Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Recomendar: Fincher, Social Network & Creep

Em outubro chega aos cinemas o longa The Social Network, que conta a história por trás da criação do Facebook. Confesso que inicialmente não impetrei interesse em ver nas telas à história do surgimento de uma rede social, mas para dar vida a um atualíssimo episódio, o fado foi oferecido ao experiente roteirista Aaron Sorkin, para tirar leite de pedra, sem falar que sobre a direção de David Fincher, teremos no mínimo algo significante e singular para ser compartilhado e recomendado.

Foi no ano de 2004 que Mark Zuckerberg aluno de Ciências da Computação em Harvard criou a plataforma que veio se tornar a maior rede social do mundo, com cerca de 500 milhões de usuários. A história pode não ser muito diferente de outros lendários inventos de plataformas na rede, como a genial criação de Shawn Fanning em 1999, afinal o Napster revolucionou o modo de compartilhar, ouvir música e a todo um processo que envolve as estratégias da indústria fonográfica. O que coloca o Facebook a frente de outras plataformas, é que ela transformou o modo de socialização, o alicerce de compartilhamento não é mais os arquivos ou bits, são recortes de vidas, que são ali representadas.

O drama é centralizado no desentendimento, por razões financeiras, de Mark Zuckerberg, interpretado por Jesse Eisenberg, com o co-criador da plataforma Eduardo Saverin, que é interpretado por Andrew Garfield. O elenco ainda trás Armie Hammer, Rashida Jones, Rooney Mara, Max Minghella e o cantor Justin Timberlake, que interpreta o presidente da rede, Sean Parker.

Além de seu enredo e um roteiro que provavelmente não irá pecar, os filmes de Fincher se destacam também por nos deliciar com ótimas trilhas sonoras. E não deixou por menos. Convocou logo Trent Reznor, vocalista do Nine Inch Nails, para ser o responsável pela experiência audiofônico a qual iremos ser expostos, juntamente com o engenheiro de som Atticus Ross. Reznor, postou um comentário no site do NIN, onde diz está feliz com o resultado, que está praticamente finalizado. “Meses depois, estou satisfeito em dizer que estamos chegando à conclusão deste material e eu não poderia estar mais feliz com a forma de como se sucedeu. O nível de excelência em que David opera é inspirador e todo o processo tem sido um desafio e verdadeiramente agradável”, relata Reznor. Agora é aguardar.

Um dos trailers do longa trás uma versão muito peculiar e suntuosa da música Creep do Radiohead, feita pelo coral belga Scala and Kolachny. O resultado é sublime, confira:

E nas palavras do próprio Trent Reznor: “Speaking of the film… it’s really fucking good. And dark!”

- Advertisement -

*texto originalmente postado no blog [DES]Bloqueio Mental

Comentários