Filmes online #7: 5 recomendações para você assistir na Netflix

A Netflix tem diversificado seu catálogo com produções de décadas atrás, mas sem deixar de produzir novos e relevantes títulos. Além disso, o serviço de streaming tem ajudado bastante na descoberta de produções concebidas fora de Hollywood.

Essas indicações foram escolhidas no mês de setembro, então vale lembrar que há o risco de alguns títulos serem removidos do catálogo.

Fisrt, They Killed My Father (Idem, Angelina Jolie, 2017)

Angelina Jolie mostra, mais uma vez, sua competência como cineasta. Em 1975, a pequena Loung Ung levava uma vida privilegiada e feliz, ao lado da família, no Camboja. Mas isso acaba quando o país é tomado pelo sanguinário regime do Khmer Vermelho. A família toda é submetida a trabalho forçado e condições que os levam a perda da identidade, fome e humilhação.

Sobreviver se torna cada vez mais difícil, e decisões extremas são tomadas na esperança de superar este triste episódio da história do Camboja. Baseado no livro de Loung Ung, First, They Killde My Father é um daqueles filmes que nos deixam indignados com tanta maldade no mundo, enquanto torcemos pela doce e brava protagonista. (Graciela Paciência)

Nocturama (Idem, Bertrand Bonello, 2016)

Dirigido por Bertrand Bonello (Saint Laurent), Nocturama causou polêmica ao ser recusado pelo Festival de Cannes de 2016. O motivo? Na opinião dos organizadores, o filme faz apologia ao terrorismo, isso porque conta (de forma cool), a história de um grupo de adolescentes que, cansados da sociedade em que vivem, planejam ataques terroristas na cidade de Paris.

Mas, definitivamente, não é o caso. O diretor se aprofunda ao tentar entender o vazio existencial que leva jovens “comuns” a cometerem atos terroristas. E isso nos traz uma obra cheia de metáforas e que propõe discussões.

Nocturama é audacioso, visualmente impactante e ainda conta com a participação de jovens atores franceses da nova geração, entre eles Rabah Nait Oufella (Raw) e Adèle Haenel (A Garota Desconhecida), ou seja, é imperdível. (Marcelo Palermo)

Um Contratempo (Contratiempo, Oriol Paulo, 2016)

Adrian Doria acorda em um quarto de hotel e vê que Laura, sua amante, foi assassinada. Imediatamente, ele se torna o único suspeito, e contrata uma advogada renomada para tentar provar sua inocência. Para isso, ele precisar relatar, em detalhes, o que aconteceu desde que ele e Laura deixaram de se encontrar.

Cada detalhe importa nesta narrativa, que revela, aos poucos, a perversidade de seus personagens e a persistência de quem passa por uma perda irreparável. Destaque para a magnífica interpretação de Bárbara Lennie, no papel de Laura. Ela consegue passar a aflição e inteligência da amante de Adrian. (Graciela Paciência)

Sexo, Mentiras e Videotape (Sex, Lies, and Videotape, Steven Soderbergh, 1989)

Este clássico de 1989 continua atual nos dias de hoje, isso porque aborda temas muito discutidos na sociedade, como sexo, feminismo e o casamento.

Ann (Andie MacDowell) é uma dona de casa sexualmente reprimida que tem sua vida mudada com a chegada de um amigo de seu marido, um fetichista, Graham, interpretado por James Spader.

Inovador, engraçado e um interessantíssimo estudo comportamental, é incrível pensar que Sexo, Mentiras e Videotape foi o primeiro longa dirigido por Steven Soderbergh, hoje consagrado e responsável por filmes como Erin Brockovich, Contágio e Onze Homens e um Segredo. Vale lembrar que o filme ainda ganhou a Palma de Ouro no Festival de Cannes daquele ano. (Marcelo Palermo)

Neve Negra (Nieve Negra, Martin Hodara, 2017)

Marcos e Laura viajam até a Patagônia para reencontrar Salvador, irmão de Marcos. A intenção é conversar com ele sobre a venda da propriedade que pertence à família, incluindo uma irmã que vive em um hospital psiquiátrico.

Os traumas de infâncias continuam presentes e podem tornar tudo muito mais difícil. Enquanto Marcos e Laura tentam resolver as coisas para que o bebê que esperam nasça em condições tranquilas, Salvador deixa evidente que não esqueceu o passado e a morte do irmão caçula, durante uma caça.

Tudo se revela aos poucos, e o filme guarda algumas surpresas até mesmo nos últimos minutos. (Graciela Paciência)

 

 

Graciela Paciência

Graciela Paciência nasceu e cresceu em São Paulo. Por muito tempo acreditou que seu futuro estivesse na direção de videoclipes, mas agora prefere gastar seu tempo livre no cinema, em frente à TV ou na companhia de um bom livro. Gosta de Stephen King, clássicos e cinema europeu. Suas metas de consumo estão (quase) sempre atrasadas, mas o importante é seguir em frente.