Filme: A Grande Aposta

Publicado originalmente no blog O Pipoqueiro.

A Grande Aposta Christian Bale
Um dos destaques da atual temporada de premiações está em cartaz no Brasil e de fato merece a atenção que vem recebendo. A Grande Aposta (The Big Short, 2015) reúne um elenco muito bem escolhido e entrosado para enfiar o dedo em uma ferida recente que atingiu os Estados Unidos e, na sequência, o mundo: a crise financeira de 2007/2008. Misturando humor e drama de forma equilibrada, o longa diverte, informa e indica que tudo pode estar perto de se repetir. Aparentemente, não se aprendeu nada com o episódio.

O roteirista Charles Randolph, que teve sua estreia no Cinema com A Vida de David Gale (The Life of David Gale, 2003), mais uma vez entra em um projeto que apresenta uma The Big Short booksituação que pode e deve levar a discussões importantes. O jornalista e escritor Michael Lewis já havia tido duas adaptações de livros seus: Um Sonho Possível (The Blind Side, 2009) e O Homem Que Mudou o Jogo (Moneyball, 2011). Dessa vez, ele deixou de lado os esportes e virou seu olhar para as altas finanças e a bolha do mercado imobiliário que levou a um dos maiores colapsos da história, que quebrou muitas empresas e fez muita gente perder as economias de uma vida inteira.

Unindo-se à produção, o diretor Adam McKay reescreveu o texto de Randolph e conseguiu mais um acerto em uma carreira marcada por altos (O Âncora, 2004) e baixos (Quase Irmãos, 2008). Com uma montagem ágil, ele mistura imagens da época para situar o público no que estava acontecendo, preocupando-se em ser didático sem ser cansativo. Ao contrário do ótimo Margin Call (2011), que se foca em um caso exemplar, A Grande Aposta ataca logo o cenário completo, sem medo de deixar claro que a crise foi causada por muita gente de mau caráter que levava as falcatruas com imóveis a um extremo que chegava a ser ridículo. Não há heróis nesse universo, há apenas graus de falta de ética, moral e até de empatia com os inocentes que era lesados. E os responsáveis ainda tentam se justificar, criando historinhas para desculpar tais práticas abomináveis.

LEIA TAMBÉM: Seria A Grande Aposta o favorito ao Oscar 2016?

O longa apresenta alguns personagens que serão fundamentais para montar a situação. O controlador de fundos que descobre a jogada da valorização de hipotecas que não darão em nada e aposta contra com o dinheiro de seus investidores é vivido pelo eterno Batman Christian Bale, papel que lhe valeu diversas indicações a prêmios como ator coadjuvante. Outros habitantes importantes desse mundo são interpretados por Steve Carell, Ryan Gosling, John Magaro, Finn Wittrock e Brad Pitt, além de vários técnicos e assistentes. Pitt é inclusive produtor e pode levar seu segundo Oscar de melhor filme (depois de 12 Anos de Escravidão, 2013).

Como uma fala do próprio filme afirma, o mercado financeiro se valoriza criando termos técnicos difíceis. Por isso, há explicações básicas e bem humoradas, que utilizam legendas oportunas e celebridades para passar a mensagem, provando que qualquer um consegue entender o que há debaixo daqueles jargões. Os diálogos com a câmera causam mais risos do que compreensão, derrubando a quarta parede de forma muito engraçada. Vez ou outra, há algo mais profundo que demanda nossa atenção, como a metáfora da auditora que usa óculos escuros enquanto mantém a postura de correta e os tira quando entrega a canalhice que sua empresa perpetra. Michael Lewis já foi acusado de mexer nos fatos que narra e até isso vira piada, já que um personagem explica em certo momento que as coisas não aconteceram exatamente daquele jeito. E o bom uso da trilha sonora só coroa uma obra rica e interessante.

Marcelo Seabra

Além de colaborar no Buteco, Marcelo é editor do blog O Pipoqueiro (blogs.uai.com.br/opipoqueiro), comentarista no podcast do Cinema em Cena e onde mais o chamarem. Busca sempre manter alto o volume de filmes e séries vistos e está sempre ouvindo música. Dos anos 60, de preferência.