Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000 | Cinema de Buteco

PARA ENCERRAR O NOSSO MÊS DE ANIVERSÁRIO CELEBRANDO OS NOSSOS OITO ANOS, o Cinema de Buteco divulga agora uma lista final com as 51 melhores obras lançadas entre 2000 a 2009. Apenas o néctar etílico dos deuses cinematográficos.

Para chegarmos ao resultado final, fizemos um cruzamento com os votos que cada longa-metragem recebeu em suas listas individuais.

Apreciem sem moderação!

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000

51- O Invasor (Beto Brant, 2002)

Baseado no livro homônimo de Marçal Aquino, O Invasor é “apenas” um dos melhores filmes nacionais já produzidos. A produção marcou a estreia do cantor Paulo Miklos (Titãs) e da atriz Mariana Ximenes no cinema.

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000

50- Controle – A História de Ian Curtis (Control, Anton Corbijn, 2008)

“Contando com uma bela fotografia em preto e branco, provavelmente adotada para mostrar a constante tristeza que acompanhava o cantor, Control talvez seja a biografia menos biográfica dos últimos tempos, já que não se concentra em contar toda a vida do artista, mas apenas os conflitos que permearam o seu processo criativo, e que fizeram de Ian Curtis, tão excepcional. As questões continuam em aberto. Mas isso se deve pelo simples fato de que elas não se resolveram nem para ele mesmo.”

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000
49- Réquiem Para Um Sonho (Requiem for a Dream, 2000, Darren Aronofsky)

Já nos primeiros minutos do longa-metragem sentimos a pretensão artística de Aronofsky em criar uma obra definitiva sobre o consumo de drogas. Réquiem Para um Sonho pode ser moralista e ter seus defeitos, mas seria um grande erro afirmar que o cineasta não conseguiu produzir um filme forte e que realmente marcou época.

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000

48- Match Point (Woody Allen, 2005)

“As pessoas só seguem uma regra em duas condições: caso elas acreditem no sistema, ou caso elas tenham medo de ser punidas. Este é o mote principal de Crime e Castigo, clássico romance de Fyodor Dostoiévski, livro o qual Woody Allen resolveu referenciar em Match Point.

O grande dilema do protagonista está em seguir sua verdadeira paixão (no caso a personagem de Scarlett Johansson) ou a estabilidade financeira. E o desenrolar do roteiro vai aos poucos revelando ao telespectador o paralelo entre as histórias ja mencionadas. Destaque ainda para o uso da parábola da bola na rede de tênis, e sua rima com o momento crucial da trama.”

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000

47- As Horas (The Hours, 2002, Stephen Daldry)

“É um filme extremamente delicado, feminino (daí também vem muito da sua beleza), emocionante, desde a primeira cena pela tristeza, até a sequência seguinte pelo virtuosismo, falas lindas e doloridas. As Horas é triste no fim das contas, mas isso só se deve pelo fato de que, ao vê-lo nos vemos também. Aí nunca é fácil mesmo.”

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000

46- Os Dois Filhos de Francisco (Breno Silveira, 2005)

“Breno Silveira conseguiu realizar um trabalho coeso ao narrar a história da dupla Zezé de Camargo e Luciano e encaixar as suas músicas de uma maneira muito sensível. Como reconhecimento, a produção foi responsável pela maior bilheteria daquele ano no Brasil e ainda é uma das maiores dos últimos dez anos.”

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000

45- O Operário (The Machinist, Brad Anderson, 2004)

“Esta obra dirigida por Brad Anderson é um daqueles filmes que deixam a gente inquieto, sabe? Trata-se de um operário de uma fábrica que não dorme há um ano. Sim, é isso mesmo. Ele está com uma cara pior do que nós na segunda feira pela manhã. O inquietante é que há um motivo para ele não dormir, e é um motivo bem considerável, coisa séria. Nos faz lembrar um pouco Clube da Luta e o personagem do maravilhoso Bale passa á quem assiste o filme uma espécie de desconforto. Vale a pena!”

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000

44- Zumbilândia (Zombieland, Ruben Fleischer, 2009)

“Se Zumbilândia não tem o humor refinado e por vezes ácido de uma comédia como Fido – O Mascote, ao menos mostra o seu diferencial em várias situações. As principais são aquelas que mostram as regras de sobrevivência criadas por Columbus, todas hilariantes, embora nada chegue ao alcance da participação especial e inesperada de Bill Murray, que interpreta ele mesmo. Pode-se dizer que o efeito de se assistir Zumbilândia é o mesmo que ir para um parque de diversões. De tão divertido, dá vontade de repetir o passeio.”

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000

43- Inimigos Públicos (Public Enemies, Michael Mann, 2009)

“1933. John Dillinger (Johnny Depp) é um famoso criminoso que rouba bancos junto com seus parceiros fora da lei. Até que o fundador do FBI J. Edgar (Billy Crudup) fica chateado da vida com a fama do bandido e, com muita inveja no coração, contrata um agente frígido chamado Purvis (Christian Bale) para iniciar a maior caçada a um criminoso já vista na história dos Estados Unidos até então.

Inimigos Públicos permanece entre as principais obras de Michael Mann, ao lado de Colateral, Miami Vice e o já clássico Fogo Contra Fogo. É uma obra eficiente e que nunca perde o ritmo, nem mesmo quando o roteiro apresenta a queda de Dillinger diante seus oponentes. O confronto de Bale e Depp em nada ficam devendo às duplas de antagonistas vividos por Jamie Foxx e Tom Cruise, em Colateral, ou Robert de Niro e Al Pacino em Fogo Contra Fogo. E é justamente em cima da química entre esses dois atores que Inimigos Públicos se destaca e se garante como obra obrigatória dos anos 2000.”

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000

42- Gladiador (Gladiator, Ridley Scott, 2000)

“Clássico do cinema moderno e uma das principais obras da carreira de Ridley Scott, Gladiadoré um filme indispensável para os cinéfilos e apaixonados por boas histórias.”

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000

41- Up – Altas Aventuras (UpPete Docter & Bob Peterson, 2009)

A jornada do herói prega que antes de fazer o retorno para casa com os louros da vitória, o protagonista precisa arder nas sete camadas do inferno. E é pra lá que o espectador vai, junto com o Sr. Frederiksson, logo nos primeiros minutos do filme, nesta que é uma das mais ousadas e bem executadas sequências de abertura de uma animação.

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000

40- Marcas da Violência (A History of Violence, David Cronenberg, 2005)

Cronenberg deixou de lado as produções esquisitas nos anos 2000 e investiu em filmes mais humanos (ou plausíveis, pelo menos), como Marcas da Violência e Senhores do Crime. Sem perder a sua identidade como um cineasta autoral, ele conduz Viggo Mortensen ao seu ponto mais alto como ator nesse frio e perturbador Marcas da Violência.”

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000

39- Onde Vivem os Monstros (Where the Wild Things Are, Spike Jonze, 2009)

Para um espectador desavisado, o roteiro mostra apenas a imaginação do personagem Max indo parar numa ilha habitada por monstros gigantes. Mas é claro que Spike Jonze não iria fazer algo simples e sem nenhuma mensagem subliminar. Onde Vivem os Monstros é um desses filmes psicológicos que só mesmo psiquiatras ou aficionados em Freud podem/conseguem analisar e tentar transmitir a mensagem da trama.

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000
38- O Labirinto do Fauno (El Laberinto del Fauno, Guillermo Del Toro, 2006)

Uma Alice no País das Maravilhas muito mais dark e aterrorizante do que qualquer remake de Tim Burton, O Labirinto do Fauno é uma fantasia onde o mundo real se mostra habitado por monstros muito piores.

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000

37- O Tigre e o Dragão (Wo hu cang long, Ang Lee, 2000)

“O filme possui várias camadas, mas a temática principal é a vingança. Só que uma escalada de vingança nunca acaba a menos que alguém tenha a sabedoria suficiente de romper o ciclo de ódio e sede de justiça. Durante a narrativa podemos observar o padrão bem descrito por Michael Corleone em O Poderoso Chefão III: “Por mais que eu tente sair eles me puxam de volta!”

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000
36- Kill Bill – Volume 1 e Volume 2 (2003/2004, Quentin Tarantino)

“Mesmo com uma quantidade de votos considerável para cada parte individualmente, escolhemos encarar Kill Bill como apenas uma obra – que é a maneira como o próprio Tarantino faz. Estrelado por Uma Thurman, a trama é um verdadeiro tratado sobre vingança e uma das produções obrigatórias para quem quer conhecer o cinema de Quentin Tarantino.” 

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000

35- Lisbela e o Prisioneiro (Guel Arraes, 2003)

Lisbela, uma romântica inveterada encantada pelo mundo do cinema, se apaixona por Leléu, um malandro viajante. Se trata de um romance clichê, mas que de tanto o ser consegue também ser divertido e emocionante. Tem algo no filme que remete a cordel, criando mais raízes ao nosso folclore. Tudo isso valorizado por uma trilha sonora popular e encantadora.

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000
34- O Chamado (The Ring, Gore Verbisnki, 2002)

“Esse remake entrou para o imaginário do público e Samara se tornou uma das personagens mais temidas do cinema – para a tristeza de todos que não entendem o que dá medo em O Chamado.

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000

33- Zodíaco (Zodiac, David Fincher, 2007)

“Um jornalista passa a investigar estranhos crimes cometidos por um serial killer autointitulado Zodíaco. Para isso conta com a ajuda de poucas pessoas interessadas na verdade, mesmo quando o assassino começa a apreciar toda a atenção que recebeu da mídia.

A obra celebra os méritos artísticos de David Fincher, que renunciou humildemente a qualquer artifício estilístico – decisão só de um diretor seguro e confiante na força da história – para estabelecer uma investigação extensa, minuciosa e não-resolvida assim como as consequências deixadas naqueles que dela participaram.

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000

32- Procurando Nemo (Finding NemoAndrew Stanton & Lee Unkrich, 2003)

“Após evento extremamente traumático, pai superproteror precisa resgatar filho portador de necessidades especiais com a ajuda de uma mulher que sofre de perda de memória recente. Tudo isso na imensidão do fundo do mar. Se o conflito exterior do protagonista assusta, o conflito interior ameniza o clima do filme como um perfeito alívio cômico: um peixe palhaço que não sabe contar piadas. Procurando Nemo aborda tantos assuntos relevantes e de forma tão sensível e delicada em meio à grande jornada que tem seu lugar garantido entre as melhores aventuras da década.”

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000

31- Onde os Fracos Não Têm Vez (No Country for Old Men, Joel e Ethan Coen, 2007)

Neste faroeste urbano, temos um cidadão interiorano em busca apenas de dignidade (Josh Brolin) envolvido num incidente que o leva a ser caçado pelo assustador psicopata Anton Chigurh (Javier Bardem, espetacular). Através de uma perspectiva pessimista – e, infelizmente, realista – acerca de seu cenário e da realidade, o longa constrói personagens marcantes de seu gênero, de poucas palavras e atitudes sempre objetivas, duras – e aquele que não se encaixar nestes requisitos, não importando quão grandes foram seus esforços, não sobreviverá.

Obra povoada por ótimas sequências de ação, uma ambientação seca e desesperançosa, personagens instigantes e alguns momentos absolutamente marcantes, Onde os Fracos Nâo Têm Vez é o sinal em formato de filme de que os tempos adaptam-se e os indivíduos devem adaptar-se junto com ele. A Arte também.

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000
30- Vicky Cristina Barcelona (Woody Allen, 2008)

Vicky Cristina Barcelona é mais que um filme fetiche para qualquer homem ou mulher bem resolvidos com sua própria sexualidade, mas uma obra que trata de maneira única a dificuldade que temos de nos relacionar e conhecer a nós mesmos através de algo tão básico e ao mesmo tempo tão complexo quanto o amor.”

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000

29- Sideways – Entre Umas e Outras (Sideways, Alexander Payne, 2004)

Com sutileza, Sideways é um road movie sobre alcoolismo e personagens medíocres – sem que isso signifique algo ruim, já que os protagonistas são vividos por dois atores geniais que conferem todas as nuances necessárias para nos convencerem de que vivem pessoas que nunca serão além daquilo que mostram.

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000

28- 500 Dias Com Ela (500 Days of Summer, Marc Webb, 2009)

Todo mundo já experimentou as dores de um relacionamento. Quando isso acontece em nossas vidas, é natural buscar conforto em livros, filmes e, especialmente, músicas depressivas que nos dão aquela sensação de que o mundo é mesmo um lugar cruel e que o amor não existe na vida real. Em (500) Dias Com Ela os espectadores encontrarão uma descrição quase perfeita do que sentem aqueles que são deixados de lado pelo “grande amor”.

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000

27- Gran Torino (Clint Eastwood, 2009)

“Para um cinéfilo, é maravilhoso quando a filmografia de um ator contribui para a construção de um personagem e consequentemente para a narrativa de um filme. Principalmente quando estamos falando de alguém com o carisma de Clint Eastwood que empresta sua persona para o drama Gran Torino.Como uma metralhadora, o filme atira para todos os lados e sua discussão esbarra em temas como migração e xenofobia, machismo, violência contra a mulher, violência urbana, patriotismo, relação de pais e filhos, religião e a forma de encarar a morte.

Mas o destaque maior fica mesmo com o direcionamento do roteiro em consonância com a história de um veterano de guerra que se vê em conflito com a vizinhança violenta, mas ao mesmo tempo sente a necessidade de se aproximar deles para continuar sentindo-se útil.”

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000

26- O Abismo do Medo (The Descent, Neil Marshall, 2005)

“Às vezes acontece de assistirmos a um filme e não gostarmos. Até que num belo dia, durante uma revisão, o jogo muda e nos sentimos verdadeiros idiotas por não ter dado o devido valor para a obra. O Abismo do Medo é um terror angustiante que se passa num espaço fechado e coloca um grupo de mulheres confrontando estranhas criaturas. Imperdível.”

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000

25- Chumbo Grosso (Hot Fuzz, Edgar Wright, 2007)

Edgar Wright reforça seu talento com essa comédia de ação estrelada por seu parceiro Simon Pegg, que interpreta um policial durão que sofre com a inveja de seus companheiros da polícia de Londres e é mandado para uma cidadezinha com um índice muito baixo de criminalidade.

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000

24- O Fabuloso Destino de Amelie Poulain (Le Fabuleux Destin d’Amélie Poulain, Jean-Pierre Jeunet, 2001)

“Os franceses podem não gostar tanto de Amélie Poulain em função do quão famoso o filme se tornou no mundo todo e como ele tornou-se referência do cinema francês, mas nós adoramos. Através dele conhecemos Audrey Tautou, uma trilha sonora inesquecível de Yann Tiersen e uma personagem que ficará para sempre no coração de qualquer amante do cinema. Como esquecer de Amélie? Como? Uma pessoa tão alegre, determinada e carismática, com um sorriso inigualável? Não dá, je suis desolée.”

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000

23- Se Beber, Não Case (The Hangover, Todd Phillips, 2009)

“Com direção de Todd Phillips, o filme traz situações inusitadas (mesmo) e pode ser considerado “um bom filme de comédia”. Quatro amigos partem para a despedida de solteiro do amigo Doug que acontecerá em Las Vegas (Vegas, baby, literalmente). Lá, muitas coisas loucas acontecem e é aí que entram as situações inusitadas. Nada extraordinário, esplêndido e fora do comum, mas vale pela atuação de Zach Galifianakis.”

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000
22- Peixe Grande (Big Fish, Tim Burton, 2003)

“Um dos maiores trunfos da filmografia de Tim Burton é a direção de arte impecável de suas obras e personagens bizarros. Curioso que a sua obra-prima seja aquela em que ele usa as suas peculiaridades cinematográficas em prol da narrativa, ao invés do tradicional deleite visual. Peixe Grande emociona do começo ao fim com verdadeiras histórias de amor, amizade e aventuras.”

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000
21- O Cavaleiro das Trevas (The Dark Knight, Christopher Nolan, 2008)

“O Cavaleiro das Trevas é muito mais do que apenas um “filme de ação sobre um super-herói”. Christopher Nolan mostrou que as adaptações de HQ’s poderiam criar suas próprias identidades sem a necessidade de se manter preso ao original. Além disso, somos presenteados com uma atuação arrepiante de Heath Ledger como o vilão Coringa, que praticamente tira toda a nossa atenção do Homem-Morcego e entra no hall de maiores psicopatas de todos os tempos no cinema. Vamos torcer para que algum dia alguém consiga superar esse filme e nos mostrar algo inesperado se tratando do Batman. Por enquanto, isso parece bem longe de acontecer.”

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000

20- Fale Com Ela (Hable con Ella, 2002, Pedro Almodóvar)

Fale com Ela é um filme que se revela aos poucos. Novamente o tema do amor está em questão (e também o da falta de comunicação e da obsessão), mas parece que o tema central é a forma como a vida une e separa, esvazia e preenche, e como mesmo contra nossas vontades temos que lidar com isso, o que só concluímos segundos antes dos créditos finais. É quando a obra nos deixa a sensação de que todos aqueles acontecimentos (fortes e extremos cada um à sua maneira) só serviram para que aqueles personagens ficassem juntos! É como se o andamento da vida fosse (e de fato é) totalmente independente das nossas vontades, passionais ou mais racionais, e que mesmo sem nos dar conta, nos adaptamos e aprendemos com isso.”
poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000

19- Filhos da Esperança (Children of Men, Alfonso Cuaron, 2006)

“O que aconteceria com a humanidade se as mulheres deixassem de engravidar?

Além de uma ótima distopia com crítica social e um thriller de ação, Filhos da Esperança excede no quesito técnico ao nos apresentar um plano seqüência de tirar o fôlego. É sempre ótimo quando o cinema desenvolve novas tecnologias, mas o maior triunfo do filme é o uso da nova tecnologia como um diferencial que reforça e melhora a experiência narrativa. Este misto de conteúdo e técnica cinematográfica um lugar de destaque da obra nessa lista de melhores filmes dos anos 2000 do Cinema de Buteco.”

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000

18- Os Outros (The Others, Alejandro Amenábar, 2001)

“Estrelado por Nicole Kidman no seu auge, o longa-metragem de Alejandro Amenábar possui um daqueles roteiros que deixam o espectador arrepiado no final sem ter a menor ideia de que aquilo poderia ser uma possibilidade. As pistas estavam todas lá, mas existe um cuidado tão grande em levar o público por um caminho diferente que tudo acaba sendo uma imensa surpresa. Os Outros merece todo o nosso respeito e as noites em claro que nos roubou.”

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000

17- Amnésia (Memento, Christopher Nolan, 2000)

O filme apresenta Leonard Shelby (Guy Pearce) como um homem atormentado e que sofre de uma curiosa condição: ele é incapaz de memorizar coisas recentes. Ele sofreu um sério ferimento na cabeça ao tentar evitar que a mulher fosse estuprada e assassinada, e anos depois, seu único objetivo é encontrar o homem que acabou com sua vida. Para isso, Leonard faz várias tatuagens com “avisos” pelo seu corpo e costuma seguir uma lista de regras: evita falar ao telefone e faz anotações nos versos de cada fotografia que tira das pessoas ao seu redor. É assim que ele conhece o chato Teddy (Joe Pantoliano) e a ambígua Natalie (Carrie Anne-Moss), que é mais conhecida por ter interpretado a Trinity na trilogiaMatrix.

É uma daquelas histórias em você não pode piscar os olhos para evitar o risco de perder qualquer detalhe, por menor que seja. Existem pessoas que detestam esse tipo de longa-metragem, especialmente quem costuma afirmar que assiste filme apenas para se distrair e que gosta de desligar o cérebro. Nada contra esse tipo de público, mas preciso admitir que o cinema de Christopher Nolan não é para os preguiçosos que não sabem desfrutar uma boa história, de uma narrativa complexa, ou enxergar de verdade o que existe nas entrelinhas. A droga do peão não vai parar de rodar para esse público. Então, sem tentar fazer média: Amnésia é do caralho.”

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000
16- Sangue Negro (There Will Be Blood, 2007, Paul Thomas Anderson)

“No longa, acompanhamos Daniel Plainview (Lewis) em sua jornada na busca por petróleo. Já no início, o personagem surge em um ambiente totalmente escuro e sombrio, o que reflete sua personalidade. Essa lógica se repete várias vezes durante a obra, inclusive em aparições nas quais Daniel aparece banhado em petróleo. Além disso, o filme deixa bem claro o que significaria achar o óleo – considerando que em uma das cenas a poça de petróleo recém-encontrado lembra uma caveira.

Paul Thomas Anderson é um dos grandes cineastas atuais e Sangue Negro é um de seus melhores trabalhos. O filme realiza um sensível estudo de personagens e da influência do poder em suas relações, além de apresentar diversas sutilezas, como a ironia no nome do protagonista. Uma obra realmente brutal e magnífica, e, não creio ser exagero afirmar, um dos melhores filmes da década passada.”
poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000

15- Closer – Perto Demais (Closer, Mike Nichols, 2004)

“Olhar para nossos relacionamentos sem os costumeiros joguinhos amorosos ou pequenas máscaras sociais pode ser excruciante, mas em alguns momentos necessário. Em Closer, vemos relacionamentos serem tratados de forma bastante peculiar, ainda mais se levarmos em conta como eles geralmente são romanceados no cinema. A dimensão do quanto um relacionamento pode ser complexo é expandida pelo bom roteiro, elenco afiado e pela câmera do experiente diretor.”

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000

14- O Segredo de Brokeback Mountain (Brokeback Mountain, Ang Lee, 2005)

O Segredo de Brokeback Mountain tem ao seu favor um elenco inspirado. Sob a direção sempre eficiente de Ang Lee (que venceu o Oscar pelo seu trabalho), Jake Gyllenhaal e Heath Ledger nos convencem desde a primeira cena juntos. É um desempenho cheio de intensidade, paixão, sensibilidade e sutilezas.”

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000

13- Alta Fidelidade (High Fidelity, Stephen Frears, 2000)

“Adaptação de um romance homônimo do escritor inglês Nick Hornby, Alta Fidelidade é um must-see obrigatório que sempre costuma aparecer nas listas preparadas pelo Cinema de Buteco. John Cusack interpreta um dono de uma loja de discos viciado em listas, que enquanto enfrenta as baixas vendas do seu negócio, relembra seus piores relacionamentos amorosos. Tudo isso com muita música boa na trilha sonora.”

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000

12- Antes do Pôr do Sol (Before Sunset, Richard Linklater, 2004)

“Um filme de amor em tempo real, em Paris, com um americano em crise no casamento e uma francesa desiludida em relação ao amor. Se passaram dez anos desde o primeiro encontro deles em Viena e o recheio do sanduíche (caso Richard Linklater não faça Antes da Madrugada em 2022) é considerado por muitos como a melhor parte da trilogia. Os diálogos inteligentes e sinceros continuam, a chama entre Jesse e Celine permanece acesa e acompanhá-los durante um passeio de 1h20 pela Cidade da Luz é talvez um dos maiores prazeres que o cinema pode proporcionar para os românticos incuráveis.”

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000
11- Na Natureza Selvagem (Into the Wild, Sean Penn, 2007)

“Talvez seja uma grande injustiça da nossa parte não ter eleito Na Natureza Selvagem como o melhor filme de aventura dos anos 2000. Sean Penn comandou uma das obras mais profundas produzidas nos últimos anos e apresentou uma verdadeira jornada em busca de autoconhecimento, paz e alegria. Tudo ao som de Eddie Vedder. Se você é uma pessoa que pensa constantemente em achar o seu lugar no mundo, pegar uma mochila e viajar por aí, Na Natureza Selvagem é o seu filme favorito (e você nem sabia disso ainda).”

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000

10- Wall-E (Andrew Stanton, 2008)

“Ai, Pixar. Wall-E é um filme tão sensível, tão rico e tão simples, que quebrou muitas daqueles paradigmas de que “animações são para crianças”, “desenhos são bobos” e toda aquela baboseira que se ouve por aí. A história pós-apocalíptica conta a vida pacata de um robô compactador de lixo, que desenvolveu uma humanidade tão grande que passa seus dias buscando colecionáveis no lixão, e suas noites ouvindo música em sua humilde residência. Mas tudo muda quando ele conhece outro robô que vasculha a terra em busca de sinais de vida e acaba encontrando um broto de uma plantinha. Uma animação maravilhosa, praticamente sem falas, que mostra muito sobre desperdício e sobre nosso estilo de vida condenável, comodista e inconsequente.”

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000

9- Fonte da Vida (The Fountain, Darren Aronofsky, 2006)

“Darren Aronofsky discute em Fonte da Vida as questões existencialistas relativas ao amor e a imortalidade. Além da profundidade filosófica e do deleite audiovisual que o filme traz ao espectador, Hugh Jackman surpreende com uma atuação sensível e dramática.” 

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000

8- Cidade de Deus (Fernando Meirelles e Katia Lund, 2002)

“Mais que um filme de ação, Cidade de Deus é um retrato magnífico de uma parte enorme da sociedade brasileira que muitos ainda teimam em ignorar. Com violência nua e crua, personagens carismáticos e histórias de vida em que o acaso contribui para criar o herói ou o vilão, o longa-metragem permanece até hoje como uma obra a ser “batida” no cinema nacional.”

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000

7- A Viagem de Chihiro (Sen to Chihiro no kamikakushiHayao Miyazaki, 2001)

“A obra-prima de Hayao Miyazaki é tão doce e profunda quanto assustadora. Dragões, monstros, deuses, sapos falantes e bruxas-corvo, tem de tudo nesse filme: você só tem que escolher de qual gostará mais. A riqueza de detalhes e cores, a movimentação dos personagens e a grandiosidade da produção são de babar. É um estilo diferente das consagradas animações comerciais que vemos no cinema. O Japão tem seu próprio ritmo, e Miyazaki é o maior de todos os maestros.”

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000

6-Deixa Ela Entrar (Let the Right One In, Thomas Alfredson, 2008)

Deixa Ela Entrar está longe de ser considerado um apenas como um filme de terror. Arriscariamos dizer que até mesmo de vampiro, mas seria uma afirmação complicada. O longa é uma verdadeira demonstração de amor, cumplicidade, amizade, amadurecimento e principalmente a solidão. Capta os dilemas daquela fase em que somos obrigados a lidar com os valentões da turma e mostrar nosso valor.”

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000

5- O Auto da Compadecida (Guel Arraes, 2000)

“Chicó e João Grilo apareceram nas telas nacionais em 2000, dando um novo gás às comédias brasileiras. A história dos amigos que sobrevivem de pequenos golpes muda quando se envolvem com um cangaceiro casca grossa. É com a procura da solução dos problemas deles que o público cai na gargalhada.

A história de Ariano Suassuna tem Selton Mello e Matheus Nachtergaele no centro e conta com um improvável julgamento em seu ápice. As piadas são de fácil entendimento e conquistaram o público com sua extensa faixa etária, além de ilustrar o perfil da população brasileira de modo genuíno.”

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000

4- Pequena Miss Sunshine (Little Miss Sunshine, Jonathan Dayton/Valerie Faris, 2006)

“A família Hoover é cômica. O pai possui um método de autoajuda fracassado, o filho mais velho fez voto de silêncio, o cunhado é um professor suicida e o avô foi expulso de uma casa de repouso por usar heroína. A família precisa colocar suas diferenças de lado para atravessar o país em uma Kombi amarela muito velha quando a filha mais nova, Olive, é convidada para participar de um concurso de beleza juvenil. Comédia e drama estão bem equilibrado na história de Michael Arndt. O filme quebra paradigmas e nos passa de uma forma leve a carga dramática presente. Nos faz querer abraçar cada um dos membros da família, principalmente a garotinha.”

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000

3- O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei (The Lord of the Rings: The Return of the King, Peter Jackson, 2003)

“O Retorno do Rei e suas trinta e nove horas de duração é um marco dos anos 2000 e não poderia ficar de fora da nossa seleção. Peter Jackson realizou o que a maioria da indústria considerava impossível e adaptou a obra de J.R.Tolkien de uma maneira que o próprio autor teria reverenciado o resultado. O encerramento da trilogia é grandioso em todos os sentidos e encerra de vez todos os arcos de histórias sobre a eterna luta do bem contra o mal. As melhores batalhas foram guardadas para o final e a versão estendida passa num piscar de olhos: quando estamos na Terra-Média o tempo parece não passar. Que filme.”

poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 2000

2- Quase Famosos (Almost Famous, Cameron Crowe, 2000)

“Um adolescente consegue um trabalho na revista Rolling Stone e tem a tarefa de acompanhar a banda de rock Stillwater em uma turnê pelos Estados Unidos. Kate Hudson no papel de Penny Lane (musa) encanta os personagens no filme e a nós, que a assistimos daqui. É um filme para quem ama os anos 70, adora guitarras e curte o espírito jovem em ascensão.”


poster-o-invasor-225x300 Os 51 Melhores Filmes dos Anos 20001- Brilho Eterno Eterno de Uma Mente Sem Lembranças (Eternal Sunshine of the Spotless Mind, Michel Gondry, 2004)

“Esquecer a pessoa amada após o rompimento é o sonho de muitos, mas no correr da história, nosso protagonista percebe que não é isso que quer de verdade. Com o roteiro engenhoso de Charlie Kaufman, elenco afinado e cores que ajudam o espectador a se encontrar na turbulenta mente de Joel, o filme é um alento aos corações despedaçados. Ficar sem quem amamos e conviver com suas memórias é difícil, mas são esses momentos que nos preparam para relacionamentos futuros.”

Redação do Buteco

Cinema por quem entende mais de mesa de bar.