Uma Longa Queda

O Cinema de Buteco adverte: a crítica a seguir possui doses moderadas de spoilers. Cuidado!


uma longa queda 2

NICK HORNBY ESCREVEU ALTA FIDELIDADE, que virou filme estrelado por John Cusack, e é considerado como uma bíblia do homem moderno (ou assim deveria). Dentre seus romances, sempre recheados com um alto nível de humor e ironia, se destacam Como Ser Legal e Juliet, Nua e Crua. Em 2005, ele escreveu Uma Longa Queda, uma obra que tenta tratar com leveza um tema tão delicado, e doloroso, como o suicídio.

O desconhecido Pascal Chaumeil ficou com a responsabilidade de dirigir Pierce Brosnan, Imogen Poots, Aaron Paul e Toni Collette na adaptação da obra de Hornby. A impressão inicial até poderia ser das mais negativas, mas felizmente somos presenteados com uma obra que apesar de fazer mudanças “necessárias”, possui mais acertos que erros, e consegue transportar para o cinema a sensibilidade do texto original.

Dispensarei aqui o tal parágrafo sinopse (para a alegria do amigo Hélio Flores, que há muito tempo reclamava dessa “regra” nas críticas) para iniciar direto com as tais modificações do roteiro em relação ao livro. O roteiro planta a ideia de um romance entre a maluquinha Jess (Poots) com JJ (Paul) de uma maneira sutil e natural. Começa com os olhares de um para o outro, fica explícito depois dela ficar enciumada com o bonitinho flertando com a jornalista, e tem uma conclusão bonita com a cena final. No livro, isso simplesmente não acontece. Jess se pega com outro personagem (não presente no filme), e os conflitos que levam JJ à tentativa de suicídio são outros. As modificações dão um peso maior para o longa-metragem, que culmina com uma cena dramática muito bem realizada durante o seu terceiro ato. O discurso de Paul é emocionante, daqueles que tocam na alma, e nos fazem ter a certeza de que o ator saiu da série Breaking Bad para ganhar as telas de cinema e se tornar um dos grandes nomes de sua geração.

uma longa queda

O restante do elenco não faz feio. Imogen Poots não é apenas um rostinho bonito e mostra isso com a profundidade de sua personagem, que tenta esconder suas frustrações com a vida através de um comportamento meio irresponsável, quase como se tivesse síndrome de Tourette. As melhores piadas da produção surgem de cenas com a participação de sua personagem. Toni Collette é sempre eficiente em seus trabalhos. Não teve qualquer dificuldade em entregar uma senhora solitária, e infeliz com os rumos de sua vida. E o mais surpreendente é constatar que mesmo um canastrão como Pierce Brosnan costuma ter seus bons momentos ao interpretar um personagem mais canastrão ainda. Pode não ser genial, mas certamente não compromete o resultado.

A narrativa até tenta fazer uma referência direta ao livro ao se dividir em “quatro partes”, cada uma delas começando com a narração em off de um dos protagonistas. No original, cada capítulo é apresentado sob a perspectiva de um personagem diferente. Poderia ser um recurso arriscado, mas que acaba funcionando por causa da química entre o elenco, e a direção competente de Chaumeil, que acerta ao dosar bem o humor com momentos mais tristes, até chegar ao climax da cena em que JJ faz o seu discurso.

Cenas musicais merecem uma atenção especial sempre. Na verdade, eu costumo dizer que uma boa sequência musical costuma ser um dos critérios mais importantes para a nota final de uma obra – ou em casos mais radicais, posso até dizer que gostei do filme especificamente por tal cena. Logo após uma sequência festiva em que os quatro aspirantes a suicidas dançam ao som de “I Will Survive” (uma ironia tremenda do roteiro, diga-se de passagem), acompanhamos o personagem de Aaron Paul mergulhando no mar e nadando sem parar. Embora tenha apreciado a escolha de “Youth” para embalar o momento, o que torna essa parte especial é a quantidade de significados implícitos presentes. Primeiro, é que o personagem havia acabado de sofrer uma grande desilusão e praticamente ignorou o pacto com seus amigos e investiu numa possível tentativa de suicídio ao testar os limites do seu próprio corpo. Segundo, porque na imensidão do mar, JJ percebe que o mundo é um lugar grande demais, ao passo que o espectador pode refletir sobre o quanto somos impotentes diante essa imensidão. Para piorar a sensação, a sequência inteira é bem escura, para aumentar essa vibe ruim. E terceiro pelo fato da cena se passar no mar, que geralmente representa a limpeza da alma do personagem. JJ toma a decisão de contar a verdade para seus amigos e tentar se revelar de verdade.

Uma Longa Queda é ousado por se arriscar a fazer piada com um tema considerado proibido. Sem ridicularizar a condição do suicida em momento algum, o sucesso do filme está em tentar mostrar que sempre existirá esperança, por pior que seja o momento, maior que seja a dor, encerrar a vida bruscamente não é uma resposta. Citei a cena do discurso de JJ diversas vezes ao longo do texto, e se faço aqui novamente é por saber que ela resume a dor de quem se foi, ou ao menos pensou em ir. Não deixa de ser uma lição de otimismo ver aquilo sendo retratado com tanta beleza e intensidade. E a certeza de que Aaron Paul fez valer o seu ingresso.

poster uma longa queda

 

Tullio Dias

Dizem que sou legal, mas eles estão mentindo só para me agradar. Gosto de Molejo, acho Era Uma Vez no Oeste uma obra-prima, prefiro baixo de quatro cordas do que os de cinco, tenho um MBA de MKT Digital e um curso de Publicidade, não tenho filhos, não tenho um coração, mas me derreto por caipirinhas.