Tullio Dias e os filmes assistidos em maio

MAIO FOI MAIS MOVIMENTADO QUE ABRIL, mas ainda assim ficou abaixo da média estipulada. Praticamente todos os filmes assistidos foram parte da minha pesquisa para a lista de psicopatas do cinema. Estou demorando para finalizar, mas fazer as coisas com calma costuma render bons frutos!

Maio também foi bem comemorativo: alcancei a minha marca de 1000 críticas produzidas desde o começo do Cinema de Buteco, em 2008. Deu até para tirar onda com o meu xará maravilha do futebol. Ele precisou contar até os gols que fazia nas peladas no clube ou no campinho da vizinhança dele para atingir os 1000… E eu pude até ignorar os textos de séries para chegar nessa marca especial. Brincadeiras a parte, são apenas números para refletir a dedicação nos últimos anos. Se não existissem leitores aqui dando uma força, eu não teria atingido esse número. Então, obrigado a todos e bora chegar aos 1500 agora! o/

Lembre-se de me acompanhar no Twitter!

A contagem dos filmes inclui as obras vistas em janeiro, fevereiro, março e abril (todas devidamente registradas e comentadas). Os títulos grifados serão considerados em nossas listas de Melhores do Ano; em itálico estarão os filmes a que assisti pela primeira vez; e os que não tiverem nada… bem, acontece.

Compartilho agora o que apreciei (sem moderação) em maio:

psicopatas mais subestimados do cinema - chained

144- Acorrentados: Jennifer Chambers Lynch faz jus ao seu nome e se revela como uma das diretoras mais interessantes da atualidade quando se trata de falar sobre psicopatas. Recomendo demais para os curiosos com o tema e para os fãs do excelente Vincent D’Onofrio. (4/5)

145- Hush: Aproveitei a recomendação do Alex Gonçalves e fui atrás desse filme que gerou um buzz entre a turma cinéfila nos últimos meses. A trama é bem simples e o resultado é eletrizante. (3/5)

146- Killer Joe: Está para nascer cena mais bizarra na carreira de Matthew McConaughey do que o boquete com a coxinha de frango. Killer Joe mereceria atenção apenas por esse momento ímpar, mas é um tremendo filmaço sobre gente idiota fazendo idiotice. (4/5)

147- O Abutre: Uma pena que essa obra não tenha atingido um público mais amplo, afinal temos uma bela atuação de Jake Gyllenhaal e um retrato fiel da qualidade da televisão sensacionalista. Sem falar que temos um belo exemplar de psicopata, né? Meu guia de filmes com psicopatas curtiu isso. (4/5)

148- Preludio Para Matar: Na minha pesquisa por filmes com psicopatas, me recomendaram fortemente a inclusão desse clássico de Dario Argento. A verdade é que Prelúdio Para Matar é excelente como um todo e não apresenta uma personagem boa o suficiente para entrar na lista final. Ainda assim, se você gosta de música e filmes antigos, vale a pena conferir. O título original é Profondo Rosso. (4/5)

149- O Talentoso Ripley: Antes dessa revisão, minha única experiência com O Talentoso Ripley foi no cinema há quase 20 anos. Puta que me pariu. Estou velho demais, hein? Vou parar de denunciar a idade. O estelionatário vivido por Matt Damon reservou o seu lugar na minha lista de melhores filmes com psicopatas de todos os tempos. O material será publicado ainda esse mês de junho. (3/5)

150- Donnie Darko: O nosso editor de literatura, Felipe Borba, ficou na minha cola durante o mês para que eu produzisse uma crítica completa sobre esse “clássico” dos anos 2000. Aproveitei para rever e escrever também uma matéria especial sobre a trilha sonora. Belo filme! (4/5)

151- Rua Cloverfield, 10: Caralho. Eu não dava nada por essa “continuação” de Cloverfield e me vi diante um dos melhores filmes de terror/suspense/sci-fi da temporada 2016. Atuação arrepiante de John Goodman, que raramente faz trabalhos medíocres. (3/5)

152- Curtindo a Vida Adoidado: Atendendo a mais uma demanda do Cinema de Buteco, revi esse clássico para a gravação de uma edição do nosso podcast (ainda não rolou) e para finalmente parar com a enrolação e garantir uma crítica decente no site. Minha dica é: se você acabou de conhecer uma pessoa, pergunte o que ela acha de Curtindo a Vida Adoidado. Se ela não gostar, peça a conta e volte para casa.

Uma coisa especial a ser dita: Curtindo a Vida Adoidado foi a minha crítica de número 70 em 2016. Esse era o meu número mágico como meta do ano, já que agora completei 1000 críticas desde o começo da carreira. Muita coisa, né? (5/5)

153- O Silêncio dos Inocentes: Ainda não escrevi a crítica, mas esse é outro clássico que está na minha mira. E serei bem sincero: escrever sobre determinadas obras é arrepiante. Bate aquela sensação de que nada seria bom o suficiente, mas então é necessário um pouco de desapego. E boas cachaças. Silêncio dos Inocentes apresenta Anthony Hopkins na pele do canibal psicopata Hannibal Lecter pela primeira vez. Garanto que se você nunca viu esse filme ainda, precisa corrigir isso urgente para passar a ver o cinema de suspense com outros olhos. (5/5)

154- Maníaco: A narrativa é toda contada através da perspectiva do protagonista, ou seja, através do chamado POV (Point of View). Isso é um ponto positivo para o filme, já que obriga o espectador a criar certa conexão com o psicopata vivido intensamente por Wood. Nós entramos quase que literalmente na cabeça dele e assistimos de uma posição privilegiada os seus crimes e crises nervosas. (3/5)

155- O Lobo Atras da Porta: Indicado para fãs de bons longas de suspense, Fernando Coimbra conseguiu a proeza de apresentar um filme sobre traição com uma personagem mais assustadora que Glenn Close em Atração Fatal. (4/5)

156- O Invasor: Beto Brant não apenas fez um dos principais longas do cinema nacional nos últimos 20 anos, mas uma daquelas produções marcantes que grudam na gente para nos fazer pensar sempre que as pessoas são dispostas a tudo para conseguirem o que desejam. Especialmente quando estamos falando de gente sem escrúpulos. Um filmaço! (4/5)

157- Será que?: é uma comédia romântica que surge como uma opção surpreendente para os momentos em que nossos corações lamentam o rumo das coisas e a certeza de que palavras e atos não são facilmente esquecidos, e muito menos perdoados. Entre os desejos de fazer o certo de Wallace e os impulsos de seu amigo em mostrar que a única coisa certa na vida é correr atrás de quem faz o seu coração bater, o longa-metragem é uma boa pedida para passar os períodos de fossa naquele estágio em que ainda relutamos com o fim ou desejamos voltar ao passado para fazer tudo ser diferente e não deixar o medo ser maior que o amor. (4/5)

158- Missão: Impossível: Nação Secreta: A franquia estrelada por Tom Cruise se garante como entretenimento de ação de qualidade e verdadeira garantia de diversão, mesmo durante as revisões. (3/5)

159- Vizinhos 2: Vizinhos 2 diverte com suas piadas politicamente incorretas, uma trilha sonora inspirada e principalmente pelos seus personagens cativantes. Uma pena que a continuação não consiga repetir o mesmo feito do longa original, já que falta um pouco de espontaneidade, mas ainda assim é uma boa pedida para os fãs do gênero.(3/5)

160- O Silêncio do Lago: Indicado para admiradores de suspenses inteligentes, o longa-metragem de George Luizer é uma joia pouco conhecida do grande público e merece a sua atenção. Sem dúvida, um dos grandes clássicos do gênero nos anos 1980. (3/5)

filmes sobre vinganca - eu vi o diabo

161- Eu Vi o Diabo: Também conhecido como um dos grandes filmes sobre vingança já produzidos, o suspense deixa o espectador angustiado do começo ao fim com a série de torturas que um assassino psicopata é submetido. Sensacional. (4/5)

162- Cabo do Medo: A parceria entre Martin Scorsese e Robert de Niro rendeu muitos clássicos, como é o caso desse terror sobre um homem buscando vingança contra o advogado que deveria ter feito um trabalho de defesa melhor. (3/5)

163- Segundas Intenções:  Produção obrigatória para quem era um adolescente nos anos 1990, Segundas Intenções é entretenimento de primeira para passar uma noite à dois. Excelente pedida para o inocente “Vem ver filme aqui em casa… (2/5)

164- Assassinos Por Natureza: Impressionante o quanto essa obra melhora durante as revisões. Woody Harrelson e Juliette Lewis estão excelentes nesse que considero o melhor trabalho de Oliver Stone até hoje. (4/5)

165- Louca Obsessão:Mesmo que o principal atrativo da obra seja a presença de uma psicopata inesquecível, não podemos deixar de recomendar o filme para todos aqueles que conhecem o ego dos escritores e gostam de histórias que falam sobre isso. Ao lado de O Iluminado, Carrie e Um Sonho de Liberdade, Louca Obsessão é uma das principais adaptações dos livros de Stephen King para o cinema.(3/5)

166- Instinto Selvagem:Mais que um filme obrigatório para fãs de tramas com psicopatas ou sexo usado de maneira inteligente e provocante, Instinto Selvagem tem como o seu principal trunfo o comando de um cineasta lascivo como Paul Verhoeven. Desta vez ele mostra que a busca pelo prazer pode ser fatal – e ainda mais irresistível. (3/5)

167- Kalifornia:é um prato cheio para fãs de road movies e filmes com psicopatas. Não é por acaso que ele faz parte do nosso guia definitivo sobre o assunto. Com personagens cativantes e cada um deles com histórias muito bem desenvolvidas, o longa-metragem acerta em cheio ao não priorizar a violência gráfica e se tornar apenas mais uma obra no meio de tantas outras. Se você gosta de suspenses de qualidade, Kalifornia vale a sua atenção. (3/5)

168- Precisamos Falar Sobre o Kevin: Na reta final da pesquisa sobre filmes com psicopatas, decidi dar mais uma chance para essa adaptação literária. Na primeira vez achei que faltava um pouco mais de graça, mas a revisão me permitir ver além das belas atuações de Tilda Swinton e Ezra Miller. Um estudo de personagem brilhante. (3/5)

169- Violência Gratuita: Se Precisamos Falar Sobre o Kevin melhorou muito na revisão, o mesmo não pode ser dito sobre o sádico Violência Gratuita. Acaba que o grande lance da obra está na experiência inicial e como isso nos deixa sentindo mal. Depois que acaba a surpresa, é apenas um “filme comum” – mas com a assinatura de Michel Haneke, o que atribui um valor superior aos verdadeiros “filmes comuns”. (3/5)

170- O Mensageiro do Diabo: Tenho muito amor por esse clássico do cinema, com um dos meus psicopatas favoritos de todos os tempos. Aqui nós temos o encontro perfeito da técnica do cineasta com o seu talento para contar uma boa história de maneira simples, mas sem abrir mão do virtuosismo para criar planos recheados de poesia visual. (5/5)

171- Psicose: Norman Bates é possivelmente o psicopata mais adorado do público, ao lado de Hannibal Lecter. Pois bem. Nenhum deles está no topo da nossa lista de grandes psicopatas da história do cinema. Dei spoiler da lista sim. Nem ligo. (4/5)

172- Onde os Fracos Não Têm Vez: Outro exemplo de obra que cresce durante a revisão. Não sou lá um grande conhecedor da carreira dos irmãos Coen e me recordo de ter achado que existia um excesso de elogios para esse filme. Hoje já acho que toda a atenção foi merecida, especialmente por conta da atuação do Javier Bardem. (4/5)

onde os fracos nao tem vez

Leia também:

#Janeiro
#Fevereiro
#Março

#Abril

Tullio Dias

Dizem que sou legal, mas eles estão mentindo só para me agradar. Gosto de Molejo, acho Era Uma Vez no Oeste uma obra-prima, prefiro baixo de quatro cordas do que os de cinco, tenho um MBA de MKT Digital e um curso de Publicidade, não tenho filhos, não tenho um coração, mas me derreto por caipirinhas.