Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Cenas de nudez de 2016

– Depois de muito tempo de “enrolação”, a personagem de Rooney Mara finalmente é seduzida por uma experiente Cate Blanchett em sua primeira noite tórrida de amor.

– Leonardo DiCaprio precisa estabelecer uma relação íntima pouco convencional com um cavalo para conhecê-lo por dentro e esquentar o seu próprio corpo. Parece sinopse de filme pornô, mas é o que acontece em O Regresso.

– A personagem de Yvonne Strahovski está de boa relaxando no banho se masturbando e então percebe que está sendo observada por um Adrien Brody praticamente sem ar. Se é que é possível alguém com um nariz daquele tamanho ficar sem ar. Ao invés de gritar com o cara, ela simplesmente convida o sortudo para uma transa selvagem em pé. Essa cena garante Manhattan Night como um dos filmes de suspense que todo mundo deveria assistir esse ano.

– Deadpool tem uma das melhores cenas de nudez/sexo do ano e faz isso abusando do senso de humor, numa clara prova que sexo pode (e deve) ser divertido.

– Michelle Derstine e Sebastian Stan protagonizam a cena de nudez mais engraçada de 2016 na comédia The Bronze. Se você sempre quis saber como seria imaginar dois ginastas transando, bem, agora você sabe.

– Nudes da Olivia Wilde? Todo mundo quer. Todo mundo quer toda hora. Por isso que ela costuma ser presença certa em nossa lista de cenas de nudez. Desta vez, a musa fica sem roupa na série Vinyl, da HBO.

– Para equilibrar a apresentação dramática e misteriosa de Prairie, The OA introduz (no pun intended) o gatinho adolescente Steve como veio ao mundo e em ação, para a alegria da audiência que é #TeamHBO. E pode continuar assistindo, porque tem mais uma cena quente alguns episódios adiante (e porque a série é muito boa). (a cena está por volta dos 15 min do primeiro episódio). (Ivy Leça, do Walking Dead Brasil)

– O que seria um filme de bruxas sem um bando de louca dançando pelada ao redor de uma fogueira? No incrível A Bruxa temos essa essencial cena filmada de uma maneira realmente assustadora, mas que não deixa de ter uma beleza especial.

– O que não faltou em Westworld foi nudez de meninos e meninas. Rodrigo Santoro e Evan Rachel Wood ficaram quase que completamente expostos, mas o grande lance foi ouvir uma música do Nine Inch Nails numa sequência de orgia com corpos dourados. Isso foi sensacional.

– Riley Keough desbancou Westworld e o Nine Inch Nails como responsável pelas melhores cenas de nudez do ano. Na série The Girlfriend Experience (eleita como uma das cinco melhores do ano), a neta do Rei Elvis Presley precisa da nudez para seu trabalho paralelo e o resultado são cenas que podem ser tanto sedutoras quanto desprovidas de qualquer nível de sensualidade – impressionante como a atriz consegue transmitir frieza e insatisfação apenas com o olhar.

Aquarius

Musa máxima do cinema e da teledramaturgia de nosso país, Sonia Braga ainda povoa o imaginário de muita gente. Como não lembrar, por exemplo, da famosa cena de Gabriela em que apanha uma pipa em um telhado? Mas a atriz que vemos em Aquarius é uma mulher madura com um corpo carregando todas as marcas de uma vida cheia de batalhas.

Anomalisa

A manipulação de bonecos para a feitura de um longa geralmente tem uma intenção cômicas. Quanto há um teor sexual então, nem se fale – vide Team America – Detonando o Mundo. O contrário acontece no melancólico Anomalisa, em que uma transa entre os personagens dublados maravilhosamente por David Thewlis e Jennifer Jason Leigh ressoa delicada e inesquecível.

https://www.youtube.com/watch?v=536w4jZ-hQg

Meu Amigo Hindu

Neste canto do cisne de Hector Babenco, o tom autobiográfico sofre uma interferência direta do cinema de Federico Fellini, com todo aquele universo do artist em crise cercado de musas inspiradoras. O registro por vezes soa um tanto misógino, mas nada que apague o encanto em ver as formas de Bárbara Paz sob a chuva tempestuosa enquanto dança ao som de Singing In The Rain.

 

A Despedida

Hoje com 75 anos, Nelson Xavier é um veterano que ainda se permite a novos desafios como intérprete. Em A Despedida, vive um personagem com 92 anos, permitindo que o seu corpo frágil seja explorado em seus mínimos detalhes. Um contraste com a vitalidade de Juliana Paes, também comovente em sua entrega como uma paixão do protagonista.

Bem-vindos ao Meu Mundo

Ao estourar com Missão Madrinha de Casamento, Kristen Wiig poderia muito bem seguir uma trajetória óbvia de estrela do primeiro time de Hollywood. Felizmente, a sua predileção é por desafios, encarnando papéis dramáticos com a mesma naturalidade com a qual nos faz gargalhar. O seu nu frontal em Bem-vindos ao Meu Mundo funciona perfeitamente como uma fusão desses dois extremos que compõem o seu ilimitado repertório.

Avenida

É triste assistir hoje Avenida sem associar o grande desempenho dramático de Robin Williams com a sua trágica morte em agosto de 2014. De qualquer modo, isso deve potencializar a experiência desse relato de um homem que, pela primeira vez, passa a questionar uma orientação sexual sufocada pelas convenções, algo que surge a partir de sua proximidade com o personagem de Roberto Aguire, Leo, um garoto de programa.

Que Viva Eisenstein! – 10 Dias que Abalaram o México

Vivido com efeverência por Elmer Bäck, o Sergei Eisenstein do britânico Peter Greenaway parece uma caricatura perdida em um filme LGBT, expondo sem reservas o seu corpo nu como se reforçasse a sua personalidade conflitante com padrões estabelecidos. Por vezes soa como um disfarce, como acontece ao ser confrontado sexualmente pelo seu guia mexicano interpretado por Luis Alberti.

Terra Estranha

Nicole Kidman é uma atriz que adora mergulhar em papéis arriscados, deixando a responsabilidade pelo êxito de um projeto nas mãos de seu diretor. Feito por Kim Farrant, o australiano Terra Estranha é um grande desapontamento, o que não impede de prestigiarmos Nicole vivendo outra vez uma mulher complexa, atingindo o êxtase de sua desorientação ao caminhar nua (e com truques digitais, é verdade) causando a mesma devastação de uma tempestade de areia.