Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Filmes Nacionais Baseados em Livros

dia nacional do livro

No dia 29 de outubro de 1810, a Real Biblioteca Portuguesa foi transferida para o Brasil, o que ocasionou na fundação da Biblioteca Nacional. A data é lembrada como o Dia Nacional do Livro. O Cinema de Buteco é formado por pessoas completamente apaixonadas por literatura e seria um verdadeiro pecado deixar o dia passar em branco. Pensando nisso, a nossa querida Larissa Padron cantou a bola para selecionarmos uma pequena lista com alguns filmes nacionais baseados em livros.

Boa leitura.


- Advertisement -

Meu Pé de Laranja Lima

poster meu pe de laranja lima

Toda escola, pública ou particular, obriga os pequenos todos a lerem Meu Pé de Laranja Lima, de José Mauro de Vasconcelos. Dessa forma, há 45 anos, as crianças de todas as idades já tem um imaginário bem formado sobre o livro.

Por isso, alguns pecados a parte, Marcos Bernstein foi feliz em sua adaptação homônima do livro, lançada nos cinemas no ano passado e que traz o simpático garoto João Guilherme Ávila como Zezé, um garoto que está descobrindo a magia e a incompreensão do que é crescer, enquanto se aproxima do seu vizinho Portuga (interpretado pelo sempre ótimo José de Abreu).

Larissa Padron


O Menino Maluquinho

poster menino maluquinho

“Era uma vez um menino maluquinho, que tinha o olho maior que a barriga, fogo no rabo, ventos nos pés e macaquinhos no sótão”. A obra de Ziraldo é uma ótima pedida tanto para as crianças maluquinhas quanto para os adultos malucões que ainda se lembram de quando se escalavraram nos paralelepípedos e rasgavam os fundilhos no arame da cerca. Foram duas adaptações para o cinema, ambas estreladas por Samuel “Que Fim Levou?” Costa. Menino Maluquinho – O Filme, de 1995, foi dirigida pelo consagrado Helvécio Ratton, enquanto a sequência Menino Maluquinho 2 – A Aventura (1998) foi a estréia em longas de ninguém menos que Fernando Meirelles.

Lucas Paio


Nome Próprio

poster nome proprio

Adaptação de Máquina de Pinball (2002) da escritora Clarah Averbuck, o filme mostra uma heroína sem auto-estima, sem lar e sem noção. Estrelado por Leandra Leal, a obra mostra toda a jornada irresponsável de uma jovem em busca do seu lugar ao sol. Obra obrigatória para todo mundo que se aventura no mundo dos blogs escrevendo ficção e sonha em ter o devido reconhecimento.

Tullio Dias


Bruna Surfistinha

poster bruna surfistinhaO que nós assistimos em Bruna Surfistinha é apenas mais um conto de fadas distorcido, onde uma menina pobre e insegura vai lutando para superar as dificuldades e encontrar o seu lugar ao sol. Acho que o público fica entediado por ano após ano ser obrigado a assistir filmes com temas tão parecidos, clichês e que raramente oferecem alguma coisa diferente. No caso desse filme, o ponto positivo (e diferencial) é a nudez constante de Deborah Secco. Deveria ser o suficiente, especialmente para os meus padrões, mas não é.

O livro é interessante, mas o filme deixa muito a desejar e abafa completamente a essência de toda a história real da ex-profissional do sexo chamada Raquel Pacheco. Independente das linguagens literária e cinematográfia serem distintas, o filme depende exclusivamente da performance (e nudez) de Secco para se sustentar.

Tullio Dias


O Invasor

poster o invasor

Baseado no livro homônimo de Marçal Aquino (que também escreveu o livro que deu origem ao longa-metragem Eu Receberia as Piores Notícias dos seus Lindos Lábios, com Camila Pitanga), O Invasor é “apenas” um dos melhores filmes nacionais já produzidos. A produção marcou a estreia do cantor Paulo Miklos (Titãs) e da atriz Mariana Ximenes no cinema. A direção é de Beto Brant.

Miklos interpreta um assassino chamado Anísio, que é contratado por dois empresários para matar um sócio que estava atrapalhando os planos da empresa. O que os dois não imaginavam era que Anísio acabaria se envolvendo profundamente com a vida de ambos.

Tullio Dias


Cão Sem Dono

poster cao sem dono“Cão Sem Dono é uma história de amor nua e crua. Difícil de aceitar. Logo de cara temos uma cena de sexo, daqueles que acabaram de se conhecer. Uma conversa seca, uma falta de interesse, só. Marcela se expõe a Ciro. Corre atrás, pede telefone, demonstra sentimento. É uma sonhadora, quer viajar, conhecer o mundo, conhecer pessoas, se relacionar, ser modelo internacional. Ciro não. Acabou de se formar em Letras, é um anti-social e não sabe o que quer. Não encontrou seu lugar, e acha que sonhar é um erro tolo.” – Leia a crítica completa de Flávia Andrade.

Baseado num livro de Daniel Galera, um dos nomes mais interessantes da nova geração de escritores nacionais. O título original da obra é Até o Dia em Que o Cão Morreu.


Tropa de Elite

poster tropa de elite

O maior fenômeno do cinema nacional talvez deva o seu sucesso à pirataria. Tropa de Elite consagrou o cineasta José Padilha e o ator Wagner Moura. O roteiro de Bráulio Mantovani é inspirado no livro A Elite da Tropa, escrito por dois policiais militares decididos a compartilhar um pouco mais da corporação. Em um raro caso em que o filme é melhor que o livro, Tropa de Elite entrou facilmente na vida da população brasileira, que rapidamente incorporou seus diversos jargões.

Uma sequência (superior) foi lançada em 2010. Desta vez, sem nenhuma cópia pirata sendo distribuída previamente nos camelôs do país.

Tullio Dias


Cidade de Deus

poster cidade de deus
O principal desafio de Bráulio Mantovani ao receber o calhamaço de páginas que é o livro Cidade de Deus, foi, com certeza, resumir a história de uma sociedade complexa em poucos personagens e duas horas. A obra de Paulo Lins não é a história simplesmente do tráfico ou de um protagonista. É a transcrição de uma época, um tratado quase sociológico sobre como o pobre se vê. O livro é quase tão ou mais indispensável que o filme. A brilhante adaptação de Mantovani deixou muito fácil o trabalho do diretor Fernando Meirelles.

Daniel Corrêa (Tenho Mais Discos Que Amigos)


O Cheiro do Ralo

poster o cheiro do ralo

Com direção de Heitor Dhalia e estrelado por Selton Mello, o escritor Lourenço Mutarelli estreou nos cinemas com a adaptação de O Cheiro do Ralo. A trama, hilária, conta a história de um sujeito que compra e vende objetos usados de pessoas passando necessidades financeiras. As negociações sempre acontecem no escritório do personagem de Mello, que em todas as oportunidades tenta se justificar pelo cheiro horroroso que vem do seu banheiro.

Em 2013, o livro A Arte de Produzir Efeito Sem Causa ganhará uma adaptação para o cinema com direção de Marco Dutra e a cantora Sandy no elenco. O título original foi substituído por Quando eu Era Vivo e a previsão de estreia é para janeiro.

Tullio Dias


Lavoura Arcaica

poster lavoura arcaicaProtagonizado por Selton Mello, Lavoura Arcaica é adaptado do livro de mesmo nome do escritor Raduan Nassar. André, vive com sua família em uma fazenda, de onde tiram seu sustento. A família é muito religiosa, e o pai, muito conservador e controlador. Apesar do amor incondicional que André recebe dentro de casa, ele não é satisfeito com esta criação. E já perturbado por sentir um amor, uma paixão incontrolável por sua irmã Ana, ele resolve sair de casa.

O filme é muito forte. Os diálogos atingem em cheio quem assiste. André é um jovem muito reflexivo. Sempre sabe bem o que está dizendo. Tenta entender cada mistério da vida, cada tragédia que lhe acontece, cada sentimento que lhe atinge. Rebelde, angustiado. Mas essa rebeldia, parece ter como explicação o amor proibido por Ana. Cada detalhe precisa ser bem observado, bem interpretado, principalmente as atitudes e palavras de André.

Thaynara Faleiro


Vidas Secas

poster vidas secasComemorando 50 anos de seu lançamento e laureado até hoje como um dos melhores filmes de todos os tempos, Vidas Secas é uma das mais brilhantes adaptações literárias já feitas no Brasil. Injustamente esquecida, a história da família de Fabiano, da cachorra Baleia e do pobre papagaio que morre no início parece ganhar mais aspereza e dor ao ser retratada de uma forma tão realista pela câmera de Nelson Pereira dos Santos e pela fotografia impecável de Luiz Carlos Barreto. Filmado inteiramente no sertão, o filme exige do espectador resistência física, porque parece levá-lo na mesma jornada de seus personagens. Vidas Secas é considerado por muitos especialistas o marco zero do Cinema Novo e foi uma das inspirações para Deus e o Diabo na Terra do Sol, de Glauber Rocha. O livro de Graciliano Ramos é tido como a obra-prima do neorrealismo brasileiro e, lançado em 1938, é infelizmente até hoje é um retrato atual de uma região esquecida do Brasil.

Daniel Corrêa (Tenho Mais Discos Que Amigos)


O Xangô de Baker Street

poster O Xangô de Baker Street

Jack, o Estripador toca o terror no Rio de Janeiro enquanto Sherlock Holmes tenta desvendar o sumiço do violino de D. Pedro II e Watson inventa a caipirinha. O best-seller de Jô Soares é uma salada de referências, misturando literatura policial inglesa, teatro francês e História brasileira a serviço da comédia. A adaptação cinematográfica de Miguel Faria Jr. não é nenhuma obra-prima, mas faz jus ao espírito da obra e recria com competência algumas das melhores cenas do livro. O português Joaquim de Almeida vive o detetive britânico, Maria de Medeiros faz a atriz francesa Sarah Bernhardt, Cláudio Marzo se esconde debaixo das barbas do imperador e as musas Letícia Sabatella e Cláudia Abreu completam o elenco.

Lucas Paio


Ensaio Sobre a Cegueira

poster ensaio sobre a cegueiraApesar de não ter conquistado boa parte do público e da crítica, Ensaio sobre a Cegueira, de Fernando Meirelles, conseguiu algo muito mais difícil para um filme adaptado de um clássico da literatura: conquistar o escritor. E não qualquer escritor, mas o vencedor do Nobel de Literatura, José Saramago.

Com a difícil tarefa de passar para a tela a angústia de um dos livros mais “sem respiro” que existe, Meirelles conseguiu criar a densa atmosfera necessária para a história da sociedade que enfrenta o caos por perder a visão de repente, não apenas através de uma boa direção e fotografia, mas também pela escolha de um elenco excelente.

Larissa Padron

[cinco]

Comentários