Listas

Melhores Cenas Com Música do Cinema em 2013

RELEMBRE AGORA ALGUMAS DAS MELHORES CENAS COM MÚSICA DO CINEMA EM 2013. Em relação ao que tivemos ano passado, com “Immigrant Song” na abertura de Millennium, ou a cena do acordeão em Holy Motors, por exemplo, 2013 perdeu de lavada. Foram poucas cenas musicais marcantes, o que é uma verdadeira pena para os fãs das duas artes. No entanto, isso não é motivo para reclamar, pois mesmo assim ainda fomos presenteados com muitas cenas especiais. Confira e não deixe de opinar nos comentários com as suas cenas favoritas.

PS: Algumas cenas/textos incluem spoilers. Cuidado!


Tema de Tetris, em Kick-Ass 2

Essa sequência merece aparecer na lista de melhores cenas do ano, mas por enquanto ficará apenas por aqui mesmo. Assistir a Mãe-Russia chutando o traseiro dos policiais ao som do tema de Tetris é hilário, ainda que extremamente violento e politicamente incorreto.

Sugestão do leitor Germano Pontes, pelo Facebook


“I Wonder”, em Searching for Sugar Man

Provavelmente, se fosse permitido, eu teria colocado o link completo para o documentário Procurando Sugar Man. A obra conta a história desse artista musical praticamente desconhecido em todo o mundo, mas que era uma verdadeira lenda na África do Sul. A vida de Rodriguez é uma daquelas coisas fantásticas e tão improváveis de serem reais, que você acaba comprando a ideia e aceitando que a vida pode ser muito surpreendente.

Tullio Dias


“Never Had”, em 10 Anos de Pura Amizade

As mudanças que ocorrem na vida de Reeves (Oscar Isaac) ao longo dos 10 anos que separam o fim do Ensino Médio do fatídico reencontro da turma de formandos talvez sejam as mais radicais daquela galeria de personagens. Antes um aluno como outro qualquer, o músico foi alçado à fama graças à canção “Never Had”, de modo que passa a ser encarado até mesmo com algum distanciamento por parte dos ex-colegas, que enfrentam dificuldades de separar a celebridade de agora do indivíduo de antes. Entretanto, o significado da cena em que Reeves é pressionado a subir no palco da festa e interpretar seu grande hit vai além disso: à medida que a canção evolui e notamos a forma como sua parceira de cena Kate Mara reage à letra da canção altera em definitivo a forma como vínhamos encarando o personagem de Isaac até o momento.

Eduardo Monteiro


“I Dreamed a Dream”, em Os Miseráveis

Selecionar apenas uma cena de um musical para incluir em uma lista de melhores cenas com música do ano pode parecer uma tarefa de alguma forma desafiadora. Com Os Miseráveis, entretanto, não foi: quando penso no filme, a primeira recordação que me vem à mente é “I Dreamed a Dream”, número musical encenado e interpretado em um longo plano com extrema competência pela vencedora do Oscar Anne Hathaway, que demonstra um domínio impecável das emoções da personagem ao longo da canção. Lágrimas irão rolar!

Eduardo Monteiro


“Patience”, em Meu Namorado é um Zumbi

A evolução da relação entre o zumbi adolescente (se é que esse conceito faz algum sentido) R (Nicholas Hoult) e a humana Julie (Teresa Palmer) é algo do que Meu Namorado é um Zumbi tem de melhor. Nesse sentido, a cena em que o protagonista coloca “Patience” para rodar no interior do avião abandonado que utiliza como moradia (e onde mantém a garota por algum tempo como “refém”) chega a ser emblemática: vemos não só o gelo que distancia o casal sendo efetivamente quebrado como também os primeiros sinais da ressurgência de sentimentos humanos no sistema do morto-vivo – aspecto de fundamental importância para o desenrolar da narrativa.

Eduardo Monteiro


“Everybody”, em É O Fim

A falta de experiência de Seth Rogen e Evan Goldberg na direção é um dos maiores problemas da divertida comédia É O Fim. Assim, devo confessar que acho essa cena razoavelmente decepcionante: não só considero um desfecho anticlimático para o filme como também penso que os diretores pecam ao optar por um mise-en-scène sem graça ao invés de abusar de absurdos e excessos que poderiam tornar a cena ridiculamente hilária. A ideia por trás do número musical, entretanto, é inegavelmente divertida.

Eduardo Monteiro


“Gangnam Style”, em É O Fim

Esse é um verdadeiro combo da comédia É O Fim. Ao som do mega hit “Gangnam Style”, o elenco todo experimenta diversas sensações causadas por substâncias tóxicas que podem vir a ser consideradas ilegais independente do ponto de vista. Ou país. O resultado é uma alucinante sequência de viagens tortas, que culmina com “Paper Planes” e as tentativas de filmar a continuação de Segurando as Pontas da maneira mais amadora possível. Hilário. E ainda tem mais coisas toscas para se falar dessa comédia, como podem conferir no texto abaixo…

Tullio Dias


“What is and What Never Should Be”, em O Lado Bom da Vida

Essa cena é tão sensacional que a gente fica até sem saber o que falar. E nem é apenas por ter o som “What is and What Never Should Be”. Logo depois de interpretar errado as coisas e levar um sopapo na cara, Bradley Cooper endoida o cabeção atrás da fita do seu casamento. Durante sua crise nervosa, o grandalhão discute com a mãe e fica remoendo lembranças dolorosas.

Tullio Dias


“Black Coffins”, em Django Livre

Depois de mostrar que não é um escravo e botar banca pra cima dos comparsas de Leonardo DiCaprio, Jamie Foxx é fuzilado com os olhos pelos negros escravizados que se sentem traídos. A cena ganha mais peso com a música “100 Black Coffins”.

Tullio Dias


“Payback/Untouchable”, em Django Livre

Django Livre aparece em mais uma cena, desta vez com o tiroteio sensacional que sacia a sede de vingança do nosso “herói” Jamie Foxx. A trilha sonora, na verdade, são os sons dos tiros e do barulho das balas explodindo os corpos dos personagens enquanto o sangue jorra, mas logo depois, como se fosse a cereja do bolo, começa a tocar “Payback” e tudo fica divertido outra vez, pois lembramos que estamos assistindo a um filme de Quentin Tarantino, o Rei do Exagero.

Tullio Dias

“Ramble On”, em Oblivion

Coisas que só o Led Zeppelin pode fazer por você: além de ignorar a dublagem surreal do vídeo disponível, o som de “Ramble On” quase torna Oblivion em uma experiência agradável. Não é por acaso, que essa é a melhor parte do longa-metragem estrelado por Tom Cruise.

Tullio Dias


“Seasons”, em O Homem de Aço

Após evitar a morte de vários operários, Clark é obrigado a roubar a roupa de um varal ao som da linda “Seasons”, na voz do incrível Chris Cornell. Uma bela cena. Não pelos músculos do Henry Cavill, claro, mas pela música escolhida por Zack Snyder.

Tullio Dias


“Everlasting Love”, em Cine Holliúdy

Família unida é família feliz. E mais ainda: trabalhando juntos para realizar o sonho de Francisgleydisson e reconstruir o cinema da cidade. Com uma versão brega de “Everlasting Love”, a família se junta para pintar e reformar o espaço da sétima arte para fazer a alegria dos moradores das redondezas. Infelizmente, a cena em questão não foi encontrada para ilustrar a matéria.

Tullio Dias


“Everytime”, em Spring Breakers

James Franco mostra que como cantor, dá um excelente ator durante a melhor cena de Spring Breakers. Acompanhado de três garotas seminuas armadas, Franco canta o hit de uma das “maiores cantoras de nosso tempo”, a senhora Britney Spears. É tão “WTF” que funciona.

Tullio Dias


“Waterfalls”, em A Família do Bagulho

Só de rever esse momento de A Família do Bagulho já passei mal de rir novamente. Não é a toa que a comédia estrelada por Jennifer Aniston entra fácil em qualquer ranking de filmes do gênero. Nessa cena em especial, escutamos o jovem nerd cantando a parte de rap de “Waterfalls”, do TLC, para a surpresa de todo mundo que está perto dele e o delírio dos espectadores.

Tullio Dias


“Sweet Emotion”, em A Família do Bagulho

SE houvesse um ranking para as melhores cenas musicais de 2013, eu duvido que houvesse alguma outra capaz de superar o striptease épico de Jennifer Aniston, ao som de “Sweet Emotion”, do Aerosmith, em Família do Bagulho. Duvido.

Tullio Dias


“Hurt”, em Se Beber, Não Case – Parte III

Mr. Chow roubou a cena em Se Beber, Não Case – Parte III. O suficiente para ter coragem de “assassinar” a composição de Trent Reznor num karaokê no bar mais ferrado de Las Vegas. Uma das minhas cenas musicais prediletas do ano, mais por ser extremamente tosca do que por seus méritos mesmo.

Tullio Dias


Greetings From Tim Buckley

Com direito a repetir frases marcantes da carreira de Jeff Buckley, a sequência dentro da loja de discos de Greetings From Tim Buckley é arrepiante. Possivelmente, é um dos poucos momentos realmente bons da cinebiografia da vida de uma das maiores vozes da música dos anos 1990.

O vídeo corta na melhor parte, mas o que acontece é que o jovem Jeff fica doidão de cachaça e começa a cantar empolgadão no meio da loja. Tudo isso numa clara demonstração que homens quando estão dispostos a impressionar uma garota, viram verdadeiros pavões. Mas pelo menos, ele canta bem, né?


“Codex”, em Os Suspeitos

Depois de se recuperar no hospital, Jake Gyllenhaal vai visitar o local do crime de Os Suspeitos e quando chega lá, os investigadores estão ouvindo “Codex”, do Radiohead. A música acaba, fica tudo escuro, e Gyllenhaal fica sozinho… ou nem tanto. Vamos ficar devendo o vídeo com a cena, mas ouça a faixa logo abaixo:

Tullio Dias


“Space Oddity”, em A Vida Secreta de Walter Mitty

Para encerrar nosso especial deste ano, não existiu cena melhor que aquela em que Walter Mitty (Ben Stiller) está se lamentando num bar nos confins do mundo (literalmente) e começa a viajar que a personagem de Kristen Wiig está fazendo uma apresentação de voz e violão no palco. A música escolhida é a mesma que havia aparecido para ilustrar uma piadinha no roteiro, “Space Oddity”, de David Bowie, que aqui ficou conhecida apenas como “Major Tom”. Imaginação se funde com a realidade e a canção cantada pela sua amada vira o combustível que faltava para alimentar a coragem de Walter, que a partir deste momento se transforma em tudo que queria ser e nunca conseguiu.

Aliás, A Vida Secreta de Walter Mitty conta com diversas outras cenas marcantes com uso de músicas, como por exemplo a corrida de Walter pelos corredores da Life ao som de “Wake Up”, do Arcade Fire, que não está ali apenas por ser uma música animada e que encaixe na trama, mas por representar o momento em que Walter realmente abre os olhos e acorda para a vida.

Tullio Dias


Melhores Cenas Com Música do Cinema em 2012

Tullio Dias

Dizem que sou legal, mas eles estão mentindo só para me agradar. Gosto de Molejo, acho Era Uma Vez no Oeste uma obra-prima, prefiro baixo de quatro cordas do que os de cinco, tenho um MBA de MKT Digital e um curso de Publicidade, não tenho filhos, não tenho um coração, mas me derreto por caipirinhas.