Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Biografia: Vittorio De Sica

O CINEMA DE BUTECO APRESENTA A BIOGRAFIA DE VITTORIO DE SICA:

VITTORIO DE SICA FOI, ANTES DE MAIS NADA, COMO MUITOS DOS GRANDES DIRETORES DA HISTÓRIA, UM ATOR. Nascido em Sora, na Itália, em 1901, De Sica era de família pobre e teve que trabalhar desde cedo para ajudar em casa. Viveu os anos duros de guerra do país, e seu trabalho reflete completamente essas experiências bem como a revolta contra a condição da população e contra o governo italiano. Era também viciado em jogos e não escondia o fato de ninguém. Chegava a projetar seu vício em personagens e a colocar cenas de jogatina em seus filmes. Era católico e comunista (maior parodoxo não há!), casou-se duas vezes e morreu na França aos 73 anos.

- Advertisement -

Ator de teatro, era extremamente treinado e formou sua própria companhia. Ainda adolescente estreou no cinema com Il Processo Clémenceau. Ao longo de sua carreira como ator participou de mais de 150 projetos e ganhou uma indicação ao Oscar por sua atuação em Adeus Às Armas, adaptação da obra homônima de Ernest Hemingway. Toda sua experiência nos palcos e no cinema o fez se tornar um excelente e sensível diretor de atores, atento à modernidade das novas formas narrativas da época e aliando-as aos problemas sócio-econômicos de seu país.

Foi um dos grandes diretores representantes do neorealismo italiano (movimento que influenciou a Nouvelle Vague, a Escola Polonesa de Cinema e o cinema indiano dos anos 50) junto a Lucchino Visconti, Roberto Rosselini, Giuseppe De Santis e Federico Fellini. Sua parceria com o roteirista Cesare Zavattini rendeu bons frutos e juntos fizeram Ladrões de Bicicleta, Umberto D., Vítimas da Tormenta, Duas Mulheres, Milagre em Milão, A Culpa dos Pais, O Jardim dos Finzi Contini, Una Breve Vacanza, Ontem, Hoje e Amanhã, Boccaccio ’70, Os Girassóis da Rússia, O Ouro de Nápoles, O Juízo Universal, O Condenado de Altona, O Teto, Il Boom, Teresa Venerdì, Quado A Mulher Erra, O Fino da Vigarice, As Bruxas, Sete Vezes Mulher e Um Lugar Para Os Amantes. De Sica abriu as portas para o que seria a categoria de Melhor Filme Estrangeiro no Oscar ao ganhar um prêmio honorário por Vítimas da Tormenta.

Favorito de grandes como Ingmar Bergman, Stanley Kubrick, Martin Scorsese, Bernardo Bertolucci, Mira Nair e Woody Allen, De Sica se firmou como um dos maiores diretores de todos os tempos por produzir filmes simplistas e de caráter político, realista, vanguardista, dramático e artístico, que se tornaram cerne do cinema clássico mundial.

Filmografia:
Viagem Proibida (1974)
Una Breve Vacanza (1973)
Lo Chiameremo Andrea (1972)
Os Casais (1970)
O Jardim dos Finzi Contini (1970)
Os Girassóis da Rússia (1970)
Um Lugar Para Os Amantes (1968)
Sete Vezes Mulher (1967)
As Bruxas (1967)
O Fino da Vigarice (1966)
O Mundo Jovem (1966)
Matrimônio À Italiana (1964)
Ontem, Hoje e Amanhã (1963)
Il Boom (1963)
O Condenado de Altona (1962)
Boccaccio ’70 (1962)
O Juízo Universal (1961)
Duas Mulheres (1960)
O Teto (1956)
O Ouro de Nápoles (1954)
Villa Borghese (1953)
Quando A Mulher Erra (1953)
Umberto D. (1952)
Milagre em Milão (1951)
Cuore (1948)
Vítimas da Tormenta (1946)
La Porta Del Cielo (1945)
A Culpa dos Pais (1944)
Recordações de Um Amor (1942)
Teresa Venerdì (1941)
Madalena, Zero em Comportamento (1940)
Rose Scarlatte (1940)

Comentários