demais?) Furia de Titãs e trouxe o ator sensação do momento Sam Worthington (Avatar) para estrelar/queimar o filme. O veterano Liam Neeson interpreta Zeus e mostra toda a fúria do mais poderoso dos Deuses. No filme original o personagem era um tanto mais bobinho e bonzinho, coisa que é quase que completamente abandonada dessa vez. Ralph Fiennes faz uma breve participação como Hades, mas não chega a roubar a cena. Isso seria praticamente impossível já que Fúria de Titãs não deixa espaço para os atores mostrarem seu trabalho e tentar melhorar um pouco o nível do roteiro e seus dialógos infantis.

Os efeitos especiais são até interessantes, mas a transposição do formato 2D para a coqueluche 3D pós Avatar destruiu algumas cenas. O problema do 3D e que James Cameron tentou corrigir e ensinar com seu filme dos Smurfs, é que tem coisa que só funciona no formato. O que os produtores precisam aprender é que o novo formato deve somar ao 2D e não tentar substitui-lo. Isso será impossível e uma grande burrice. Avatar merece todo o crédito do mundo por ter sido o primeiro filme a mostrar que isso é possível e que os longas modernos não precisam depender exclusivamente do efeito para o sucesso. Alguns momentos em Fúria de Titãs (incluindo os créditos finais) são feios e sem nenhuma preocupação em agradar o público mais exigente. Não aguento mais espadas sendo arremessadas em minha direção, como se isso fosse ser legal ou arrancar alguma reação de espanto.

Retomando o pensamento inicial, quando disse que o que nasce ruim não tem conserto, aqui a afirmação se confirma. Se pelo menos evita ser trash (o que era o melhor do filme original, diga-se de passagem), o remake de Fúria de Titãs não escapa do seu próprio rídiculo. As conversas entre os personagens são extremamente mal feitas e artificiais. Parece que o roteiro passou por tantas mãos que ficou impossível imprimir um pouco de “vida” para que os personagens soassem um pouco menos fajutos ou forçados. Worthington ainda não provou se é um bom ator ou apenas o substituto de Jean Claude Van Damme, e se depender do que mostra ao longo da trama, seu destino será as fitas de ação. É uma pena que o resultado final do filme não seja de grande agrado, já que a mitologia grega é sempre um tema curioso e que permite diversas viagens cinematográficas.

E provando que ninguém mais pensa em cinema exclusivamente como forma de cultura, os estúdios norte-americanos já anunciaram a sequência. Resta aguardar e cultivar o mínimo de esperança de que dessa vez Perseu possa realmente fazer um trabalho digno dos deuses do Olimpo.

Ficha Técnica:
Furia de Titãs
(Clash of Titans, 2010)
Dirigido:
Louis Leterrier
Roteiro: Travis Beacham, Phil Hay, Matt Manfredi
Genêro:
Aventura
Elenco:
Liam Neeson, Ralph Fiennes, Sam Worthington

ps: o filme original tinha uma coruja robótica muito tosca e ela aparece em determinado momento do novo filme. risada garantida.

- Advertisement -

Comentários