Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Top 5 Filmes Românticos: Ana Clara

Pesquisas feitas por alguma universidade com muito tempo livre nas mãos já comprovaram: filmes românticos não fazem bem pra saúde mental. Criam expectativas de príncipes e princesas, almas gêmeas e trilhas sonoras triunfantes que entram exatamente no momento que olhares se cruzam ou declarações são feitas. Sim, vício em filmes românticos não faz bem mas é impossível não se render aos encantos de uma película do tema, quando bem feita (afinal, 80% dos romances cinematográficos dos últimos anos seguem a mesma forma de comédia romântica, a do herói/heroína, parte de um casal improvável, que descobre nos últimos minutos sua paixão e corre por uma rua/altar/qualquer outro lugar para impedir seu amado de casar com algum coadjuvante).
Essa não é apenas uma lista dos meus 5 filmes românticos favoritos, missão que Túllio Dias me passou para essa semana do Dia dos Namorados no Cinema de Buteco. É uma lista que mostra diversas faces (completamente diferentes) do amor retratadas no cinema. Unanimidades da crítica? Não estão nessa lista. Mas o amor nem sempre é melhor retratado em um filme culto e obscuro. Ele é feito de Elizabeth Bennets e Bridget Jones e seus respectivos Mr. Darcys. Da corrida pelo aeroporto do garoto de Simplesmente Amor e de Heath Ledger entoando Frank Sinatra nas arquibancadas de um colégio. É um tema clichê que faz muita gente torcer o nariz. Mas alguns poucos e excelentes cineastas não o torcem e é por isso que aí está, minha lista de melhores filmes românticos.
1 – ABC do Amor (Little Manhattan)
Nunca um filme representou as pequenas alegrias e ansiedades de um início de relacionamento tão bem quanto ABC do Amor. Mas é claro. Essas emoções nunca são sentidas de maneira tão pura quanto no primeiro amor, que é visto no filme através do olhar adorável de um garoto de 11 anos.
2 – Apenas Uma Vez (Once)
Nem sempre as histórias de amor que duram anos, décadas, ou uma vida inteira, são as mais marcantes. O amor entre os personagens de Glen Hansard e Markéta Irglová é mostrado na forma nunca explícita de canções, gestos pequenos e até virou relacionamento real entre os atores/músicos por um tempo. Além de todos esses motivos, Once ainda mostra o poder que a música tem de unir as pessoas.
3 – Johnny & June (Walk the line)
Não é uma história perfeita como um conto de fadas, mas é uma história real de um garoto que se apaixona pela voz de uma garota antes mesmo de conhecê-la, tropeça várias vezes na vida e acaba sendo salvo por seu amor de infância. Johnny Cash e June Carter possuem uma trajetória fantástica e rara, e o filme de James Mangold capturou também de maneira rara essa história.

4 – Mens@gem para você (You’ve got mail)
A primeira comédia romântica que retratou o “amor nos tempos modernos” é, para mim, um dos melhores exemplares do gênero. Enquanto alguns idolatram o primeiro trabalho do trio Ephron/Hanks/Ryan, Sintonia de Amor, que na minha opinião apresenta uma personagem principal obcecada demais para ganhar o rótulo de romântica, é o relacionamento construído de maneira lenta, charmosa e cheia de diálogos dos dois livreiros que realmente merece seu lugar no olimpo. E sua sequência final é absolutamente linda.
5 – Brilho de Uma Paixão (Bright Star)
Se poesia já é uma das formas de expressão mais românticas das artes, o filme de Jane Campion transforma a história de amor de John Keats e Fanny Brawne, intensa, trágica e sutil em medidas iguais, em um poema com sons e imagens. É difícil superar o momento que, em quartos separados, Ben Whishaw e Abbie Cornish sentem os efeitos da distância imposta por uma fatalidade.
Bônus – A montagem inicial de Up-Altas Aventuras
Não é um filme, mas a abertura de Up conseguiu resumir tudo que há de romântico nos filmes acima e em todos os outros em poucos minutos. Difícil conter as lágrimas.

Ana Clara Matta (@_ana_c) é uma estudante de engenharia química mineira,
editora do Rock ‘n’ Beats e criadora do blog de críticas cinematográficas Through The Frames.

Comentários