Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Os 25 Melhores Filmes de 1995

Poster Kids 199515- Kids, de Larry Clark

“Confesso que sou um dos detratores de Larry Clark. Não consigo sequer considerar grande parte de seus filmes como obras sérias, acho-os apenas insistentes ‘shockfests’ gratuitos. Mesmo assim, Kids merece todas as loas por ser uma experiência crua e deveras realista. Depois disso, Clark se perdeu.”

- Advertisement -

Marcus Alves

De 1995 a 2007 Kids foi um fantasma, aquele filme que todos os amiguinhos falavam que tinham assistido e que era foda demais, mas que eu nunca tinha tido interesse em assistir, fui vê-lo bem mais tarde. E bem, mais uma vez temos aqui uma obra que marcou época.

Joubert Maia

Um retrato frio sobre como é a vida a partir da perspectiva de adolescentes comuns e/ou um pouco desajustados. O tom documental da obra funciona para que o espectador não recrimine tanto alguns atores medíocres e admire o talento de outros nomes que estavam iniciando a carreira na ocasião, como Chloë Sevigny e Rosario Dawson. Ao lado de Réquiem para um Sonho e Trainspotting é um must-see para quem se interessa por obras sobre comportamento de jovens e drogas.

Tullio Dias

Poster Despedida em Las Vegas Leaving Las Vegas 199514- Despedida em Las Vegas, de Mike Figgis

“O alcoólatra Ben, interpretado por Nicolas Cage, decide beber até morrer em Las Vegas depois de mais um fracasso. Sera, Elisabeth Shue, é uma prostituta que trabalha para um violento cafetão. O que pode acontecer quando essas duas pessoas se encontram? Esse é o eixo do deprimente Despedida em Las Vegas. Obra que retrata duas pessoas solitárias que perderam a esperança na vida, e que encontram um no outro uma forma de aliviar o peso de suas existências miseráveis. Um filme duro e difícil de engolir, Despedida é triste, pesado, aqui não existe espaço para a compaixão e o autoperdão, ao contrário, o personagem de Nicolas tem um único objetivo na sua vida atual: provocar sua própria morte. Por isso se não estiver bem, não assista, anote e guarde para outra sessão, pois vale a pena ver as ótimas performances de Nicolas Cage e Elisabeth Shue. “

Juliana Uemoto

“Muitos afirmam que esta é a última grande performance de Nicolas Cage. Ledo engano, pois meio aos risíveis arroubos de mediocridade temos ótimas atuações do talentosíssimo sujeito em películas recentes (Kick-Ass, Bad Lieutenant e Joe). No entanto, nenhuma destas têm a força de seu maníaco-depressivo Ben Sanderson em Despedida em Las Vegas. Puro ouro.”

Marcus Alves

“Clássico da depressão, Despedida em Las Vegas é a prova cabal que essa onda duradoura de bombas não representa o talento de Nicolas Cage, que ganhou o Oscar e o Globo de Ouro por esse filme, além de vários outros prêmios e indicações. O diretor e roteirista Mike Figgis nunca voltou a fazer nada tão memorável, mas só por esse trabalho já merece uma nota na história dos anos 90. E que trilha sonora!”

Marcelo Seabra, do blog O Pipoqueiro

“Além de ser um ótimo drama e romance, este filme é a prova definitiva de que existe um excelente ator por trás dos trejeitos e caretas de Nicolas Cage.”

Michael Anderson

Poster Apollo 13 199513- Apollo 13, de Ron Howard

“Após ganhar dois Oscars em sequência, Tom Hanks mostrou que ainda tinha mais uma carta na manda em uma performance memorável neste excelente filme espacial da missão espacial que nos trouxe o bordão “Houston, we have a problem”.”

Michael Anderson

Ron Howard é um diretor acostumado a produzir filmes que retratam eventos reais que aconteceram durante a sua infância ou ao longo de sua vida. Outra característica comum do cinema do diretor é a relação do homem com a máquina, como é o caso do excelente Apollo 13. São mais de duas horas de duração, com a ação se desenrolando nas salas de controle da NASA e a bordo da excursão espacial que dá muito errado. Tom Hanks, Ed Harris, Bill Paxton e Kevin Bacon fazem um trabalho excepcional e que faz com que o espectador sequer note o tempo passando.”

Tullio Dias

Poster Basketball Diaries Diários de Adolescente 199512- Diário de Um Adolescente, de Scott Kalvert

“Um marco na carreira de Leonardo DiCaprio, em que o ator vive um jovem que salta de uma vida repleta de sonhos, para uma aventura num mundo sombrio traçado por drogas, crimes e prostituição. Esse filme apresenta de maneira áspera os pólos de realidades em que vivemos, focando no universo bárbaro do submundo.”

Juliana Vannucchi

“Para alguns, não existe Leonardo Dicaprio antes de Titanic. Vamos ser sinceros: o ator ganhou fama mundial no blockbuster de James Cameron mesmo. Mas se tem um filme em que ele dá um show de atuação é Diário de um Adolescente. A história é dura e intensa, mas ele está tão bem que vale a pena toda a gritaria, choro e violência que vemos na produção. Sem dúvidas, um dos melhores papéis de DiCaprio.”

Dani Pacheco

Poster A Exêntrica Família de Antonia Antonia's Line 199511- A Excêntrica Família de Antônia, de Marleen Gorris


“Belo e comovente no seu último ato, A Excêntrica Família de Antônia recebeu o Oscar de melhor filme estrangeiro em 1995. Merecido prêmio para um filme excepcional.”

João Paulo Andrade

“Um filme atemporal cujo roteiro reflexivo e simbólico causa uns nós na cabeça do espectador. A história é filosófica, e possui sua atmosfera concretizada por uma dose de drama e uma pitada caprichada de bizarrice. Definitivamente é um dos mais elogiáveis filmes de 95, e talvez de toda a década de 90.”

Juliana Vannucchi

Poster Jumanji 199510- Jumanji, de Joe Johnston

Se você cresceu durante a década de 90, esse é um filme que com certeza marcou a sua infância. Mas também, independente da sua idade, se você assistiu Jumanji, provavelmente não esqueceu mais dele. Afinal, essa obra marcante convida o espectador a fazer uma viagem incrível! É sempre bom assisti-lo novamente e se divertir com aquele tabuleiro maluco que assegura um clima onírico e criativo da produção estrelada por Robin Williams.

Juliana Vannucchi

“Este aqui tem cheiro de nostalgia. Deliciosamente assustadora na infância, esta aventura lançada em 1995 sobreviveu ao tempo e manteve-se como um dos marcos do Cinema na década. Por vezes habituado a interpretar personagens cuja maturidade não é característica marcante – pelo contrário; e ainda bem -, aqui o saudoso Robin Williams recebe a missão de encabeçar uma relação quase patriarcal de proteção às crianças com ele envolvidas num jogo de tabuleiro perigosíssimo.

Se gerações mais antigas cresceram com Os Goonies, posso considerar-me igualmente feliz por ter Jumanji como seu equivalente em minha geração.”

Leonardo Lopes

Jumanji é mais que uma obra que evoca a minha infância e todas aquelas brincadeiras de tabuleiro numa época em que nem mesmo o Super Nintendo era extremamente popular. Ainda hoje consegue prender nossa atenção e nos transportar para uma realidade fantástica.”

Tullio Dias

Poster A Princesinha Little Princess 19959- A Princesinha

Uma trama delicada e comovente que é arquitetada sob um pano de fundo mágico e fantasioso. No aspecto técnico, a fotografia e a direção de arte ganham destaque e asseguram um visual harmônico e intenso para a história.

Juliana Vannucchi

“Se tem um filme que marcou minha infância foi esse. Inocente e comovente, o filme de Alfonso Cuarón é um pouco como Cinderela; um conto de fadas sobre uma garotinha que é separada do pai, é mal tratada em uma escola e acaba descobrindo que o homem está vivo e volta pra casa. Como esquecer?”

Dani Pacheco

Poster The Usual Suspects Os Suspeitos 19958- Os Suspeitos, de Bryan Singer

“Grande parte das pessoas que assistem ao filme acreditam que ver pela segunda vez pode ajudar a compreender todas as peças lançadas pelo roteiro e pela direção, como se isso pudesse solucionar o mistério antes das últimas cenas. Na minha opinião, é uma doce ilusão. Os Suspeitos pode ser visto várias vezes e não vai deixar de surpreender.”

Aline Monteiro

“Fale o que quiser de Bryan Singer. Comente sobre sua polêmica vida pessoal ou sobre como o homem concebeu a adaptação de determinados mutantes dos quadrinhos para o universo cinematográfico. Contudo, jamais, jamais, dispare impropérios sobre Os Suspeitos. Além de um roteiro brilhante — cortesia do laureado Christopher McQuarrie — e atuação impecável do sempre competente Kevin Spacey, o filme é muitíssimo bem dirigido por Singer e editado com primor por John Ottman, um usual colaborador do cineasta.”

Marcus Alves

“Ainda tem gente que me pergunta o final de Os Suspeitos até hoje. O que aconteceu de fato? O que foi inventado? Só sabemos de uma coisa ao certo: Keyser Soze é um gênio. E seu maior truque, como o diabo, foi convencer o mundo de que ele não existe. Os parceiros Bryan Singer (diretor) e Christopher McQuarrie (roteirista) apareceram para o mundo aqui, e até hoje estão nas manchetes cinematográficas. No elenco, não tem um que destoe, com destaque para o oscarizado Kevin Spacey, além do ótimo Gabriel Byrne roubando algumas cenas.”

Marcelo Seabra, do blog O Pipoqueiro

“Um dos finais mais surpreendentes do cinema que revelou o potencial do diretor Bryan Singer e fez mais uma vez brilhar a estrela de Kevin Spacey.”

Michael Anderson

Poster Cassino Casino 1995

7- Cassino, de Martin Scorsese

“Como é de costume de Scorsese, há fortes e sangrentas cenas, com direito a um torno mecânico esmagando uma cabeça. Para quem já está habituado, coisa light. Eu não sou muito fã. Não é nem de longe o banho de sangue de Os Bons Companheiros. Mas é um pouquinho pesado. Não recomendo fazer refeições durante o filme.”

Priscila Armani

“Reunir Martin Scorsese, Robert De Niro e Joe Pesci com o escritor e roteirista Nicholas Pileggi, ninguém menos que o autor de Os Bons Companheiros, só podia dar em coisa boa. Mais uma história interessante, cheia de reviravoltas, e ainda conta com Sharon Stone no auge de seu talento e beleza, além de uma participação inspirada de James Woods. Você nunca fica por cima pra sempre, e entendemos isso com a ótima história de Ace Rothstein, ligeiramente inspirada em algumas das figuras icônicas de Vegas.”

Marcelo Seabra, do blog O Pipoqueiro

Poster 12 Macacos 12 Monkeys 19956- Os 12 Macacos, de Terry Gilliam


“Um garoto viu um homem morrendo enquanto era criança e esse homem era, na verdade, ele mesmo? Oi? Os 12 Macacos aparenta ser um bicho de sete cabeças, mas não tem nada disso. Por mais complexo que seja, esse suspense incrível de Terry Gillian é cativante e instiga a nossa curiosidade do início ao fim. E o fim, que confirma a volta em círculos do personagem principal em sua tentativa de evitar a disseminação de um vírus mortal, é simplesmente genial.”

Dani Pacheco


“Um Bruce Willis do futuro e um Brad Pitt malucão compõem essa ficção-científica criativa, cheia de viagens no tempo e roteiro bem amarrado.”

Lucas Paio

“Assim como em seu outro clássico, Brazil, o enredo de Os 12 Macacos pode apresentar-se de maneira um tanto confusa aos espectadores. Todavia, o esmero no visual, o conceito bem elaborado e os plot twists de cair o queixo fazem com que a obra se destaque na filmografia do ex-Monty Python.”

Marcus Alves

“Terry Gilliam, viagem no tempo, Brad Pitt loucaço e macacos. Essa é a fórmula de uma das melhores ficções científicas da década, que trazia uns conceitos interessantes e uma trama que por vezes deixava todo mundo no ar, sem entender quem era o personagem de Bruce Willis direito. Seria apenas outro louco?”

Marcelo Seabra

“Com uma aparência de doido de dar nó, e interpretando um personagem bastante perturbado, Brad Pitt é um dos principais trunfos do sci-fi estrelado por Bruce Willis e dirigido por Terry Gilliam. Foi por causa do maluco beleza Jeffrey Goines que Pitt levou a sua primeira (e merecida) indicação ao Oscar.”

Tullio Dias