Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Quais foram os melhores lançamentos de março nos cinemas?

PARECE ATÉ QUE MARÇO FOI UM MÊS EM QUE EXISTIU APENAS UM GRANDE LANÇAMENTO NOS CINEMAS, mas a verdade é que tivemos muita coisa boa nas telonas. Com as tradicionais quatro participações, conseguimos chegar a um total de 10 filmes diferentes para fechar esse ranking com os melhores lançamentos de março.

Participaram da votação: Alex GonçalvesDaniela Pacheco, Felipe Borba e Tullio Dias. Clique nos nomes para seguir no Twitter.

Apreciem sem moderação!

- Advertisement -

5- Batman vs Superman: A Origem da Justiça

Batman vs Superman: A Origem da Justiça não é o melhor longa-metragem do mundo, mas não faltou com as expectativas criadas pelos fãs. Pecando pela quantidade de informações (e a velocidade como tudo acontece prejudica momentos mais dramáticos ou filosóficos, como a cena em que Wayne caminha até onde os pais estão enterrados), mas compensando por entregar o prometido, Zack Snyder demonstra maturidade e competência nessa difícil missão de estabelecer todo um universo e nos deixa ansiosos pelos próximos filmes – e claro, o retorno do Superman.” (Tullio Dias)

4- A Juventude

“Mesmo vencendo o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, A Grande Beleza, de Paolo Sorrentino não foi uma unanimidade de crítica, especialmente a brasileira. A razão é a mesma pela qual A Juventude será diminuído: a visão por vezes superficial dos privilegiados sobre a real singularidade da existência humana, esta além do prestígio artístico, do repouso em redomas de luxo e das taças de Martini. Por dentro da bela roupagem, no entanto, há um coração extasiado em A Juventude, especialmente quando Michael Caine e Harvey Keitel, vivendo respectivamente o compositor musical Fred Ballinger e o cineasta Mick Boyle, assumem o protagonismo de grandes momentos, como a condução de uma música a partir dos sons em um bosque e a ingratidão de uma musa ao declinar o convite para mais um filme.” (Alex Gonçalves, do Cine Resenhas)

3- A Bruxa

“De vez em quando acontece dos fãs de terror serem presenteados com verdadeiras obras-primas, como é o caso de A Bruxa, de Robert Eggers. Na maioria das vezes somos bombardeados por filmes ruins e sem graça, que apostam em tramas rasas e em cenas de sustos previsíveis.

A narrativa não se entrega aos caminhos sedutores do gênero e investe numa pesada construção do ambiente para nos deixar de queixo caído nos últimos 20 minutos de projeção. Até lá, o que acompanhamos é uma trama lenta que trabalha com metáforas e se apoia muito na eficiência de seu elenco. Assim como acontece em O Bebê de Rosemary, o suspense se sobressai aos sustos e aos poucos vamos mergulhando na mais profunda escuridão.

A consequência é provavelmente o melhor filme de terror da década.” (Tullio Dias)

2- Boa Noite, Mamãe

“Você é daquele tipo de pessoa que fica arrepiada assistindo histórias com crianças meio demoníacas? Pois é. Goodnight Mommy pode ser o filme de terror que você estava esperando. Imagine esses dois irmãos que começam a desconfiar que a mãe deles foi substituída por uma outra pessoa e criam o maior inferno para descobrir a verdade. Assim como em Creep e Musarañasproduções do gênero que se destacaram em 2015, o mote principal aqui é a questão da paranoia, o que resulta em muitos momentos capazes de deixar o espectador bem desconfortável no sofá. No entanto, verdade seja dita, nada nos prepara para o encerramento da narrativa. Pesado.” (Tullio Dias)

1- Mundo Cão

mundo cão filme crítica

“Vivemos em um mundo cão literalmente. Temos alegrias, é claro, mas a realidade em que estamos não é perfeita; está longe disso. O brasileiro Marcos Jorge mostra um pouco disso em seu novo filme, que conta a história de uma família boa que é vítima da violência e quase perde tudo em uma história intensa de vingança.

A trama envolve Santana (Babu Santana), funcionário do Departamento de Combate às Zoonoses, o qual prende um cachorro perigoso e o sacrifica três dias depois, conforme a lei na época. Quando o perigoso dono desse animal aparece, Nenê (Lázaro Ramos), as coisas se complicam para ele e sua família é quem sofre com isso. Assim como Santana o machucou ao tirar o seu rottweiler, ele tira do homem o seu filho, João (Vini Carvalho). A partir daí, uma série de acontecimentos se passam na tela, não só relatando o enredo em si, mas fazendo certas críticas à nossa sociedade.” (Dani Pacheco)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.