Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Cinebiografias Musicais Mais Aguardadas

Cinebiografias Musicais - Jeff Buckley

Do palco das grandes arenas e estádios para as telas de cinema: Somos Tão Jovens, a super aguardada cinebiografia de Renato Russo, vocalista da Legião Urbana, reacendeu uma velha discussão e animou os sonhos daqueles que amam tanto o cinema quanto a música. Será que vai demorar muito para estrear um filme que conte de verdade como foi a vida de Janis Joplin, Jimi Hendrix, Kurt Cobain ou mesmo do Rei Roberto Carlos?

Para os fãs, é um crime ficar assistindo aos estúdios queimando dinheiro em franquias tolas, infantis e completamente descartáveis. Várias vezes ouvi um amigo choramingando porque nunca teria a chance de assistir a “verdadeira” história da banda nacional Secos e Molhados no cinema, que Ney Matogrosso merecia um filme urgentemente, que Elis Regina precisa de mais uma homenagem, entre vários outros nomes da música que renderiam um roteiro incrível, isso ignorando aquelas passagens mais espinhosas e que provavelmente ficarão sempre guardadas na memória de quem viveu na época e teve a oportunidade de ver tudo de pertinho.

- Advertisement -

Eu e o Julyano Abnner reunimos 10 artistas que não apenas merecem ganhar um filme, e cujas cinebiografias já estão em produção e deverão estrear muito em breve. Claro que deixamos de mencionar alguns títulos, como a adaptação da vida de Nina Simone, Miles Davis, por exemplo, mas o espaço está aberto para a sua participação e para a gente lembrar de outros filmes que também deverão chegar pelos próximos anos:

[Nota do editor: post atualizado em 12/07/2015]

Queen

Sem dúvida se trata de uma das cinebiografias musicais mais esperadas de todos os tempos, e não é para menos: os fãs não aceitarão qualquer coisa se tratando de levar a vida do vocalista do Queen para os cinemas. A notícia mais recente indicava que Stephen Frears (A Rainha) não seria mais o diretor do longa-metragem, e que Tom Hooper (O Discurso do Rei e Os Miseráveis) era um dos nomes mais cotados para assumir a missão. Considerando que Hooper é uma das maiores enganações surgidas em Hollywood nos últimos anos, é melhor os admiradores de Mercury se prepararem para uma obra que dificilmente será capaz de superar as nossas expectativas. Uma pena. Após Sacha Baron Cohen abandonar o projeto, Ben Whishaw assumiu o papel principal.

Jeff Buckley

O cantor inspirou artistas como Bono Vox, Thom Yorke, Matt Bellamy, Alanis Morissette, Chris Martin, e eu poderia citar uma infinidade de outros nomes. Morto precocemente enquanto nadava num rio no Mississipi, cantarolando “Whole Lotta Love”, do Led Zeppelin, como diz a lenda, Buckley rendeu dois longas. O primeiro deles é Greetings From Tim Buckley, cujo roteiro é uma mistura de realidade com ficção, abordando os primeiros passos de Jeff na carreira musical. Já o segundo longa metragem, Mystery White Boy, permanece um mistério. Demorou muito tempo para qualquer obra cinematográfica relacionada a Jeff Buckley saísse das gavetas, mas parece que os fãs não terão do que reclamar pelos próximos anos.

Tim Maia

Se existe uma personalidade da música brasileira que mereça uma cinebiografia, além do Ney Matogrosso, é o famoso síndico. A adaptação do livro Vale Tudo – O Som e a Fúria de Tim Maia, de Nelson Motta, sofreu diversos atrasos, mas parece que começará a ser rodada ainda no mês de maio. O galã Cauã Reymond e Alice Braga estão confirmados no elenco do filme dirigido por Mauro Lima (Meu Nome Não é Johnny). Tim Maia será interpretado por dois atores: Robson Nunes e Babu Santana. Curioso é que Tiago Abravanel, tão elogiado por sua atuação no musical sobre o cantor, acabou não passando no teste para o filme. A estreia está prevista para 2014. Alguém tem alguma dúvida que poderá ser um dos filmes do ano?

Nirvana

Ok, a gente sabe que Gus Van Sant dirigiu Os Últimos Dias tentando homenagear o Kurt Cobain, mas não é a mesma coisa de ter um longa-metragem que REALMENTE fosse uma cinebiografia da maior banda surgida nos últimos 20 anos. Existem diversos rumores sobre uma possível adaptação do livro Mais Pesado Que o Céu, de Charles Cross, mas não há nenhuma informação concreta a respeito por enquanto. A viúva maluca Courtney Love chegou a declarar que achava Scarlett Johansson como a escolha perfeita para o seu papel. Ryan Gosling chegou a ser cotado para interpretar o vocalista. E não custa lembrar que Dave Grohl brincou uma vez dizendo que Shelley Duvall, de O Iluminado, seria o “Dave Grohl” perfeito no cinema. Sim, provavelmente o Nirvana deveria ter ficado de fora da lista, mas sabe como é…

Jimi Hendrix

Desde que “Hey, Ya!” explodiu nas rádios e na MTV há uns bons 10 anos, ninguém conseguia mais pensar num intérprete melhor para Jimi Hendrix. E não deixa de ser uma bela curiosidade saber que André 3000 já filmou todas as suas cenas para All Is By My Side, cinebiografia que está prevista para ganhar as telas ainda em 2013. Assim como no longa-metragem Greetings From Tim Buckley, o espólio do cantor não liberou os direitos de suas músicas, ou seja, o espectador só poderá ouvir as covers que Jimi tocava. Mas não se preocupe: o filme abordará apenas o começo da carreira do guitarrista e a ausência de grandes clássicos não deverá fazer muita falta. Pelo menos é o que a gente espera.

https://www.youtube.com/watch?v=TLV4_xaYynY

Jaco Pastorius

Considerado como o homem que revolucionou o baixo elétrico, a vida de Jaco poderia render um belo roteiro. A carreira do genial baixista foi assombrada por um consumo abusivo de drogas e bebidas. Bipolar, com crises de depressão e síndrome do pânico, o final trágico de Pastorius aconteceu logo após um show do guitarrista Carlos Santana, quando se envolveu em uma briga com um segurança e levou tanta porrada que entrou em coma. Uma curiosidade: Pastorius utilizava um baixo Fender Precision 62 que ficou perdido durante anos. O instrumento conhecido pelos fãs como “Bass of Doom” foi encontrado mais de 20 anos depois pelo também baixista Robert Trujillo, do Metallica. Aliás, Trujillo é um dos responsáveis pelo financiamento de um aguardado documentário sobre a carreira de Pastorius. Que Hollywood não demore para perceber o potencial aqui.

Mamonas Assassinas

Depois do fraco documentário Mamonas Para Sempre, muita gente imaginou que aquilo seria o máximo de cinema que faria parte do legado do cometa Mamonas Assassinas, uma das recordações mais bonitas da infância da maioria de nós. A surpresa é que parece que a Fox comprou os direitos autorais da trajetória da banda e promete lançar um longa-metragem muito em breve. Vale dizer que o documentário que chegou aos cinemas há alguns anos estava planejado para ser uma obra de ficção, mas o cineasta responsável mudou de ideia e preferiu aproveitar o material de arquivo para tentar emocionar os eternos orfãos dos Mamonas.

Anthony Kiedis e o Red Hot Chili Peppers

O empolgado vocalista do Red Hot Chili Peppers comeu o pão que o diabo amassou durante sua infância. Kiedis conta boa parte da sua história na autobiografia Scar Tissue, lançada em 2004 e lançado no ano seguinte no Brasil pela editora Ediouro. Em 2011, os direitos do livro foram comprados pela HBO e posteriormente passaram para o FX. No entanto, não crie muita expectativa para ver um longa-metragem, já que os planos são para uma série televisiva. Diz a lenda que na primeira vez que Kiedis cheirou uma carreira de cocaína, ele estava acompanhado do pai. Foram muitos anos lutando contra o vício, enquanto o Red Hot Chili Peppers crescia e se tornava uma das bandas mais queridas de todos os tempos, inclusive pelo público brasileiro. Confesso que apesar de imaginar uma bela história de sucesso entre os trancos e barrancos, gostaria muito mais de um filme centrado apenas nas origens da banda, assim como aconteceu no excelente documentário Pearl Jam 20, de Cameron Crowe. Quem sabe um dia?

Janis Joplin

Janis Lyn Joplin nasceu em 19 de janeiro de 1943, e era considerada por muitos a rainha do rock and roll. Ainda hoje, milhões de pessoas ouvem suas músicas e acaba se juntando a outros músicos do clube dos 27 (grandes intérpretes que morreram aos 27 anos) e ganha sua cinebiografia. Antes dela, Brian Jones, membro fundador do grupo Rolling Stones foi retratado em Stoned – A história secreta dos Rolling Stones; Kurt Cobain em Last Days; Jim Morrison em The Doors – O filme. A cantora, agora, é tema de dois filmes em desenvolvimento, um deles e o que parece ser mais interessante é intitulado Janis Joplin: Get It While You Can, com direção de Lee Daniels (Preciosa) e com Amy Adams no papel da cantora. Outros possíveis no elenco são: Zooey Deschanel, Renee Zellweger e até o cantor brasileiro Seu Jorge, que provavelmente interpretará outro membro do clube dos 27, Jimi Jendrix. O segundo filme que será lançado nos próximos anos sobre Joplin é assinado pelo diretor Sean Durkin (Martha Marcy May Marlene). Fora inicialmente chamado de Janis, e conta com Nina Arianda (Meia-Noite em Paris) no papel da cantora. O filme ainda está em fase de pré-produção e ainda não foram divulgadas as datas de início das filmagens. (Julyano Abnner)

Calypso

O longa-metragem Isto é Calypso está causando polêmica muito antes de começar a ser rodado. Tudo isso porque a cinebiografia do projeto musical criado pelo casal Chimbinha e Joelma recebeu o sinal verde do Ministério da Cultura para a captação de mais de R$ 10 milhões para a produção. Independente dos absurdos dos bastidores ou dos preconceitos que muitos têm contra a banda, é inegável o fato de que existe mesmo uma boa história de vitória e superação para contar. Chimbinha passou por tanto aperto na vida que ficou até com uma mecha permanente branca na franja. Sua história rendeu artigos (coisa séria mesmo) em diversas publicações estrangeiras, que reconheceram todo o esforço do cantor para conseguir transformar o Calypso em um fenômeno da música popular brasileira.

Cinebiografias Musicais - Joelma Calypso



[cinco]