Top 5 Filmes Românticos: Ana

Em época de Dia dos Namorados, tudo o que passa na cabeça dos solteiros é evitar o cinema, afinal é ele o programa predileto dos casaizinhos apaixonados. O dia 12 de junho é o dia do jantar a luz de velas, o dia em que gestos bregas são considerados românticos, e pior de tudo, o dia permissivo para beijos e apelidos carinhosos virem à público.
Eu partilho da opinião de que assim como o Dia das Mulheres, o Dia dos Namorados não devia possuir uma data fixa no calendário, mas daí a dizer que comemorar um namoro é algo sem fundamento é uma grande bobagem. Todo relacionamento, seja ele longo ou recente, merece, sim, ser festejado 🙂
Mas para você que não tem programação dia 12 e é um pouco “masoquista”, segue minha lista dos 5 filmes mais românticos do cinema.
A regra é ter à mão um balde de pipoca, um pote de sorvete ou um pacote de lencinhos.


Breakfast at tiffany’s (Bonequinha de Luxo)

“Okay, life’s a fact, people do fall in love, people do belong to each other, because that’s the only chance anybody’s got for real happiness.”
Holly (Audrey Hepburn) é uma moça do interior que persegue insistentemente o sonho de ser atriz. Dentre os seus relacionamentos estão um casamento fracassado, do qual ela fugiu na adolescência e os relacionamentos efêmeros que mantém com homens ricos. Em sua cabeça Holly alimenta a crença de que o amor desinteressado não existe. Crença que só é destruída quando ela conhece Paul (George Peppard, um escritor, seu vizinho e que por coincidência é sustentado pela namorada. A descoberta do amor por esses dois personagens vem embalada por diálogos bem construídos e apaixonantes. O roteiro é baseado na obra de Truman Capote e o filme é dirigido por Blake Edwards.


My Girl (Meu primeiro Amor)

“You think death has ripped you forever apart. But I know he’ll always be in your heart.”
Vada (Anna Chlumsky) é uma menina de 11 anos que perdeu a mãe ao nascer e foi criada pelo pai , que por sua vez não entende nada dos problemas vivenciados por uma menina de onze anos. Para completar sua casa também é uma funerária o que leva a menina a desenvolver uma obsessão incomum por doenças, elemento cômico do filme. Vada tem como único amigo Thomas Jeferson (Macaulay Culkin). Juntos eles protagonizam uma das cenas mais fofas do cinema, que é o primeiro beijo(convenhamos um dos momentos da vida mais cheio de ansiedade). O personagem de Macaulay Culkin morre no final, mas ainda assim é um bom roteiro para o primeiro amor, aquele que nasce a partir da amizade.


Elizabethtown (Tudo Acontece em Elizabethtown)

“I’m going to miss your lips. And everything attached to them.”
Em Elizabethtown, Drew (Orlando Bloom), está lidando com o fracasso de sua carreira profissional, quando é avisado da morte do pai em sua cidade natal. Os planos de suicídio são deixados de lado, e ele parte rumo a Elizabethtown para buscar o corpo do pai e providenciar os detalhes da cremação. No caminho,ele conhece Claire (Kirsten Dunst) uma divertida aeromoça, que se dispõe a ajudá-lo nessa jornada de conhecimento do pai, com quem Drew não convivia a um bom tempo.
Os dois vivem um romance cheio de desencontros e atrapalhados pela memória dos relacionamentos anteriores, e que só tem um desfecho na última cena. A trilha sonora é um divertido passeio pelo folk e na atmosfera de Elizabethtown você realmente começa a achar que tudo pode acontecer.


Pride and Prejudice (Orgulho e Preconceito)

Baseado em livro homônimo da escritora britânica Jane Austen, Orgulho e Preconceito conta a história de amor de Elizabeth Bennet (Keira Knightley) e Mr.Darcy (Matthew Macfadyen), que viveram no séc. 19 na Inglaterra Rural. Assim como no livro, uma sucessão de mal entendidos fazem com que Lizzie crie uma imagem ruim de Mr.Darcy, a imagem de uma pessoa arrogante e orgulhosa. Essa imagem é um dos empecilhos para que a história de amor dos dois se realize após declaração de Darcy. Lizzie acredita que ele é o único responsável pela ruína do enlace matrimonial eminente entre sua irmã mais velha Jane Bennet e Mr.Bingley amigo de Mr.Darcy. Após esclarecimento dos mal entendidos em carta escrita por Darcy, Lizzie começa a se envolver cada dia mais com esse homem que antes tinha jurado odiar. O filme não contém nenhuma cena de beijo, mas nem por isso poupa no romantismo.


Moulin Rouge

“The greatest thing you’ll ever learn is just to love and be loved in return.”
Já que ele foi citado em outro post vou me ater apenas a frase acima que na minha opinião sintetiza toda a idéia do filme. Destaque para a atuação de Nicole Kidman como a cortesã Satine e de Ewan McGregor na pele do escritor Christian, porque além de atuar, eles cantam muito bem.

  • João

    gentê!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! bonequinha de luxo. eu me ODEIO por não ter pensado nesse filme antes. sensacional lembrança. audrey nós te amamos eternamente.
    a cena da morte do macauley é um horror! acho que foi o primeiro filme que me fez chorar na vida. só não concordei muito com orgulho e preconceito, que me parece um filme correto. e só. mas é bonito pela direção de arte toda e pela keira que tá ótema. boa lista!!!!

Redação do Buteco

Cinema por quem entende mais de mesa de bar.