Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Os 15 Melhores Filmes de Vampiros

Confira a lista especial que a equipe do CdB preparou pra você!

FILMES DE VAMPIROS EXISTEM DESDE O COMEÇO DO SÉCULO XX. O QUE NÃO FALTA SÃO HISTÓRIAS DE QUALIDADE! POR ISSO, O CDB PREPAROU UMA LISTA COM OS 15 MELHORES DO CINEMA. CONFIRA E DEIXE O SEU COMENTÁRIO!

 

Nosferatu (1922)

- Advertisement -

Este não é apenas um dos primeiros grandes filmes de terror da história. Segundo Werner Herzog, é o filme alemão mais importante de todos os tempos. Trata-se de uma adaptação livre do romance Drácula, de Bram Stoker, na qual nomes e características de personagens foram alterados com o intuito de burlar os direitos autorais da obra original. Não deu certo. O diretor, F. W. Murnau, foi processado por Florence Balcombe (viúva de Stoker) e obrigado a destruir todas as cópias do filme. Porém, algumas delas foram salvas e, depois da morte de Balcombe, restauradas e distribuídas pelo mundo, rapidamente conferindo à obra o status de cult com milhões de apreciadores.

Com elementos do expressionismo alemão e estrutura baseada em sinfonias clássicas, Nosferatu é uma obra pioneira na construção da atmosfera de medo, e essencial aos apaixonados pelas raízes do cinema e dos filmes de terror (Lucas Siqueira).

 

O Que Fazemos nas Sombras (2014)

Antes de encarar o Thor, Taika Waititi se uniu ao amigo Jemaine Clement e eles comandaram uma adaptação de um curta deles, lançado em 2005: “What We Do in the Shadows: Interviews with Some Vampires”. O resultado é hilário! O Que Fazemos nas Sombras é um falso documentário (ou um mockumentary), que acompanha o dia a dia – ou seria a noite a noite? – de um trio de vampiros. Cada um tem uma personalidade bem definida, cada qual com suas as centenas de anos de vida, e a interação entre eles é mais engraçada que muita série de TV por aí. No momento em que os conhecemos, eles estão às voltas com um vampiro recém transformado e se preparam para o esperado baile anual de sua comunidade. É um filme curto, divertido e criativo (Marcelo Seabra, O Pipoqueiro).

 

Deixa Ela Entrar (2008)

Deixa Ela Entrar está longe de ser considerado um apenas como um filme de terror. Arriscaria dizer que até mesmo de vampiro, mas seria uma afirmação complicada. O longa é uma verdadeira demonstração de amor, cumplicidade, amizade, amadurecimento e principalmente a solidão. Capta os dilemas daquela fase em que somos obrigados a lidar com os valentões da turma e mostrar nosso valor. Se, na minha época, tivesse conhecido uma vampira como Eli (Lina Leandersson), as coisas poderiam ser bem diferentes. Como não podia deixar de ser, Hollywood já adquiriu os direitos do livro que deu origem ao filme e planeja lançar uma versão norte-americana da história nos próximos anos. Dificilmente teremos atores capazes de superar o charme e carisma dos personagens do filme original. Mas isso não é novidade para ninguém, não é mesmo? (Tullio Dias).

 

Garota Sombria Caminha Pela Noite (2014)

Em Bad City, cidade-fantasma de poucos habitantes, a população está sendo atormentada por uma solitária vampira, que anda pelas ruas à noite, incógnita, usando o seu Hijab. Realizada em preto-e-branco, é a obra de estreia da diretora Ana Lily Amirpour, que também escreveu o roteiro. Também é a primeira história de vampiro ambientada no Oriente Médio.

O filme tem cenas fortes, especialmente quando a vampira se alimenta, e dá medo, mas não chega a aterrorizar. Curiosamente, o longa foi filmado durante 24 dias, na Califórnia, mas as locações ermas foram muito bem escolhidas e passam a sensação de que a história acontece, de fato, no Oriente Médio (Priscila Armani).

 

 

Um Drink no Inferno (1996)

Um Drink no Inferno é o tipo de filme que retrata perfeitamente a melhor espelunca possível para se ter um porre e/ou abraçar o capeta. O bar é escroto, destruído, detonado, cheio de matadores mexicanos, caminhoneiros tarados e claro, as mulheres mais gostosas do México. O único problema é que são vampiras sugadoras de sangue, ou seja, elas te chupam inteirinho. Mas não desespere-se: os mexicanos feiosos não iriam recusar o seu pescocinho. O bom é que durante os poucos minutos em que esteve em cena, Salma Hayek conseguiu me deixar boquiaberto. Exceto na parte em que se transforma em vampira, que mais parece uma cobra from hell com patas (Tullio Dias).

 

Comentários estão fechados.