Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Top 10 – Os Melhores Filmes de Suspense de 2016

#5

The Neighbor (Marcus Dunstan, 2016) O diretor do arrepiante O Colecionador de Corpos está de volta. Desta vez, com um pouco menos de sangue, mas com boas doses de tensão, suspense e surpresas inesperadas.

A trama mostra um casal que vive numa casa longe da cidade e começa a desconfiar que o vizinho possui segredos realmente obscuros. O que parecia apenas uma indiscrição, logo começa a se revelar como uma perigosa realidade.

- Advertisement -

Recomendado para quem gosta de: filmes sangrentos, com tortura psicológica, física e sadismo, O Albergue


#4

O Homem nas Sombras (Don’t Breathe, Fede Alvarez, 2016) Uma coisa que me deixa muito feliz é a sensação de reencontrar “velhos amigos”. Nunca tinha ouvido falar de Fede Alvarez até o sensacional remake/reboot de A Morte do Demônio. Anos depois, olha ele aqui de volta nas nossas listas de melhores filmes do ano!

A produção conta a história de um trio de trombadinhas que invade a casa de um homem cego achando que seria mamão com açúcar roubar o lugar. Se deram mal. O sujeito é mais cego que o surdo em tiroteio, mas é um verdadeiro ninja da escuridão. Isso deixa os assaltantes numa situação perigosa e inesperada.

Muitos sustos, cenas tensas e uma narrativa sufocante. Imperdível!

Recomendado para quem gosta: da ideia de ver o que aconteceria se o Demolidor ficasse velho e decidisse matar os ladrões que invadissem a sua casa.


#3

Elle (Paul Verhoeven, 2016) O que mais me chateia quando leio pessoas reclamando da falta de grandes filmes em 2016, é que eles estão colocando um dos melhores diretores de todos os tempos nessa sacola. Impossível um ano com trabalho inédito de Paul Verhoeven ser ruim.

O sempre polêmico diretor retornou depois de um longo período de hibernação, ou produzindo coisas que ninguém viu, e o resultado foi esse arrepiante Elle. Como não podia deixar de ser, a produção polemizou e foi mal recebida por muitas pessoas que fizeram uma leitura perigosa da narrativa. Me pergunto o seria de Conquista Sangrenta, caso fosse lançado hoje.

Recomendado para quem gosta de: BDSM e riu de 50 Tons de Cinza, filmes sobre síndrome de Estocolmo, histórias sobre pessoas fodidas da cabeça e suas perversões sexuais


#2

Snowden (Oliver Stone, 2016) PQP, Oliver Stone! PQP! Quando um diretor desse calibre acerta a mão, você precisa apenas assentar e relaxar para aproveitar a experiência de assistir a um dos melhores longas do ano. Snowden apresenta Joseph Gordon-Levitt no papel do ex-agente da CIA Edward Snowden, o cara que denunciou todo o esquema de espionagem mundial do exército norte-americano.

Conhecido por pesar a mão e costumar arrastar a narrativa em muitos de seus filmes (Selvagens, W. ,Wall Street: O Dinheiro Nunca Dorme, para falar dos mais recentes), Stone conta a sua história com uma fluidez inacreditável. Méritos também para o protagonista, numa atuação inspirada de Gordon Levitt. Filmaço que marca o primeiro projeto excepcional do cineasta desde Um Domingo Qualquer, de 1999.

Recomendado para quem gosta de: História real, Espionagem, ver o governo dos EUA se ferrando, internet, tecnologia, WikiLeaks, Edward Snowden


#1

Poster Green RoomSala Verde (Green Room, Jeremy Saulnier, 2015) Em Sala Verde, um suspense claustrofóbico que segue uma banda punk metida numa enrascada em uma casa de shows neo-nazista, o grande destaque vai para Darcy, interpretado com a excelência de sempre por Patrick Stewart. Dono do estabelecimento e líder dos nazistas, Darcy é um vilão minimalista, que mantém o tom de voz calmo mesmo quando o bicho está prestes a pegar. Talvez por isso meta muito mais medo do que muito vilão escandaloso por aí.

Não é a toa que o longa-metragem ficou em primeiro lugar na lista de melhores filmes de suspense de 2016. Jeremy Saulnier comandou recentemente Blue Ruin, que já havia aparecido na lista de suspense em 2014. Ou seja, esse é um nome que os fãs do gênero podem acompanhar!

Recomendado para quem gosta de: Filmes claustrofóbicos, assassinato, vilões arrepiantes, filmes de bandas em que a música é só detalhe