Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Fuga de Nova York


OS ANOS OITENTA FORAM CARACTERIZADOS POR UM CINEMA POUCO REALISTA. Várias ótimas obras vieram desse período, como Indiana Jones, Máquina Mortífera, Duro de Matar e vários outros. Fuga de Nova York, porém, certamente não está nesta lista.

Os Estados Unidos enfrentam uma onda de violência e a cidade de Nova York se torna uma prisão de segurança máxima. Entretanto, em seu interior não há policiamento — os criminosos são apenas jogados lá dentro e impossibilitados de fugirem. Quando o avião do presidente é derrubado por grupos terroristas e cai no presídio — e o presidente surpreendentemente sobrevive dentro de uma cápsula de segurança, algo tão absurdo quanto a cena da geladeira em Indiana Jones 4 — o chefe da penitenciária, Bob Hauk (Lee Van Cleef, de Três Homens em Conflito) oferece anistia ao herói de guerra Snake Plissken (Kurt Russell) caso ele consiga resgatá-lo em 22 horas, pois em sua posse estava uma fita que seria executada em um encontro internacional com duração restante equivalente a tal prazo (eles não poderiam fazer uma cópia da porcaria da fita?) Snake aceita a proposta, mas Hauk aplica-lhe uma injeção com explosivos, que o matarão em 22h e que só podem ser desativados pela polícia.

Kurt Russell faz um personagem durão que permanece rouco durante o filme inteiro — uma espécie de Batman misturado com Dirty Harry — o que é extremamente cansativo e desnecessário. Mesmo com alguma coisa na garganta (um pinto de borracha, vai saber) Russell ainda é o único ponto bom da obra, pois o personagem dele é extremamente arrogante e rabugento, o que rende alguns bons momentos no filme. Snake, por exemplo, aparentemente não se importa com quase nada e faz certas coisas que podem ter consequências catastróficas, movido apenas por uma vingança pessoal.

- Advertisement -

A fotografia do filme é muito escura, possivelmente com a ideia de demonstrar o caos de Nova York, mas esse recurso não funciona e ainda por cima é consideravelmente prejudicial. Em diversos momentos, afinal, torna-se praticamente impossível enxergar o que está na tela.

O filme abusa de certos clichês que são ofensivos, como o do vilão que está no ambiente e só é percebido quando começa a falar, e o de um som agudo alto quando aparece algum elemento surpresa na tela. Outra coisa problemática no filme são certos absurdos como o carro que passa por cima de uma mina e mata uma pessoa, porém, as outras pessoas do carro saem ilesas. O roteiro é bem simples e parte de uma premissa absurda como justificativa para ter algumas cenas de ação que sequer são boas. A geografia das cenas é incrivelmente falha e frequentemente você não sabe onde os personagens se encontram.

Fuga de Nova York é uma desagradável experiência com péssimos diálogos, péssimas cenas de ação e um péssimo enredo. O filme só não se torna um completo desastre por conta de seu personagem principal, que é consideravelmente carismático, não se importa com praticamente nada ao seu redor e por isso é uma figura tão interessante, mesmo que a atuação de Russell falhe em alguns aspectos.

Título original: Escape From New York
Direção: John Carpenter 
Produção: Larry J. Franco, Debra Hill
Roteiro: John Carpenter, Nick Castle
Elenco: Kurt Russell, Lee Van Cleef, Ernest Borgnine
Lançamento: 1981
Nota:[duas]

Comentários