Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Filmes Com Cabeleireiro

nascido para matar
O Cinema de Buteco retoma para celebrar mais uma data comemorativa que costuma passar batida no meio dos outros sites de cinema. Depois de dar uma força para os corretores de seguros, nós nos sentimos obrigados a parabenizar os cabeleireiros de todo o Brasil e de toda a história do cinema. O dia 3 de novembro é todinho de vocês.

Nossa lista não se concentrou apenas em grandes cabeleireiros, mas também em produções que envolvam cenas de gente cortando o cabelo de algum personagem ou que o cabelo é crucial para a história. Deixe os seus comentários dizendo quais filmes faltaram e os seus favoritos.


Shampoo

- Advertisement -

shampooLançado em 1975, numa época em que o machismo imperava e os gays eram vítimas de piadinhas o tempo inteiro, Shampoo brinca com a ideia de que todo cabeleireiro é homossexual. O galã Warren Beatty interpreta um cabeleireiro mulherengo que se aproveita da fama da profissão para comer as esposas dos homens bobões que fazem uma ideia errada dele. Esse é um filme bem indicado para os machões que se sentem seguros com os amigos da namorada só porque eles entendem de astrologia… Fiquem espertos, palhaços: Warren Beatty mostra a realidade para vocês!

O personagem de Beatty foi inspirado em Jay Seabring, uma das vítimas da seita do assassino Charles Manson, ao lado da atriz Sharon Tate, em 1969.

Tullio Dias


Cosmópolis

cosmopolis posterTudo que o Robert Pattinson queria em Cosmópolis, de David Cronenberg, era cortar o cabelo. Baseado num livro de Don DeLillo, a trama apresenta um milionário que passa o dia inteiro dentro da sua luxuosa limousine, que funciona como seu escritório para reuniões com seus funcionários e como motel, para os encontros com suas amantes.

Como é de costume se tratando dos filmes do diretor, é certo que coisas estranhas e confusas irão acontecer cedo ou tarde. Como se não bastasse toda a parafernália tecnológica da limousine de Packer, o filme se desenvolve a partir das várias pessoas que entram dentro do carro para terem reuniões com o jovem milionário. É louvável o cuidado que Cronenberg e sua equipe tiveram para preservar a essência da obra original. Há algumas mudanças, claro, mas os mínimos detalhes estão presentes (como as cores vermelhas no cabelo de um dos assistentes de Packer) e sob a câmera astuta e onipresente do diretor, tudo é destacado. Inclusive o clima sufocante da narrativa ganha o reforço da ausência de trilha sonora e os closes constantes nos rostos dos atores.

Tullio Dias


Zohan – O Agente Bom de Corte

dont-mess-zohan-poster-2Com direção de Dennis Dugan e roteirizado por Judd Apatow, a comédia Zohan – O Agente Bom de Corte é altamente tosca, com piadas idiotas, humor infantil, e com Adam Sandler no elenco. Zohan é um cara que não consegue emprego em nenhum salão até que começa a incluir um pequeno agrado sexual para clientes de todas as idades, o que torna o rapaz uma sensação na cidade.

Tullio Dias


Edward Mãos-de-Tesoura

poster-cartaz-edward-mos-de-tesoura-2_MLB-O-139951288_6545O que você faria se tivesse lâminas no lugar dos dedos? Taí uma pergunta que pouca gente se faz, mas que Tim Burton respondeu com louvor nesta fábula frankensteiniana estrelando (quem mais?) Johnny Depp. Apesar de deixar todo mundo de cabelo em pé à primeira vista, Edward evita o caminho fácil da sanguinolência e usa sua anatomia pouco ortodoxa para esculpir dinossauros em arbustos, tosar poodles cor-de-rosa e criar verdadeiras obras de arte nos cabelos de madames. Quando lhe surge a oportunidade de abrir seu próprio salão e escrever seu nome nos anais da história capilar mundial, Edward leva uma tesourada do roteiro e as coisas começam a dar errado pro seu lado. Anos depois, Burton e Depp fariam outro filme que pode ser até considerado uma sequência informal dessa história…

Lucas Paio


Sweeney Todd: O Barbeiro Demoníaco da Rua Fleet

sweeney_todd_ver6Barba, cabelo e bigode com direito a empadão de brinde.
Johnny Depp encarna o barbeiro/açougueiro Benjamin Barker que, após passar 15 anos na prisão, decide voltar e buscar vingança usando o codinome Sweeney Todd. Baseado no musical da Broadway de mesmo título, o filme vai te fazer pensar duas vezes antes de pagar R$8,00 para o seu barbeiro descer a navalha na sua barba.

Joubert Maia


Nascido Para Matar

poster full metal jacketGoodbye, my darling, hello Vietnam.
Se você pensa que a guerra é feia, deveria ver a cara dos recrutas na cena introdutória de Nascido Para Matar, quando um barbeiro mostra toda a sua habilidade ao raspar as belas madeixas de cada um deles os deixando preparados para a guerra. Isso tudo rolando ao som da canção country “Hello Vietnam”. Nascido Para Matar não poderia ficar de fora desta lista pois não fosse o barbeiro em questão não haveria nenhum recruta, consequentemente nenhuma guerra e se seguirmos o raciocínio lógico, não teríamos sequer o filme de Stanley Kubrick.

Joubert Maia


O Grande Ditador

poster o grande ditadorA boa comédia é um balé: exige movimentos corporais muito bem ensaiados para que pareça espontânea. Buster Keaton e Charles Chaplin foram os precursores que nos mostram isso muito bem.

Chaplin usa a dança para fazer graça em todos os seus grandes filmes, dos pãezinhos que viram sapatos em Em Busca do Ouro à única parte falada de Tempos Modernos (além da bela cena da engrenagem). E não foi diferente com O Grande Ditador, provavelmente o seu melhor filme, pela ousadia em se combater um regime desumano através da sátira com cenas tão belas, com Hinkel (seu Hitler) brincando com um globo e com a cena na qual o barbeiro judeu navalha (no bom sentido) o rosto de seu cliente ao som de música clássica, com muita maestria.

Despois dessa, você ainda culpa seu avô por sempre falar que vai ao barbeiro em vez de cabelereiro?

Larissa Padron

Clique aqui para assistir.


V de Vingança

poster v de vingançaNem sempre de cenas glamorosas vivem os cabelereiros do cinema. Às vezes eles também são contratados para os momentos Carolina Dieckmann, aqueles no qual a mocinha vai chorar desesperadamente enquanto perde os cabelos ao som de “Love By Grace” (ops, esquece essa parte da música). Evey, a personagem de Natalie Portman em V de Vingança, passou por isso ao aprender sobre a revolução por meio de um sequestro. A aplicada atriz realmente cortou os seus cabelos em frente a câmera.

Larissa Padron


Os Miseráveis

Os Miseráveis CartazQuem também fez isso e se superou por ganhar um Oscar por 20 minutos em cena foi Anne Hathaway, a Fantine, na última versão de Os Miseráveis, de Tom Hooper. Mesmo com o estranho gosto do diretor em focalizar todas as obturações da atriz enquanto ela perdia seu cabelo e as cordas vocais, dando uma de Susan Boyle e cantando “I Dreamed a Dream” lindamente.

Larissa Padron


Sansão e Dalila

sansaoA clássica história bíblica já ganhou diversas adaptações para o cinema, desde um filme mudo austríaco de 1922 até uma recente versão com aborígenes australianos. A mais famosa foi dirigida pelo megalomaníaco Cecil B. DeMille em 1949, com Victor Mature no papel do fortão cabeludo e Hedy Lamarr como a bela que doma a fera cortando-lhe as madeixas que lhe davam superforça (uma metáfora nada sutil para outra parte do corpo que ela poderia ter cortado fora). Pobre Dalila: só teve um corte em seu currículo de cabeleireira, e o freguês não ficou nada satisfeito…

Lucas Paio

[cinco]