Trapaça


Christian Bale;Amy Adams

LOGO EM SEUS CRÉDITOS INICIAIS, Trapaça já conta com genialidade, tendo uma perfeita emulação dos créditos como se o filme tivesse sido feito na época em que se passa. O longa se passa no final dos anos 70, tendo assim uma fantástica introdução retrô.

O longa é inspirado em uma história real, sobre um casal de golpistas que é pego pela polícia e são forçados a atuar como agentes duplos para prender corruptos e assim conquistar a liberdade. O casal, Irving Rosenfeld (Christian Bale) e Sydney Prosser (Amy Adams) então agem junto com o policial Richie DiMaso (Bradley Cooper) para prender o político Carmine Polito (Jeremy Renner). Carmine tenta construir uma ponte em sua cidade para poder criar empregos e melhorar a situação da população, mas não consegue fazer isso pelas vias legais e acaba agindo de maneira ilegal para seu objetivo.

Um elemento muito interessante em Trapaça é a questão moral que é debatida no filme. Quase todos os personagens não tem uma noção muito consequencialista da moral e pensam apenas nos seus propósitos. Até o policial interpretado por Bradley Cooper, que decide ir contra o prefeito interpretado pelo Jeremy Renner, mesmo que as ações dele sejam moralmente boas (embora ilegais). Existe uma fala em que o personagem de Christian Bale fala sobre isso, dizendo que o mundo não é preto e branco, mas sim extremamente cinza.

6a014e5fd5052c970c019b038da7d8970d

O elenco do filme é espetacular, como de costume nos trabalhos do diretor. Christian Bale faz o fantástico golpista Irving Rosenfeld. Amy Adams faz magistralmente Sydney Prosser, amante e par romântico do protagonista. Jennifer Lawrence interpreta Rosalyn Rosenfeld, que consegue ser mais louca que a personagem que ela interpreta em O Lado Bom da Vida, mulher do protagonista, que vivem em uma relação infeliz. Bradley Cooper interpreta o obstinado Richie DiMaso, que quer prender corruptos para subir na carreira.  A produção conta ainda com uma pequena e fenomenal participação do Robert De Niro, que deveria fazer só filmes com o diretor, tendo em vista a sua carreira recente.

american-hustle-movie-poster-2A trilha sonora do projeto é espetacular, capaz de construir muito bem a atmosfera dos anos 70 da produção, nessa trilha eu gostaria de destacar duas cenas em que a música é bastante importante: primeiro uma das melhores cenas do longa, que é quando a personagem de Jennifer Lawrence canta “Live and Let Die”, do Wings; e o momento em que dois personagens debatem sobre “Jeep’s Blues” enquanto a escutam, realmente fabuloso. Só é uma pena que “Good Times, Bad Times” do Led Zeppelin não esteja no filme, já que ela faz parte do trailer (e por causa dessas coisas que eu evito saber alguma coisa dos filmes antes de assistí-los). E antes que me perguntem, eu não assisti o material de divulgação antes do longa, na verdade fiquei sabendo desse detalhe em uma conversa com um amigo.

David O. Russell adiciona mais uma grande obra à sua carreira, que está tão prolífica nos últimos anos e comprova sua qualidade como diretor e roteirista, desta vez dividindo os créditos da história com Eric Warren Singer. Trapaça é uma experiência divertida, com personagens interessantíssimos e uma trilha sonora magnífica, o que já se tornou comum na filmografia do cineasta.

american-hustle-poster-2

Título original: American Hustle
Direção: David O. Russell
Roteiro: David O. Russell, Eric Warren Singer
Elenco: Christian Bale, Amy Adams, Jennifer Lawrence, Bradley Cooper
Lançamento: 07/02/2014
Nota:[cinco]

João Golin

O mais novo da equipe do Cinema de Buteco, ele é o único que realmente tentou estudar cinema seriamente. No processo, aprendeu a beber, se apaixonou mais uma vez por Taxi Driver, e sonha com o dia em que ganhará uma faixa escrita: “nós amamos o Gollum”.