Cinema por quem entende mais de mesa de bar

#RetrospectivaButeco – Melhores Cenas com Música de 2015

Em outra lista tradicional do Cinema de Buteco, nós reunimos as melhores cenas com música de 2015. Qual a sua favorita?

Melhores cenas com música - Magic Mike XXL

ANUALMENTE COSTUMAMOS FALAR SOBRE AS MELHORES CENAS MUSICAIS DO ANO e em 2015 não podia ser diferente. Em muitas produções de Hollywood tivemos aquela cena de encher os olhos e alegrar os nossos ouvidos com boas canções desempenhando papel importante na narrativa ou simplesmente funcionando como recurso cômico ou romântico. Seja qual for o motivo para causar emoção, essas foram as melhores sequências musicais da temporada:

- Advertisement -

25- “Essa Trouxa Não é Sua”, Que Horas Ela Volta?

Embora não representem uma sequência presente na trama em si, os créditos finais de Que Horas Ela Volta?, embalados pela ótima “Essa Trouxa Não é Sua”, merecem uma menção nessa lista. A razão é simples: a composição casa perfeitamente com a narrativa que presenciávamos até ali – num simplismo, é como a “cereja do bolo”. Para compreender, basta assistir ao filme e, em seguida, acompanhar os créditos subindo ao suave som da canção, interpretando atentamente sua letra. (Leonardo Lopes)


24- “Plainsong”, em Homem-Formiga

O senso de humor espertinho de Homem-Formiga resulta numa ótima piada que escapa para quem não domina inglês e desconhece a banda The Cure. Numa cena de luta no terceiro ato, o vilão grita a sua vontade de “desintegrar” o herói. É a deixa para o iPhone entender aquilo como um pedido para ouvir o disco Disintegration, do The Cure. Pena que é rapidinho…

https://youtu.be/MPHiw35D4hI


23- “Blood Hands”, em Insurgente

É triste dizer que a melhor coisa da continuação do divertido Divergente seja a canção “Blood Hands” durante os créditos finais? Seria muito pior se não tivesse nem isso para elogiar nessa frustrante segunda parte. Royal Blood salvou a pátria.


22- “I Feel Thankful”, em A Travessia

A cena mais encantadora e alucinante de A Travessia é, obviamente, quando o protagonista atravessa as Torres Gêmeas. A fotografia, o cenário e como Robert Zemeckis filmou tudo foi incrível e parecia que estávamos lá com Philippe Petit (Joseph Gordon-Levitt). Além disso, algo marcante foi a escolha da canção de fundo, composta por Alan Silvestri. Intitulada “I Feel Thankful”, ela transmite toda a calma e prazer do francês naquele momento histórico e até nos acalma um pouco, pois é difícil não ter mini infartos enquanto assistimos ao filme. (Dani Pacheco)

https://youtu.be/kwzTtTvoqRc


21- O “terrível” gosto musical de Lewis, em Perdido em Marte

Uma das qualidades do novo filme de Ridley Scott é o humor. Sem ele, assistir a Perdido em Marte teria sido bem menos atraente. Sem Matt Damon e sua incrível performance, nada seria o mesmo. Em um dos vários momentos hilários do longa, o protagonista reclama da biblioteca musical de Lewis (Jessica Chastain), pois ela apenas tem músicas antigas ou, como ele diz, “nada do século 21”. (Dani Pacheco)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.