Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Mata-me de Prazer

Nada me irrita mais que a simplicidade de um filme que parece ter sido feito para televisão. A total falta de carinho com a tipografia utilizada no título me deixa quase sem ar e tem que ter muito autocontrole para conseguir permanecer atento com a história. Mas a situação piora ainda mais: além desse descaso com as fontes, ainda existe o problema de uma trilha sonora simplória. Como é que se pode esperar uma boa história de um filme que começa assim?

Pois bem. Mata-me de Prazer consegue vencer o preconceito inicial e mesmo com uma trilha sonora HORRIPILANTE de feia, se mostra como bom entretenimento. É um filme sensual e que certamente serviu de aula de sedução e práticas bondage. Existe até mesmo uma cena de sexo com momentos de asfixia (a mesma forma que o Bill do Kill Bill morreu recentemente). O corpo de Heather Graham é de arrepiar, bem como a química entre ela e seu parceiro Joseph Fiennes.

- Advertisement -

Imaginem ter a vida perfeita ao lado da pessoa perfeita. Para ficarmos sintonizados com o cinema, peguem o exemplo do personagem de Zac Braff em Um Beijo a Mais. O cara tinha a vida perfeita e totalmente planejada até o fim de seus dias. Um verdadeiro pé no saco, certo? Pois é. Assim é a vida da personagem de Heather Graham: ótima relação com o namorado, mas um desastre no sexo, e aquela sensação de que tudo é bom e fácil demais. Eis que entra em cena um desconhecido na rua. Paixão à primeira vista. Calor no primeiro toque. Alice (Heather Graham) perde a linha e acaba indo parar na casa do sujeito logo após o encontro. Lógico que se apaixona perdidamente e óbvio que o namorado ruim de cama rodou.

A vida de Alice vira ao avesso e ela passa a morar com um homem quase que completamente desconhecido. Para provar que sexo faz bem não só para a pele, a garota passa a ter uma aparência de total segurança e felicidade. Realizada. Mas como tudo que é bom dura pouco, Alice passa a receber estranhas cartas e começa a desconfiar do comportamento violento e possessivo do homem que escolheu viver junto.

Infelizmente é um filme um tanto previsível para quem consegue ler nas entrelinhas. Mas como já disse acima, são várias cenas sedutoras que valem a pena de serem conferidas. E se você for fã da belezinha de Boogie Nights, não vai se decepcionar mesmo!

Vou de 4 caipirinhas por solidariedade à gripe da atriz.

Ficha Técnica:
Mata-me de Prazer (Killing Me Softly, 2002)
Dirigido: Kaige Chen
Roteiro: Kara Lindstrom
Genêro: Suspense
Elenco: Joseph Fiennes , Heather Graham
Trailer

Comentários