Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Filme: Rocky II – A Revanche

Rocky II
TRÊS ANOS APÓS CONQUISTAR HOLLYWOOD COM ROCKY, e acumulando uma indicação dupla ao Oscar nas categorias de Melhor Ator e Roteiro, Sylvester Stallone decidiu filmar mais um capítulo da história do boxeador fictício Rocky Balboa em Rocky II – A Revanche, em 1979. Mesmo sem demonstrar o mesmo tino artístico que John G. Avildsen, Stallone não deixa a desejar e conduz com qualidade a nova aventura de Rocky.

Após ser humilhado por um ilustre desconhecido, o campeão Apollo Creed tenta convencer seu adversário a aceitar uma revanche. Porém, tudo que Rocky quer é curtir a sua vida de casado com Adrian e o filho que está para nascer. Ciente das consequências da luta anterior, o boxeador prefere se sustentar do jeito que dá e evitar um novo confronto que pudesse colocar a sua vida em risco justo agora que ele tem tanto para perder.

Rocky II é sábio ao apresentar um personagem, que mesmo amadurecido, ainda escorrega nas próprias deficiências intelectuais. São várias as cenas em que o boxeador aparece gastando dinheiro de maneira excessiva, contrariando os passos mais cautelosos da esposa. Depois de fazer papel ridículo na gravação de um anúncio publicitário e com a esposa doente, Rocky aceita que a única solução é voltar a lutar. A partir daí temos um “remake” de tudo que assistimos no primeiro filme, incluindo o treinamento implacável com o velho Mick.

- Advertisement -

A introdução da continuação repete (na maior cara de pau) os minutos finais do filme original para situar o espectador que a narrativa começa exatamente após o resultado da luta lendária entre Apollo e Rocky. Isso é um tanto idiota hoje em dia, já que nós temos uma capacidade de compreensão maior do que o público da época, mas importante para nos jogar no clima do filme. Uma prova disso é o momento em que Apollo desafia Rocky numa cadeira de rodas na frente de todos os jornalistas. Se não existisse toda a preparação, talvez esse momento não funcionasse tão bem.

As cenas de luta conseguem ser ainda mais empolgantes que no filme original. Não chega a ser algo grande, afinal de contas o sucesso do primeiro Rocky não estava dentro dos ringues e sim em toda a preparação para o confronto. Novamente temos um terceiro ato completamente dedicado para Apollo e Rocky trocarem socos. Se na primeira luta tivemos algo mais lúdico, desta vez dá até mesmo para tentar apreciar um pouco das estratégias que os treinadores utilizam para tentar neutralizar o adversário.

Rocky II – A Revanche é um belo trabalho de Sylvester Stallone para conseguir transformar um belo longa-metragem em uma franquia de sucesso sobre superação e motivação para aqueles que são tratados como inferiores diante a sociedade. Lições de amizade, amor e amadurecimento são aprendidas facilmente por aqueles dispostos a encontrar bem mais que apenas mais uma produção dramática sobre boxe. No entanto, bem longe da qualidade do original.

Comentários