Uma Noite Fora de Série

Desde sempre eu tenho certo preconceito contra filmes curtos. Sei bem que um bom roteiro não precisa de duas horas de ação para se desenvolver e alcançar uma boa conclusão, mas me sinto enganado quando assisto um filme que dura menos de uma hora e meia. Uma Noite Fora de Série é um desses casos. E ao mesmo tempo é uma exceção, já que seus oitenta e dois minutos são o suficiente para impedir um desastre completo no filme do comediante Steve Carell.
Uma Noite Fora de Série é até divertido e tem cenas bem engraçadinhas, mas em momento algum consegue fugir do rótulo de ser uma comédia descartável, daquelas que você não vai sentir falta daqui alguns anos. O diretor Shawn Levy, o mesmo cara responsável por Uma Noite no Museu, ainda não é um Chris Columbus (poderia ter mencionado o John Hughes, mas isso seria sacanagem) do século XXI, mas esta chegando perto. Seus filmes são marcados por essa característica bobinha, quase infantil, de sacadas engraçadinhas em meio a questões muito non-sense. Um bom exemplo é a forma como os dois personagens principais são censurados por terem roubado a reserva de outra pessoa em um restaurante. “Vocês usaram a reserva de outra pessoa? Que tipo de pessoas vocês são?”. Porém, Levy não possui o toque mágico que consagrou Columbus e Hughes. Claro que os tempos são outros e os jovens já não se impressionam tão facilmente, mas não custa ter um pensamento positivo e esperar alguma coisa boa para o futuro.
A história é meio batidinha, mas rende bons momentos. Logo na introdução, a camera segue o movimento dos pés de uma criança que para em frente a cama e pede pelo café da manhã. Logo depois aparece a irmã mais nova que se joga em cima dos pais, que com o relógio marcando as 4h57 são obrigados a se levantar. Tudo isso com trilha sonora do Ramones. Pela cena e a forma como o casal não interage, o que é destacado junto do letreiro com o nome do filme, percebemos que a vida conjugal dos dois não esta nada interessante. O que poderia ser um bom mote (e igualmente batido) é deixado de lado para dar lugar a uma verdadeira sessão de piadas quando o casal começa a ser perseguido por dois sujeitos mal-encarados e se descobrem no meio de uma conspiração.
Destaque para a participação especial do ator James Franco, que rouba a cena nos poucos minutos em que contracena com Steve Carell e a bela Tina Fey. Agora é só esperar pelo próximo filme de Shawn Levy e ter a certeza de que, se depender da tradução brasileira, ele vai ter “Uma Noite” no título.

Tullio Dias

Dizem que sou legal, mas eles estão mentindo só para me agradar. Gosto de Molejo, acho Era Uma Vez no Oeste uma obra-prima, prefiro baixo de quatro cordas do que os de cinco, tenho um MBA de MKT Digital e um curso de Publicidade, não tenho filhos, não tenho um coração, mas me derreto por caipirinhas.