Review: Roadies s01e05 – “Friends and Family”

Torço muito para que Roadies sobreviva para uma segunda temporada, embora tenha a impressão de que a audiência baixa irá sepultar mais um projeto de Cameron Crowe. Enquanto não temos essa confirmação triste, devo dizer que são episódios como “Friends and Family” que tornam a série tão especial.

O grande problema, como o próprio Crowe já havia explicado em Quase Famosos, é que vivemos num tempo em que o rock morreu para o grande público. Vinyl, da HBO, não terá uma segunda temporada, apesar da produção de Martin Scorsese e dos elogios da crítica. Isso acontece porque o universo do rock se fechou a um público muito específico e não cativa gente “comum”, ou seja, aqueles que não sabem o que é se arrepiar com uma música, banda ou show.

As propostas das duas séries são bem distintas, ok, mas era de se esperar que a pegada mais leve de Cameron Crowe pudesse conquistar os telespectadores. Tudo é muito romantizado, os personagens são extremamente carismáticos, os conflitos envolvem e as situações vividas pelos roadies são hilárias, mas talvez funcione apenas para quem vive e respira música. E isso é uma pena. Portanto, é quase uma obrigação falar dessa série. Qualquer expressão que se mostre como uma declaração de amor para o rock merece a nossa atenção.

“Friends and Family” fala sobre voltar pra sua cidade natal depois de viajar ao redor do país. Citando mais uma vez Quase Famosos: “ninguém quer voltar pra casa. O lance das turnês é justamente sobre ficar longe de sua cidade e das pessoas”. Temos a participação da musa inspiradora da canção “Janine” em carne e osso, que acaba conquistando Reg; temos Bill exorcizando seus fantasmas e atendendo a um pedido brega do vocalista; Shelli ficando louca de tesão e preocupação porque as coisas não aconteceram exatamente como ela queria; Kelly Ann levando um esporro sobre ficar de cu doce com Reg; e, a parte mais legal, a ansiedade de Milo e Donna diante a chance de colocarem o seu projeto musical para ser o número de abertura da noite.

Essa questão de poder participar do show além dos bastidores costuma ser recorrente nesse universo musical. Milo faz a proposta no começo do episódio e fica claramente frustrado com a negativa. E num acaso, a chance se torna real. A reação do roadie é emocionante, já que ele realmente não sabe o que dizer/fazer ou sequer tem ideia de que músicas irá incluir. Todo esse arco é concluído com um balde de água fria quando a atração original consegue chegar a tempo de subir ao palco.

O baixista Rick começou a ganhar mais destaque representando aquela ideia de que todo músico (ou contrabaixista, se preferirem) é meio louco. Depois de aparecer completamente chapado mais uma vez, o cara faz a indelicadeza de propor coisas absurdas e inconvenientes para as cantoras do Lucius, banda nova-iorquina que participa deste episódio.

Há ainda uma LINDA referência a Digam o Que Quiserem, um dos primeiros trabalhos de Cameron Crowe no cinema. “Friends and Family” pode até não ser o melhor episódio da série, mas esses detalhes tornam esse um dos grandes momentos dessa nova empreitada de Cameron Crowe.

Tullio Dias

Dizem que sou legal, mas eles estão mentindo só para me agradar. Gosto de Molejo, acho Era Uma Vez no Oeste uma obra-prima, prefiro baixo de quatro cordas do que os de cinco, tenho um MBA de MKT Digital e um curso de Publicidade, não tenho filhos, não tenho um coração, mas me derreto por caipirinhas.