Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Harry Potter e a Camara Secreta

Ao contrário do Joubert, eu era um dos adolescentes de 16 anos fissurados nas histórias criadas pela britânica J.K. Rowling. Há quase 10 anos eu descobria o universo mágico de Harry Potter e junto de alguns dos primeiros fãs dos livros, fui dos membros do site Harry Potter BP. Na época que antecedia o lançamento do primeiro filme, eram raras as pessoas que sabiam do que se tratava. Era um assunto quase que exclusivo do universo nerd. O terceiro livro foi lançado quase que simultaneamente ao primeiro filme, ou seja, quem já gostava/conhecia o livro já estava MUITO PUTO com a quantidade de fãs de ocasião e o alto teor infantil da primeira adaptação. Mas a verdade é que mesmo o fã mais xiita estava aguardando ansiosamente pela estreia do primeiro filme. Junnel fez um post interessante falando sobre como a experiência de ver o filme antes de ler o livro foi negativa. Tudo bem que depois ele traiu o movimento dos leitores e elogiou o primeiro (e pior) longa da série, mas cada um tem a sua opinião. Né?

A Pedra Filosofal me decepcionou. Me decepcionou muito. Até hoje quando assisto, me sinto mal. A trilha sonora é ótima, Alan Rickman OWNA como o Snape (aquela entrada triunfal no primeiro filme é inesquecível) e tudo é muito interessante. O problema é o direcionamento da história para as crianças (em A Camara Secreta, o personagem Dooby consegue ser mais chato que os Ewoks em O Retorno dO Jedi) e em conquistar ainda mais fãs para a escritora Rowling. Fato que conseguiram e que os filmes viraram sinônimo de recordes de bilheteria. Todos os filmes conseguiram marcas impressionantes, o que só deixou a Warner ainda mais confiante em dividir o sétimo e último livro da saga em dois longos filmes. Ah. Este é um ponto interessante: todos os filmes são longos. Eles bem que tentaram agradar aos fãs. Mas, infelizmente, ficaram só na tentativa.

- Advertisement -

Vou tentar parar de ser xiita e começar a falar exclusivamente da Camara Secreta. Antes de reler todos os livros, este era o que eu menos gostava. A Flávia odeia esse livro e eu o considero atrás apenas de O Enigma do Principe (que é o que vai estrear no meio da semana que vem) , O Prisioneiro de Azkaban e Relíquias da Morte. A Camara Secreta apresenta todas as peças que explicam a estranha conexão de Harry Potter e o bruxo das trevas Voldemort. É o livro mais importante para o desenvolvimento da saga, é quase como O Império Contra-Ataca: fundamental. Na época de lançamento do filme, os fãs ainda digeriam o quarto volume e não tinham a menor noção do que viria a seguir. Apenas a escritora sabia onde ia chegar e cabia a ela a missão de transformar esse filme em algo digno do livro. Pois bem. Como SEMPRE acontece se tratando de Harry Potter, não conseguiram esse resultado e é mais um filme corrido, sem aprofundamentos nos personagens, vago para quem não conhece o livro, e infantil em excesso. Tudo bem que J.K. Rowling se vingou no último livro e eu aguardo ansiosamente pela adaptação, mas A Camara Secreta tem mistérios demais para ser um filme tão cuzão. Só não é pior que o primeiro.

Bem, eu vou ficar por aqui. Amanhã volto com O Prisioneiro de Azkaban e no dia seguinte com O Cálice de Fogo. Até!

De 1 a 5 caipirinhas, esse aqui merece 2!


pela lealdade aos livros

Comentários