Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Minha Vida Sem Mim

Minha Vida Sem Mim foi recomendação da minha amiga Isabelle (do site Muse Brasil). Ela disse que era uma história linda e que merecia ser vista. Pelo que pesquisei sobre o filme, tinha tudo para ser uma daquelas histórias tristes que te fazem chorar até secar a fonte. Mas fiquei apenas na expectativa. Parece que a diretora Isabel Coixet sofreu do mesmo mal de David Fincher em O Curioso Caso de Benjamin Button: faltou pegar pesado no drama e atacar direto na emoção do espectador. A bela história da personagem acaba não emocionando tanto quanto deveria. Uma pena.

Scott Speedman (que está a cara do Kurt Cobain) interpreta um marido em busca de emprego. Tem duas filhas e mora em um trailer atrás da casa da sogra, uma reclamona de marca maior. Sarah Polley interpreta Ann. Ela é esposa, mãe, filha e ainda tem que lidar com um emprego dificil. Embora nunca tenha reclamado da sua vida ao lado do marido, ela se sente vazia e então descobre que vai morrer em três meses. Pronto. Todo o clima para uma história dramática (sem exageros. afinal, não é preciso exagerar na dose para se fazer um filme emocionante) está aí, mas Coixet preferiu uma coisa mais sutil e reflexiva. Longe de dizer que o filme é ruim, definitivamente não é, mas senti falta de uma dose mais pesada de drama. Tudo fica no ar, é fácil absorver, mas não conseguiu me fazer refletir sobre o quanto a vida é importante e rara (amo o Lenine mesmo). Talvez outras pessoas consigam apreciar mais do que eu e só por isso que recomendo!

- Advertisement -

Comentários