Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Principais surpresas do cinema em 2017: Filmes que surpreenderam!

Tradições são coisas que nós levamos à sério no Cinema de Buteco. Desde 2013, o amigo Marcelo Seabra, do blog O Pipoqueiro, divide conosco suas maiores decepções e surpresas no mundo do cinema.

Tudo começou como uma lista inocente e despretensiosa, mas que naquele ano de 2013 causou o maior rebuliço com leitores pirando o cabeção e querendo encomendar a nossa morte. Como somos pessoas ousadas e corajosas, estamos aqui mais uma vez e convidamos você para fazer parte dessa discussão.

Nota do editor:  A lista de Principais Surpresas e a lista de Principais Decepções são baseadas na opinião de dois críticos que foram ao cinema com expectativas prévias em relação aos filmes mencionados, e acabaram surpreendidos de uma maneira positiva ou negativa após assisti-los. De maneira alguma, as listas citadas representam os “melhores” ou os “piores” filmes do ano.

- Advertisement -

Conheça agora as principais surpresas do cinema em 2017, por Marcelo Seabra:

Mulher-Maravilha

Depois de três fracassos consecutivos, ninguém esperava muita coisa da DC. Curiosamente, a redenção vem com aquela que historicamente é considerada a personagem mais fraca – em termos comerciais – da chamada Trindade da DC. Mulher-Maravilha (Wonder Woman, 2017) é um filme que supera as expectativas e mostra que, apesar da resistência inicial de muitos, Gal Gadot é a melhor coisa surgida na WB desde que a produtora resolveu seguir os passos da Marvel e transferir seu universo dos quadrinhos para a tela grande. Além de toda a ação e efeitos visuais fantásticos, é a primeira vez que temos o amor e a esperança como presença forte, uma mudança muito feliz. Ao invés de um maníaco desiludido vestido de morcego ou de um alienígena com uma eterna sensação de não pertencimento, temos uma guerreira forte e otimista.

Mulher-Maravilha é um filme cuja única mensagem política é que a guerra é um inferno e o ser humano não é tão bom quanto deveria ser.

mulher maravilha 2

Logan

Depois de 17 anos e oito filmes, Hugh Jackman decidiu que era hora de aposentar as costeletas e as garras de Wolverine, partindo para o último. Logan (2017) é o canto do cisne do ator na pele do mais famoso mutante da Marvel. Apesar de alguns furos de roteiro e situações resolvidas de maneira preguiçosa, é uma despedida muito digna. É uma surpresa ver uma trilogia que começou tão mal terminar tão bem, com uma história original que nos mostra um Logan que é ao mesmo tempo sentimental e selvagem. Este é de longe o melhor dos três filmes solo do personagem. Ao contrário do que faz Zack Snyder, que busca forçar em seus filmes de heróis o pessimismo do Batman de Christopher Nolan, James Mangold consegue entregar uma obra com esse tom naturalmente, com um realismo que prova que o tempo passa para todos. Os momentos mais leves logo são cortados, lembrando a Logan que a tragédia o persegue.

5 melhores filmes de heróis de 2017

Colossal

Com um conceito estapafúrdio, que mais parece uma ideia errada de um programa de comédia, o diretor e roteirista Nacho Vigalondo criou seu próprio Godzilla. E o mais surpreendente: Colossal (2016) deu certo e foi bem recebido nos dois festivais por onde passou, Toronto e Sundance. No papel principal, Anne Hathaway (de Interestelar, 2014) torna crível a situação de Gloria, com uma expressão perdida e um cabelo armado, despida de vaidade. Uma criatura enorme começa a atacar a capital da Coreia do Sul e Gloria logo descobre uma ligação com o monstro. A satisfação com a conclusão de Colossal vai do entendimento de cada um quanto às regras daquele universo. Uma vez criada, a regra deve ser seguida, o que permite ao espectador comprar a ideia.

colossal filmes 2017

Thor: Ragnarok

Depois de dois filmes solo que parecem não engatar, foi uma grata surpresa ver uma aventura divertida que finalmente faz jus ao Deus do Trovão. Thor: Ragnarok (2017) pende mais para o clima de Guardiões da Galáxia, com muitas cores, situações engraçadas e até uma trilha sonora inspirada – no caso, o ótimo uso de “Immigrant Song”, do Led Zeppelin. Lidando bem com seus personagens coadjuvantes, com destaque para Loki e Hulk, o longa respeita seu protagonista e o leva além, conseguindo sustentar duas horas em suas costas. A mistura de ação e fantasia na dose certa agradou muita gente, e só agrega ter uma atriz do calibre de Cate Blanchett como a vilã.

1922

Com a nova produção original Netflix, Stephen King vê sua quinta obra sendo adaptada esse ano. E, felizmente, com um ótimo resultado. 1922 (2017) vai assombrar os pesadelos de muita gente, com seus inúmeros ratos surgindo não se sabe de onde. O longa segue pelo terror psicológico, pelos fantasmas que só um homem culpado vê. Mérito do diretor Zak Hilditch, que adaptou ele mesmo a história e soube aproveitar os pontos mais importantes, sem esticar nada. Nada mirabolante, daquele tipo que dá a falsa impressão de ter sido feito muito facilmente. Thomas Jane mais uma vez mostra ser um ator subaproveitado pela indústria. A mudança física, para um sujeito que já foi galã e (anti)herói de quadrinhos, é impressionante. Ele vive um perfeito fazendeiro de poucas posses, acostumado a muito trabalho naquele longínquo ano de 1922 e propenso a matar a esposa para ficar com as terras dela.

filmes que surpreenderam 1922

Menções honrosas:

Shimmer Lake

Sabemos que houve um assalto. Algo deu errado. O xerife não está muito feliz, principalmente por saber que o irmão está envolvido. Este fiapo de trama resume uma nova produção distribuída pela Netflix: Shimmer Lake (2017). E há um diferencial muito bem utilizado: a história é contada de trás para frente, dia a dia. Pode parecer mais do mesmo, que outros fizeram isso antes, mas o recurso causa de fato um efeito interessante, trazendo mais suspense sem enganar o espectador.

filmes que surpreenderam em 2017 - shimmer lake

Ao Cair da Noite

Ao Cair da Noite (It Comes at Night, 2017) é uma ótima surpresa num gênero que passa longe do gol com tanta frequência que cria certa desconfiança. Com poucos minutos de projeção, percebemos que esse não será um terror habitual. A dedicação aos personagens é algo que não se vê sempre. Não conhecemos bem o histórico deles, mas logo entendemos as relações e o carinho entre eles. Não surpreenderia se o universo de Ao Cair da Noite desse origem a uma série interminável de filmes para a televisão: ele deixa esse gosto por mais.

filmes que definem 2017 - ao cair da noite

Lego Batman

LEGO Batman: O Filme (The LEGO Batman Movie, 2017) é um longa inteiro para brincar com o Homem-Morcego, indo mais fundo na paródia, estraçalhando a imagem sombria e subvertendo vários clichês relacionados ao herói. Os vilões são um show à parte. Ressuscitando gente como Rei Tut, são aproveitados personagens de várias mídias e épocas, e até alguns são inventados, compondo um grupo muito interessante. Will Arnett faz uma engraçada versão convencida e fodona do Batman, e os demais membros do elenco são tão brilhantes quanto.

Top 5 – Principais surpresas do cinema em 2017, por Tullio Dias

Depois dessa lista do Marcelo, ainda tenho outros quatro filmes para compartilhar com você que está aí lendo a nossa listinha. Seriam 5, mas como o Marcelo já comentou bem de Mulher Maravilha, prefiro adiantar logo para os outros títulos, combinado?

It: A Coisa

Minha lembrança da adaptação da obra de Stephen King, ao contrário da maioria das pessoas, não era positiva. Achei It: Uma Obra-Prima de Bosta e tinha essa lembrança ruim na mente quando entrei na sessão especial para ver a releitura.

Descobrir que a direção era de Andy Muschietti, de Mamma, me deixou animado. Ele não me parece ser um diretor de um único filme, sabe? Me apeguei a essa ideia de que seria surpreendido e sairia do cinema feliz.

Pois é. Muschietti acertou em cheio e fez um dos melhores filmes de terror de todos os tempos (e um dos mais bem-sucedidos na história do cinema). Ele capturou a essência da obra de King e conseguiu recriar uma versão de Conta Comigo com Goonies, Stranger Things e palhaços demoníacos.

Sensacional!

Piratas do Caribe 5 – A Vingança de Salazar

É agora que me roubam a carteirinha de crítico de cinema…

Se tem uma franquia que aprendi a desgostar foi Piratas do Caribe. Fora o 1º filme, todos os outros – sem exceção – são verdadeiras bombas produzidas apenas para arrancar dinheiro dos pais das crianças fãs do Jack Sparrow. De positivo sobre a série só posso dizer que o 4º longa me fez roncar gostoso no cinema.

Decidi que ia ver A Vingança de Salazar porque precisava de títulos para a minha lista de piores de 2017 e… me dei mal! Quando dei conta, já estava lá me divertindo e esquecendo completamente que eu não queria ter gostado do filme.

Méritos para o Javier Bardem, que mesmo numa aventura voltada para crianças, conseguiu manter o seu nível de qualidade que estamos acostumados em seus trabalhos. E até Johnny Depp conseguiu transformar o seu pirata em um personagem menos bobo e detestável.

Surpresa, surpresa…

piratas-do-caribe-a-vinganca-de-salazar-filmes-que-surpreenderam

Em Ritmo de Fuga

Uau! Ainda fico arrepiado quando penso no trabalho mais recente de Edgar Wright. Em Ritmo de Fuga redescobri o que me dá tesão em contar histórias e como esse dom é uma coisa especial. Wright faz sua história se desenvolver através de músicas e imagens, sem precisar apelar para aqueles diálogos bobos e descartáveis de 90% das coisas que assistimos.

Infelizmente perdi Em Ritmo de Fuga nos cinemas e só pude desfrutar desta experiência no conforto do meu lar. Pode ter certeza que começarei meu próximo ano com uma bela revisão dessa coisa fantástica.

critica em ritmo de fuga

Annabelle 2: A Origem do Mal

Eu tenho certeza de que essa foi a minha maior surpresa nos cinemas em 2017. Por mais que existam méritos no filme original, eu apostaria dinheiro com a certeza de que essa continuação seria digna de figurar no ranking de piores do ano.

Que surpresa boa quebrar a cara!

Não só Annabelle 2: A Origem do Mal é MUITO melhor que o anterior, como se revelou uma história que sabe assustar com muita qualidade. É raro criar uma expectativa tão negativa de querer ver algo apenas pela obrigação e aí descobrir que se trata de uma agradável surpresa.

Se você, assim como eu, encontrou motivos para detestar essa boneca feia, peço para reconsiderar e se permitir usar suas calças marrons de se cagar para curtir Annabelle 2.

critica annabelle 2

Relembre quais foram as nossas surpresas e decepções em outros anos

# As decepções que o cinema nos deu em 2016
# As principais decepções do cinema em 2015

# As principais decepções do cinema em 2014

# As principais decepções do cinema em 2013

# As principais surpresas do cinema em 2016
# As principais surpresas do cinema em 2015
# As principais surpresas do cinema em 2014
# As principais surpresas do cinema em 2013

Comentários